A maior rede de estudos do Brasil

Gostaria de uma síntese do livro o príncipe de Nicolau Maquiavel


5 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Sua obra retrata a interação do poder que um governante possui, e seus atos e atitudes para se manter no poder, entre também as relações interpessoais que ocorrem com foque de influência e poder, podendo ser considerado um conto “sujo” do politicamente incorreto, do que se ocorre “atrás dos panos”.


O livro pode ser considerado uma obra estrategista, e pode ser utilizado ainda hoje, pelo seu enorme acervo de percepções não notadas antes na interação do poder com os súditos.


Ainda assim, a obra possui diversas defesas de tese pelo próprio Nicolau, onde por esse motivo, esse livro se repercute muito pelo mundo, por ser considerado um conto realmente sério, embora, a “sujeira” que exista relativamente no modo que é descrito todas as relações na obra.


Por fim, o livro, ainda hoje, pode causar espanto por seu conteúdo romper com as regras morais presentes no imaginário social, e explicita a realidade política, além de ser dotada de uma linguagem que ainda gera discussões não só pelo seu conteúdo literário, como também pela forma como foi escrita.

Sua obra retrata a interação do poder que um governante possui, e seus atos e atitudes para se manter no poder, entre também as relações interpessoais que ocorrem com foque de influência e poder, podendo ser considerado um conto “sujo” do politicamente incorreto, do que se ocorre “atrás dos panos”.


O livro pode ser considerado uma obra estrategista, e pode ser utilizado ainda hoje, pelo seu enorme acervo de percepções não notadas antes na interação do poder com os súditos.


Ainda assim, a obra possui diversas defesas de tese pelo próprio Nicolau, onde por esse motivo, esse livro se repercute muito pelo mundo, por ser considerado um conto realmente sério, embora, a “sujeira” que exista relativamente no modo que é descrito todas as relações na obra.


Por fim, o livro, ainda hoje, pode causar espanto por seu conteúdo romper com as regras morais presentes no imaginário social, e explicita a realidade política, além de ser dotada de uma linguagem que ainda gera discussões não só pelo seu conteúdo literário, como também pela forma como foi escrita.

User badge image

wescley

Há mais de um mês

O Príncipe (em italiano, Il Principe) é um livro escrito por Nicolau Maquiavel em 1512, cuja primeira edição foi publicada postumamente em 1532. Trata-se de um pequeno manual da conduta de príncipes, no mesmo estilo do Institutio Principis Christiani de Erasmo de Roterdã: descreve as maneiras de conduzir-se nos negócios públicos internos e externos, e fundamentalmente, como conquistar e manter um principado.Maquiavel deixa de lado o tema da República que será mais bem discutido nos Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. Em vista da situação política italiana no período renascentista, existem teorias de que o escritor, tido como republicano, tenha apontado o principado como solução intermediária para unificar a Itália, após o que seria possível a forma republicana.O tratado político possui 26 capítulos, além de uma dedicatória a Lorenzo II de Médici (1492?1519), Duque de Urbino. Através de conselhos, sugestões e ponderações realizadas a partir de acontecimentos anteriores na esfera política das principais localizades de então, o livro pretendia ser uma forma de ganhar confiança do duque, que lhe concederia algum cargo. No entanto, Maquiavel não alcança suas ambições.É neste livro que surge a famosa expressão os fins justificam os meios, significando que não importa o que o governante faça em seus domínios, desde que seja para manter-se como autoridade. Alguns cursos de administração de empresas fazem leituras aparentemente deturpadas de tal obra, afirmando que, se uma empresa for gerida considerando as metódicas análises do autor, a mesma conseguiria prosperar no mercado. 
Maquiavel começa o livro com uma dedicatória ao Magnífico Lourenço de Médicis, oferecendo-lhe o livro e as faculdades de sabedoria que, a Maquiavel, venho a conhecer em anos e com incômodos perigos.Do capítulo 1 ao 15, descreve as formas de poder e os dois principais tipos de governo: as monarquias e as repúblicas.No capítulo 15, Maquiavel escreve sobre como um príncipe deve proceder ante seus súditos e amigos, explicando que para manter-se adorado é necessário que o líder saiba utilizar os vícios e das virtudes necessárias, fazendo o que for possível para garantir a segurança e o bem-estar.No capítulo 16 é explicado ao príncipe como cuidar de suas finanças, para não ser visto como gastador, e levar o povo à pobreza, cobrando muitos impostos para manter-se rico. O autor diz que o melhor é ser visto como miserável, pois com este julgamento ele poderá ser generoso quando bem entender, e o povo irá se acostumar com isso. Os príncipes que vão junto ao exército atacar e saquear outras cidades devem ser generosos com seus soldados, para que esses continuem sendo fiéis e motivados.No capítulo 17, defende que é melhor um príncipe ser temido do que amado, mostrando que as amizades feitas quando se está bem, nada dura quando se faz necessário, sendo que o temor de uma punição faz os homens pensarem duas vezes antes de trair seus líderes. Diz também que a morte de um bandido apenas faz mal a ele mesmo, enquanto a sua prisão ou o seu perdão faz mal a toda a comunidade. O líder deve ser cruel quanto as penas com as pessoas, mas nunca no caráter material ?as pessoas esquecem mais facilmente a morte do pai, do que a perda da herança?.No capítulo 18, Maquiavel argumenta que o governante deve ser dissimulado quando é necessário, porém nunca deixando transparecer sua dissimulação. Não é necessário, a um príncipe, possuir todas as qualidades, mas é preciso parecer ser piedoso, fiel, humano, íntegro e religioso já que as vezes é necessário agir em contrário a essas virtudes, porém é necessário que esteja disposto a modelar-se de acordo com o tempo e a necessidade.No capítulo 19, o autor defende que o príncipe faça coisas para não ser odiado, como não confiscar propriedades, não demonstrar avidez ou desinteresse.Do capítulo 20 ao 23, explica como o líder deve controlar e o que deve fazer para manter seu povo feliz, mantendo distância dos bajuladores, e controlando seus secretários.No capítulo 24 explica porque os príncipes italianos perderam seus estados e como fazer para que isso não aconteça. Quando se é atacado, deve-se estar preparado para defender e nunca se deve ?cair apenas por acreditar encontrar quem te levante? já que isso só irá acontecer se os invasores forem falhos.Nos últimos capítulos explica como tomar a Itália e como se manter na linha entre a fortuna e Deus dizendo que os líderes devem adaptar-se ao tempo em que vivem, para manter-se no poder por mais tempo.O livro retrata a experiência de Maquiavel em analisar as estruturas de um governo, oferecendo ao Príncipe Lorenzo de Médici uma forma de manter-se permanentemente no poder, sem ser odiado por seu povo.

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Sua obra retrata a interação do poder que um governante possui, e seus atos e atitudes para se manter no poder, entre também as relações interpessoais que ocorrem com foque de influência e poder, podendo ser considerado um conto “sujo” do politicamente incorreto, do que se ocorre “atrás dos panos”.


O livro pode ser considerado uma obra estrategista, e pode ser utilizado ainda hoje, pelo seu enorme acervo de percepções não notadas antes na interação do poder com os súditos.


Ainda assim, a obra possui diversas defesas de tese pelo próprio Nicolau, onde por esse motivo, esse livro se repercute muito pelo mundo, por ser considerado um conto realmente sério, embora, a “sujeira” que exista relativamente no modo que é descrito todas as relações na obra.


Por fim, o livro, ainda hoje, pode causar espanto por seu conteúdo romper com as regras morais presentes no imaginário social, e explicita a realidade política, além de ser dotada de uma linguagem que ainda gera discussões não só pelo seu conteúdo literário, como também pela forma como foi escrita.

User badge image

Marilene

Há mais de um mês

No livro O Príncipe Maquiavel descreve e analisa como o governante deve agir, quais as estratégias e artimanhas que deve desenvolver para conquistar e se manter no poder. Ele classifica os principados em hereditários ou novos. Para manter os principados hereditários o príncipe deve ser resiliente, celebrar os costumes dos antepassados para cativar e conquistar a confiança dos dominados e por eles ser amado e querido.

 

Algumas estratégias para conservar os novos principados é extirpar a linhagem do antigo e habitar as novas terras a fim de reprimir com mais rapidez e facilidades as revoltas emergentes. Além, claro, de criar colônias visando impedir invasões estrangeiras e revoltas, lamentos e rebeliões. 

Para evitar conflitos com os povos dos novos territórios conquistados o príncipe deve manter algumas leis antigas, criando um clima ilusório de conforto e confiança, porém deve destruir antigas instituições e outros empecilhos futuros, além de habitar pessoalmente a região. Existem duas formas fundamentais de se conquistar um governo, ou pela força física ou pela virtude. Os conquistados pela virtude são mais maleáveis e enfrentam menos dificuldades para se manterem e consolidarem, pois adquirem o respeito e a admiração do povo por serem virtuosos, porém sua conquista é mais dificultosa. A conquista através da força é menos difícil, porém sua manutenção e expansão enfrentam maiores obstáculos e dificuldades. Entretanto, de nada adianta ser virtuoso se não lhe surgem oportunidades.

Um das formas de se conquistar um principado é através das armas e fortunas alheias. Tais Estados são fáceis de serem angariados, porém difíceis de serem mantidos. Os conquistadores enfrentaram dificuldades para governar, pois estão submetidos às vontades e interesses de quem os empoderou e ajudou a ascender ao poder. Sem virtudes e artimanhas sucumbirão facilmente nas primeiras dificuldades.

Ainda também conquista-se um principado por meio da criminalidade, de perfídias engenhosas. Estes príncipes serão mais odiados e temidos pelos seus dominados, nunca serão amados e admirados, pois são homicidas cruéis. As ofensas e estratégias políticas devem ser cometidas todas de uma vez para que seus efeitos sejam sentidos mais rapidamente e sejam menos duradouros. Já os benefícios, as benesses e bondades devem ser dadas aos poucos para que o povo seja iludido de que está sendo beneficiado pelo novo governo e logo se esqueça das suas atrocidades.

Um principado civil pode ser conquistado tanto com a ajuda do povo como dos poderosos que detém o poder. O povo não querendo ser governado por tiranos trata de eleger, numa democracia, um líder confiável que os represente. Já os poderosos sempre desejarão o poder e a condição de dominantes opressores, o que motivará lutas históricas entre as classes ou grupos de sujeitos que comungam da mesma condição e situação sociopolítica e econômica. Ascendendo ao poder com a ajuda dos poderosos o príncipe deve conquistar o mais rápido possível a confiança do povo para que nos momentos de crise não seja por este abandonado.

Quando um principado é protegido, fortalecido e legitimado pelo seu povo, pelo seu governante e pelo seu exército dificilmente será atacado ou assaltado por outro príncipe inimigo, e se o for as chances de ser derrotado serão mínimas.

 

Um dos principais elementos que garantem e fortalecem um principado, velho, novo ou misto, são as boas leis e os bons exércitos. Os tipos de armas utilizadas para manter um Estado ou são próprias ou mercenárias ou auxiliares ou mistas. As auxiliares e mercenárias são inúteis e perigosas, pois são desunidas, ambiciosas, indisciplinadas e infiéis. O príncipe deve possuir seus próprios exércitos que lhe sejam fiéis e combatentes. 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas