A maior rede de estudos do Brasil

sociologia

O progresso do espírito humano, em relação ao conhecimento, para Auguste Comte, passaria por três fases, a saber:

 

Leia com atenção as afirmativas a seguir, considerando a linha de raciocínio do enunciado:

 

I- A primeira, um estado teológico, no qual o homem procurava explicar a realidade através das crenças e religiões.

 

II- Numa segunda etapa de evolução, o homem, por meio da concepção filosófica marxista, o autor propõe que a sociedade seja estudada a partir das classes sociais.

 

III- O autor propõe que o conhecimento chegue ao terceiro estágio, chamado por ele de “estado positivo”, de onde vem o nome positivismo, principalmente a partir da observação da sociedade.

 

De acordo com as afirmativas citadas, assinale a alternativa correta.

 


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Para o autor cada ramo dos nossos conhecimentos passa sucessivamente por três estados históricos diferentes. O primeiro, no estado teológico, o espírito humano pretende conhecer a natureza das coisas, explicando-a apelando para causas sobrenaturais e ocultas, passando pelo politeísmo e chegando ao monoteísmo.


No segundo estágio existe um princípio de racionalização das coisas. Já não se atribui mais as causas a entidades sobrenaturais, mas a natureza das próprias coisas e fenômenos. Porém, o conhecimento ainda está balizado em afirmações de entidades e propriedades imutáveis.


No terceiro estágio, o estágio científico ou positivo, considerado pelo autor como estado definitivo, a pergunta não é mais sobre o porquê das coisas, mas sim como as coisas acontecem e suas regularidade.


Por fim, considerando a linha de raciocínio do enunciado pode afirmar que as três afirmativas estão corretas.

Para o autor cada ramo dos nossos conhecimentos passa sucessivamente por três estados históricos diferentes. O primeiro, no estado teológico, o espírito humano pretende conhecer a natureza das coisas, explicando-a apelando para causas sobrenaturais e ocultas, passando pelo politeísmo e chegando ao monoteísmo.


No segundo estágio existe um princípio de racionalização das coisas. Já não se atribui mais as causas a entidades sobrenaturais, mas a natureza das próprias coisas e fenômenos. Porém, o conhecimento ainda está balizado em afirmações de entidades e propriedades imutáveis.


No terceiro estágio, o estágio científico ou positivo, considerado pelo autor como estado definitivo, a pergunta não é mais sobre o porquê das coisas, mas sim como as coisas acontecem e suas regularidade.


Por fim, considerando a linha de raciocínio do enunciado pode afirmar que as três afirmativas estão corretas.

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Para o autor cada ramo dos nossos conhecimentos passa sucessivamente por três estados históricos diferentes. O primeiro, no estado teológico, o espírito humano pretende conhecer a natureza das coisas, explicando-a apelando para causas sobrenaturais e ocultas, passando pelo politeísmo e chegando ao monoteísmo.


No segundo estágio existe um princípio de racionalização das coisas. Já não se atribui mais as causas a entidades sobrenaturais, mas a natureza das próprias coisas e fenômenos. Porém, o conhecimento ainda está balizado em afirmações de entidades e propriedades imutáveis.


No terceiro estágio, o estágio científico ou positivo, considerado pelo autor como estado definitivo, a pergunta não é mais sobre o porquê das coisas, mas sim como as coisas acontecem e suas regularidade.


Por fim, considerando a linha de raciocínio do enunciado pode afirmar que as três afirmativas estão corretas.

User badge image

A

Há mais de um mês

I e III SÃO VERDADEIRAS.

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Para o autor cada ramo dos nossos conhecimentos passa sucessivamente por três estados históricos diferentes. O primeiro, no estado teológico, o espírito humano pretende conhecer a natureza das coisas, explicando-a apelando para causas sobrenaturais e ocultas, passando pelo politeísmo e chegando ao monoteísmo.


No segundo estágio existe um princípio de racionalização das coisas. Já não se atribui mais as causas a entidades sobrenaturais, mas a natureza das próprias coisas e fenômenos. Porém, o conhecimento ainda está balizado em afirmações de entidades e propriedades imutáveis.


No terceiro estágio, o estágio científico ou positivo, considerado pelo autor como estado definitivo, a pergunta não é mais sobre o porquê das coisas, mas sim como as coisas acontecem e suas regularidade.


Por fim, considerando a linha de raciocínio do enunciado pode afirmar que as três afirmativas estão corretas.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas