A maior rede de estudos do Brasil

O surgimento da fábrica na Revolução Industrial impulsionou a produção, que aconteceu sem padrão e sem processo produtivo.

O surgimento da fábrica na Revolução Industrial impulsionou a produção, que aconteceu sem padrão e sem processo produtivo. Em outras palavras, faltava eficiência na produtividade. Quer dizer, produzir mais com menos. Assim, alguns autores se destacam em pensar a empresa e o processo produtivo através da eficiência, como por exemplo, no estudo da fadiga.

Essa ênfase no processo é de:

Administrativo

UNINTER


1 resposta(s)

User badge image

Andressa

Há mais de um mês

Desenvolvido por Frederick Taylor, a Organização Racional do Trabalho (ORT) é um conceito que surgiu a partir da observação do especialista, que identificou como os operários compreendiam como realizar suas tarefas: a partir da observação de seus colegas. Isso resulta na criação de diversos métodos para a realização de uma mesma tarefa. Diante disso, Taylor acreditava que determinada maneira de trabalhar, junto com a utilização da ferramenta adequada, resultava em uma produção mais eficaz.

Principais aspectos da Organização racional do Trabalho

  • Análise do trabalho e estudo dos tempos modernos: é a divisão das atividades necessárias para a execução de determinada tarefa;
  • Estudo da fadiga humana: a fadiga faz com que o colaborador diminua a sua produtividade, aumenta as chances de acidentes e doenças. O estudo tem como função racionalizar os movimentos e evitar rotatividade de colaboradores;
  • Divisão do trabalho e especialização do operário: cada colaborador é especialista em determinada tarefa, aumentando assim a produtividade;
  • Desenho de cargos e tarefas: especifica as tarefas, métodos e ferramentas e a relação de cada uma delas com os cargos existentes na empresa;
  • Incentivos salariais e prêmios: desenvolvidos a fim de alcançar maior cooperação dos colaboradores perante a companhia;
  • Conceito de homo economicus: o conceito baseia-se na ideia de que as pessoas são motivadas por recompensas salariais e materiais;
  • Condições de trabalho: as condições de trabalho e o ambiente em que o colaborador trabalha, são fundamentais para a produtividade na empresa;
  • Padronização: padronização das ferramentas, equipamentos e modo de trabalhar com o objetivo de reduzir possíveis variações e eliminar desperdício e retrabalho;
  • Supervisão funcional: supervisores especializados em determinada área têm autoridade sobre os subordinados.

O objetivo da ORT é elevar os níveis de produtividade e racionalizar o desperdício. Como o processo foi pioneiro, existem muitas críticas a respeito do método criado por Frederick Taylor. São elas: a mecanização da abordagem, a robotização do colaborador, a visão microscópica do homem, ausência de comprovação científica, limitação do campo de aplicação à fábrica e abordagem de sistema limitada.

De qualquer maneira, a aplicação de seus princípios ajudou a serem identificadas novas situações para o desenvolvimento da Administração.

Desenvolvido por Frederick Taylor, a Organização Racional do Trabalho (ORT) é um conceito que surgiu a partir da observação do especialista, que identificou como os operários compreendiam como realizar suas tarefas: a partir da observação de seus colegas. Isso resulta na criação de diversos métodos para a realização de uma mesma tarefa. Diante disso, Taylor acreditava que determinada maneira de trabalhar, junto com a utilização da ferramenta adequada, resultava em uma produção mais eficaz.

Principais aspectos da Organização racional do Trabalho

  • Análise do trabalho e estudo dos tempos modernos: é a divisão das atividades necessárias para a execução de determinada tarefa;
  • Estudo da fadiga humana: a fadiga faz com que o colaborador diminua a sua produtividade, aumenta as chances de acidentes e doenças. O estudo tem como função racionalizar os movimentos e evitar rotatividade de colaboradores;
  • Divisão do trabalho e especialização do operário: cada colaborador é especialista em determinada tarefa, aumentando assim a produtividade;
  • Desenho de cargos e tarefas: especifica as tarefas, métodos e ferramentas e a relação de cada uma delas com os cargos existentes na empresa;
  • Incentivos salariais e prêmios: desenvolvidos a fim de alcançar maior cooperação dos colaboradores perante a companhia;
  • Conceito de homo economicus: o conceito baseia-se na ideia de que as pessoas são motivadas por recompensas salariais e materiais;
  • Condições de trabalho: as condições de trabalho e o ambiente em que o colaborador trabalha, são fundamentais para a produtividade na empresa;
  • Padronização: padronização das ferramentas, equipamentos e modo de trabalhar com o objetivo de reduzir possíveis variações e eliminar desperdício e retrabalho;
  • Supervisão funcional: supervisores especializados em determinada área têm autoridade sobre os subordinados.

O objetivo da ORT é elevar os níveis de produtividade e racionalizar o desperdício. Como o processo foi pioneiro, existem muitas críticas a respeito do método criado por Frederick Taylor. São elas: a mecanização da abordagem, a robotização do colaborador, a visão microscópica do homem, ausência de comprovação científica, limitação do campo de aplicação à fábrica e abordagem de sistema limitada.

De qualquer maneira, a aplicação de seus princípios ajudou a serem identificadas novas situações para o desenvolvimento da Administração.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes