A maior rede de estudos do Brasil

O que é a Moratória no Direito Tributário?

Tributário m

4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

A moratória é um instituto que é concedido para permitir a dilação do prazo para pagamento de tributos. Uma vez concedida, tem-se a extensão do prazo para adimplemento da obrigação tributária.

É excepcional, vez que em regra o ente público deve respeitar o princípio da indisponibilidade dos bens públicos. Ainda que não esteja renunciando ao pagamento, o retardamento deste impacta no orçamento.

Espécies de moratória:

  • Moratória geral: abrange todos os contribuintes dentro de um dado território; ou
  • Moratória especial: abrange somente um grupo de pessoas dentro de um dado território. Aqui, o instrumento que concedeu a moratória estabelece requisitos/condições, cabendo ao contribuinte solicitar à administração pública sua concessão por meio da comprovação do preenchimento dos requisitos estipulados.

Ademais, a moratória poderá ser:

  • Moratória autônoma: cujo próprio ente competente para instituir e cobrar o tributo concede a moratória; ou
  • Moratória heterônoma: é aquela que – por força do art. 152, I, b, permite que a União conceda moratória de tributos fora de sua competência.

A moratória é um instituto que é concedido para permitir a dilação do prazo para pagamento de tributos. Uma vez concedida, tem-se a extensão do prazo para adimplemento da obrigação tributária.

É excepcional, vez que em regra o ente público deve respeitar o princípio da indisponibilidade dos bens públicos. Ainda que não esteja renunciando ao pagamento, o retardamento deste impacta no orçamento.

Espécies de moratória:

  • Moratória geral: abrange todos os contribuintes dentro de um dado território; ou
  • Moratória especial: abrange somente um grupo de pessoas dentro de um dado território. Aqui, o instrumento que concedeu a moratória estabelece requisitos/condições, cabendo ao contribuinte solicitar à administração pública sua concessão por meio da comprovação do preenchimento dos requisitos estipulados.

Ademais, a moratória poderá ser:

  • Moratória autônoma: cujo próprio ente competente para instituir e cobrar o tributo concede a moratória; ou
  • Moratória heterônoma: é aquela que – por força do art. 152, I, b, permite que a União conceda moratória de tributos fora de sua competência.
User badge image

Mari

Há mais de um mês

A moratória no meu entendimento, é a suspensão da exigibilidade do crédito tributário devido à dilação do prazo para o seu pagamento concedido pelo ente público que instituiu um determinado tributo de sua competência.

Consiste dizer que, contribuintes, de forma geral ou individual, preenchidos os requisitos do art. 153, CTN, terão suspensas as cobranças de tributos, por um período de tempo, contudo, os fatos geradores continuarão sendo lançados normalmente, mas não serão cobrados até que se cesse a concessão da moratória.

Por fim, cumpre informar, que a moratória não possui direito adquirido, para quem a requereu na forma individual, sendo revogado pela autoridade administrativa concedente, quando percebido o seu não cumprimento. E ainda, para este que descumpriu será aplicada a penalidade de multa nos casos de dolo, fraude ou simulação. Art. 155, I, CTN.

User badge image

Samara

Há mais de um mês

Moratória é a possibilidade para suspender o crédito tributário em sua exigibilidade, o que não dispensa o cumprimento, pelo sujeito passivo, das obrigações tributárias acessórias.

Daí se infere que o único veículo normativo para a permissão de moratória é a lei em sentido estrito, que por sua vez deve ser interpretada em consonância com a literalidade de seu próprio texto. Tais requisitos são exigidos pelo CTN em razão da importância da moratória como benefício fiscal, já que com ela, além de inexigível o crédito, não incidem juros de mora ou multas tributárias, em regra.

Ademais, a moratória pode ser concedida de forma geral ou individual. Quando é concedida de forma geral, a lei determina abstratamente que  os sujeitos passivos sejam beneficiados por ela sem a exigência da comprovação de condições específicas. Assim, pode ser ela concedida pelo próprio ente titular da competência para instituir o tributo ou pela União em relação a outros entes, desde que ela conceda em relação aos tributos federais e às obrigações civis simultaneamente (art. 151, I).

Quando concedidas de forma individual, dependem de despacho da autoridade tributária, que é autorizada pela lei a conceder a moratória, caso sejam atendidas as condições legalmente estabelecidas (art. 151, II).

User badge image

Jander

Há mais de um mês

Não incidem juros de mora ou multas tributárias, em regra.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas