A maior rede de estudos do Brasil

Elementos comum a todos pensadores da matriz contratualista?

Teoria Geral do Estado

METROPOLITANA


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Em regra, não possui nenhum elemento comum de forma generalizada, mas, podemos citar alguns posicionamentos:

Thomas Hobbes: o homem por sua natureza, era gerado mau, bárbaro e egoísta, pois o ser humano sempre busca sua satisfação pessoal acima dos outros, pois sempre está disposto a sacrificar o bem do próximo ou um bem que traga benefícios coletivos, para seu próprio benefício.

John Locke: acreditava que o homem nascia racional e social, sendo predispostos a fazer o bem e com um forte senso de amor ao outro indivíduo e empatia pela dor de um terceiro. Por acreditar que os seres humanos são livres e iguais, tendem a proteger uns aos outros, havendo a necessidade.

Em regra, não possui nenhum elemento comum de forma generalizada, mas, podemos citar alguns posicionamentos:

Thomas Hobbes: o homem por sua natureza, era gerado mau, bárbaro e egoísta, pois o ser humano sempre busca sua satisfação pessoal acima dos outros, pois sempre está disposto a sacrificar o bem do próximo ou um bem que traga benefícios coletivos, para seu próprio benefício.

John Locke: acreditava que o homem nascia racional e social, sendo predispostos a fazer o bem e com um forte senso de amor ao outro indivíduo e empatia pela dor de um terceiro. Por acreditar que os seres humanos são livres e iguais, tendem a proteger uns aos outros, havendo a necessidade.

User badge image

Anderson

Há mais de um mês

Um ponto comum perpassa o pensamento desses três filósofos contratualistas é a respeito da política: a idéia de que a origem do Estado está no contrato social. Parte-se do princípio de que o Estado foi constituído a partir de um contrato firmado entre as pessoas. Aqui entende-se o contrato como um acordo, consenso, não como um documento registrado em cartório. Além disso, a preocupação não é estabelecer um momento histórico (data) sobre a origem do Estado. A idéia é defender que o Estado se originou de um consenso das pessoas em torno de alguns elementos essenciais para garantir a existência social. 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas