A maior rede de estudos do Brasil

Diferença entre falência ,recuperação judicial extrajudicial?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Paduan Seta Advocacia Verified user icon

Há mais de um mês

Falência, recuperação judicial e extrajudicial são figuras previstas na Lei 11.101/2005. São instrumentos utilizados nos momentos de crise econômico-financeira da empresa, quando não se gera receita suficiente para arcar com as dívidas.

A recuperação é o meio utilizado para se evitar que a empresa chegue a falência. Assim, serão estabelecidas medidas de modo a reorganizar a emrpesa nos aspectos econômicos, administrativos e financeiros. Ela pode ser judicial, que é aquele intermediada exclusivamente pela Justiça ou extrajudicial, em que se tem a renegociação das dívidas fora do âmbito judicial.

Já a falência será decretada quando não for possível utilizar-se a recuperação, momento este que os os bens e ativos da empresa serão liquidados e vendidos de modo a saldar as dívidas existentes, observada a ordem prevista em lei.

 

Falência, recuperação judicial e extrajudicial são figuras previstas na Lei 11.101/2005. São instrumentos utilizados nos momentos de crise econômico-financeira da empresa, quando não se gera receita suficiente para arcar com as dívidas.

A recuperação é o meio utilizado para se evitar que a empresa chegue a falência. Assim, serão estabelecidas medidas de modo a reorganizar a emrpesa nos aspectos econômicos, administrativos e financeiros. Ela pode ser judicial, que é aquele intermediada exclusivamente pela Justiça ou extrajudicial, em que se tem a renegociação das dívidas fora do âmbito judicial.

Já a falência será decretada quando não for possível utilizar-se a recuperação, momento este que os os bens e ativos da empresa serão liquidados e vendidos de modo a saldar as dívidas existentes, observada a ordem prevista em lei.

 

User badge image

Brian Miguel

Há mais de um mês

Em termos jurídicos, falência é o nome da organização legal e processual destinada à defesa daqueles impossibilitados de receber seus créditos. Trata-se de um processo de execução coletiva dos bens do devedor, decretado judicialmente, ao qual concorrem todos os credores, que buscam no patrimônio disponível, saldar o passivo em rateio, observadas as preferências legais.

A recuperação judicial busca viabilizar a superação de crise econômica do devedor, permitindo a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo o estímulo à atividade econômica.

A recuperação extrajudicial ocorre fora do judiciário. Com ela, o empresário pode negociar diretamente com seus credores e elaborar um acordo que poderá ou não ser homologado pelo juiz. Importante mencionar que o acordo não pode incluir titulares de créditos de natureza tributária, derivados da legislação do trabalho ou decorrentes de acidente do trabalho. O plano não pode contemplar o pagamento antecipado de dívidas nem tratamento desfavorável aos credores. Feito o acordo (que deve ser aprovado por 3/5 dos credores), seu cumprimento se torna obrigatório para todas as partes.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas