A maior rede de estudos do Brasil

Direito Financeiro


1 resposta(s)

User badge image

Felipe

Há mais de um mês

EXCELENTÍSSIMO DOUTOR JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DO RIO DE JANEIRO – 1ª REGIÃO. TICIO, nacionalidade.., estado civil.., auxiliar administrativo, CPF..., identidade..., data d nascimento.., nome da mãe.., PIS.., CTPS.., endereço eletrônico..., domiciliado no endereço completo com CEP..,vem, respeitosamente, por seu advogado abaixo assinado, procuração anexa, com endereço eletrônico..., com escritório no endereço completo com CEP...,propor a presente RECLAMAÇÃO TRABALHISTA Pelo procedimento ordinário, em face da ALFA LTDA, pessoa jurídica, inscrita no CNPJ sob o nº ..., endereço eletrônico.., com sede no endereço completo com CEP..., pelos fatos e fundamentos que passa a expor. I – DA COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA Inicialmente, cumpre destacar que o reclamante não se submeteu a Comissão de Conciliação Prévia, tendo em vista liminar proferida pelo Supremo Tribunal Federal em 13/05/2009 em Ações Direta de Inconstitucionalidade (ADINs 2139 e 2160-5), assegurando o disposto no artigo 5º , inciso XXXV, da Carta da República, que dispõe ser livre o acesso a Justiça, consagrando o Princípio da Inafastabilidade da Jurisdição. II – DA GRATUIDADE DE JUSTIÇA O reclamante requer, a concessão da gratuidade de justiça, por estar desempregado, percebendo valor inferior ao dobro do mínimo legal e por não ter condições de arcar com o pagamento de custas e honorários advocatícios sem prejuízo do próprio sustento ou de sua família, nos termos do artigo 2º, parágrafo único da Lei 1060/50 c/c 790, § 3º da CLT c/c artigos 98 e seguintes do CPC/2015. III – DOS FATOS O reclamante, foi contratado em 04-01-2016 no Município de Niterói, local onde está situada a matriz da reclamada, para exercer a função de auxiliar administrativo junto a filial localizada no Município do Rio de Janeiro. Restou fixada a jornada de trabalho do reclamante das 08:00 horas as 17:00 horas, com 01 (uma) hora de intervalo intrajornada, recebendo mensalmente R$ 2.000,00 (dois mil reais). Em 26-01-2017 o reclamante foi imotivadamente dispensado, sem aviso prévio, nada lhe sendo pago a titulo de verbas resilitórias. Durante todo pacto laboral, o reclamante jamais gozou férias estando desempregado até a presente data. IV – DOS FUNDAMENTOS Como já exposto, o reclamante foi dispensado sem nenhum motivo, nada lhe sendo pago em decorrência da demissão. Ademais, o reclamante foi dispensado sem prévio aviso, trabalhando até 26-01-2017, fazendo jus a contraprestação pelo serviço prestado até esta data. É direito de todo e qualquer trabalhador, na forma do artigo 7º inciso XXI da CRFB/88 a notificação prévia de sua dispensa, o aviso prévio, que na forma do disposto na Lei 12.506/11 tem acrescido ao seu período mínimo de trinta dias, constitucionalmente assegurado, 03 (três) dias a cada ano trabalhado, no limite de 90 dias. Assim, em tendo o contrato de trabalho do reclamante perdurado de 04-01-2016 a 26-01-2017, tem completo um 01 ano e vinte e dois dias d trabalho, fazendo jus a 33 (trinta e três) dias de aviso prévio. (R$ 2.200,00) período que integra o contrato de trabalho para todos os fins, artigo 487 § 1º da CLT. No curso do contrato de trabalho o reclamante junca gozou férias, embora tenha completado o período aquisitivo 2016/2017, conforme disposto no artigo 130 da CLT, fazendo jus a percepção deste período completo de férias, acrescido de 1/3 na forma do artigo 7º inciso XVII da CRFB/88. (R$2.666,67) Diante da integração do aviso ao tempo de serviço, o contrato de trabalho do reclamante se extingui em 28-02-2017, tendo completado mês e vinte e quatro dias do período aquisitivo de 2017/2018, fazendo jus a este período incompleto de férias, na proporção disposta no artigo 146 paragrafo único da CLT, qual seja, 02/12. (R$ 444,45) Diante da ruptura imotivada do contrato de trabalho, na forma do disposto no artigo 3º da Lei 4.090/62, sendo certo, que até diante da integração do aviso prévio ao tempo de serviço, o contrato de trabalho do reclamante completou dois meses de trabalho de 2017, fazendo jus a 2/12 de décimo terceiro salário proporcional de 2017. (R$ 333,34) Como já exposto, o reclamante foi dispensado imotivadamente, fazendo jus a indenização compensatória assegurada pelo artigo 7º inciso Ida CRFB/88 c/c artigo 10º do ADCT c/c artigo 18 da Lei 8036/90, correspondente a 40% dos depósitos devidos do FGTS durante o contrato de trabalho, bem como as guias para o saque do FGTS. (8% de R$ 2.000,00 = R$160,00 – tempo de contrato 14 meses – R$160,00 X 14 = R$ 2.240,00 – 40% DE R$ 2.240,00 = R$ 896,00) A dispensa sem justo motivo possibilita ao reclamante a concessão do benefício do programa de seguro desemprego na forma da Lei 7998/90, tendo a reclamada de entregar as guias do seguro desemprego para a concessão do benefício. Na forma da Súmula 389 do TST, o não fornecimento das guias do seguro desemprego faz nascer o direito a indenização do valor correspondente ao reclamante. Na forma do artigo 477 §6º alínea ″b″ da CLT, ante a ausência do aviso prévio, possuía a reclamada dez dias para quitar as verbas resilitórias, o que não efetivou até a presente data. Assim, como assegura o artigo 477 §8º da CLT, faz jus o reclamante a multa em valor equivalente ao seu salário. O reclamante até agora não recebeu qualquer verba decorrente da extinção do contrato de trabalho, pelo que, na hipótese de não serem as verbas resilitórias, incontroversas, quitadas na primeira audiência, a multa disposta no artigo 467 da CLT, correspondente a 50% das verbas resilitorias devidas. V – DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS Em sendo os pedidos da presente Reclamação Trabalhista julgados procedentes, requer a condenação da reclamada ao pagamento dos honorários advocatícios, na forma do disposto no artigo 546 CPC c/c artigo 85 caput e §2º do CPC/15 c/c 769 da CLT e súmula 219, I, TST. VI – DOS PEDIDOS Ante o exposto, requer à Vossa Excelência seja: A) Concedido o beneficio da gratuidade de justiça à reclamante; B) Seja a reclamada condenada ao pagamento de verbas resilitorias decorrentes de uma dispensa imotivada: b.1) saldo de salário de 26 (vinte e seis) dias do mês de janeiro de 2017, R$.... b.2) as férias vencidas 2016/2017 acrescidas de 1/3, R$.... b.3) aviso prévio proporcional ao tempo de serviço 33 dias, R$.... b.4) as férias proporcionais 2017/2018 (2/12) avos acrescida de 1/3, R$.... b.5) 13º salario proporcional 2017 (2/12) avos R$.... b.6) a multa do artigo 477 §8º da CLT, R$... b.7) entrega das guias para saque do FGTS b.8) indenização compensatória de 40% sobre os depósitos devidos pela reclamada, R$... 0b.9) entrega das guias do seguro desemprego, sob pena de execução direta do valor equivalente, R$... C) A multa do artigo 477 §8º da CLT, R$... D) Entrega das guias para saque do FGTS, R$.. E) Indenização compensatória de 40% sobre os depósitos devidos pela reclamada, R$... F) Entrega das guias do seguro desemprego, ou indenização do valor correspondente, R$... G) Multa do artigo 467 da CLT sob as verbas resilitorias incontroversas que não forem quitadas na primeira audiência. H) Notificada a reclamada, para comparecer à audiência a ser designada por este Juízo, oportunidade em que deverá oferecer sua defesa, sob pena de incorrer nos efeitos da revelia e confissão de matéria de fato, esperando ao final ver julgados procedentes os pedidos reformulados nesta ação, sendo acrescida á condenação juros e correção monetária legalmente devidos. VII – DAS PROVAS Requer a produção de todos os meios de provas admitidos no Direito, especialmente a documental, testemunhal, pericial edepoimento pessoal, tudo na amplitude do artigo 369 do CPC. VIII – DO VALOR DA CAUSA Dá-se à causa o valor de R$ (inferior a quarenta salários mínimos), tendo em vista a adoção do rito sumaríssimo. Termos em que, Pede deferimento. Loca, data Assinatura OAB nº.

EXCELENTÍSSIMO DOUTOR JUIZ DO TRABALHO DA VARA DO TRABALHO DO RIO DE JANEIRO – 1ª REGIÃO. TICIO, nacionalidade.., estado civil.., auxiliar administrativo, CPF..., identidade..., data d nascimento.., nome da mãe.., PIS.., CTPS.., endereço eletrônico..., domiciliado no endereço completo com CEP..,vem, respeitosamente, por seu advogado abaixo assinado, procuração anexa, com endereço eletrônico..., com escritório no endereço completo com CEP...,propor a presente RECLAMAÇÃO TRABALHISTA Pelo procedimento ordinário, em face da ALFA LTDA, pessoa jurídica, inscrita no CNPJ sob o nº ..., endereço eletrônico.., com sede no endereço completo com CEP..., pelos fatos e fundamentos que passa a expor. I – DA COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA Inicialmente, cumpre destacar que o reclamante não se submeteu a Comissão de Conciliação Prévia, tendo em vista liminar proferida pelo Supremo Tribunal Federal em 13/05/2009 em Ações Direta de Inconstitucionalidade (ADINs 2139 e 2160-5), assegurando o disposto no artigo 5º , inciso XXXV, da Carta da República, que dispõe ser livre o acesso a Justiça, consagrando o Princípio da Inafastabilidade da Jurisdição. II – DA GRATUIDADE DE JUSTIÇA O reclamante requer, a concessão da gratuidade de justiça, por estar desempregado, percebendo valor inferior ao dobro do mínimo legal e por não ter condições de arcar com o pagamento de custas e honorários advocatícios sem prejuízo do próprio sustento ou de sua família, nos termos do artigo 2º, parágrafo único da Lei 1060/50 c/c 790, § 3º da CLT c/c artigos 98 e seguintes do CPC/2015. III – DOS FATOS O reclamante, foi contratado em 04-01-2016 no Município de Niterói, local onde está situada a matriz da reclamada, para exercer a função de auxiliar administrativo junto a filial localizada no Município do Rio de Janeiro. Restou fixada a jornada de trabalho do reclamante das 08:00 horas as 17:00 horas, com 01 (uma) hora de intervalo intrajornada, recebendo mensalmente R$ 2.000,00 (dois mil reais). Em 26-01-2017 o reclamante foi imotivadamente dispensado, sem aviso prévio, nada lhe sendo pago a titulo de verbas resilitórias. Durante todo pacto laboral, o reclamante jamais gozou férias estando desempregado até a presente data. IV – DOS FUNDAMENTOS Como já exposto, o reclamante foi dispensado sem nenhum motivo, nada lhe sendo pago em decorrência da demissão. Ademais, o reclamante foi dispensado sem prévio aviso, trabalhando até 26-01-2017, fazendo jus a contraprestação pelo serviço prestado até esta data. É direito de todo e qualquer trabalhador, na forma do artigo 7º inciso XXI da CRFB/88 a notificação prévia de sua dispensa, o aviso prévio, que na forma do disposto na Lei 12.506/11 tem acrescido ao seu período mínimo de trinta dias, constitucionalmente assegurado, 03 (três) dias a cada ano trabalhado, no limite de 90 dias. Assim, em tendo o contrato de trabalho do reclamante perdurado de 04-01-2016 a 26-01-2017, tem completo um 01 ano e vinte e dois dias d trabalho, fazendo jus a 33 (trinta e três) dias de aviso prévio. (R$ 2.200,00) período que integra o contrato de trabalho para todos os fins, artigo 487 § 1º da CLT. No curso do contrato de trabalho o reclamante junca gozou férias, embora tenha completado o período aquisitivo 2016/2017, conforme disposto no artigo 130 da CLT, fazendo jus a percepção deste período completo de férias, acrescido de 1/3 na forma do artigo 7º inciso XVII da CRFB/88. (R$2.666,67) Diante da integração do aviso ao tempo de serviço, o contrato de trabalho do reclamante se extingui em 28-02-2017, tendo completado mês e vinte e quatro dias do período aquisitivo de 2017/2018, fazendo jus a este período incompleto de férias, na proporção disposta no artigo 146 paragrafo único da CLT, qual seja, 02/12. (R$ 444,45) Diante da ruptura imotivada do contrato de trabalho, na forma do disposto no artigo 3º da Lei 4.090/62, sendo certo, que até diante da integração do aviso prévio ao tempo de serviço, o contrato de trabalho do reclamante completou dois meses de trabalho de 2017, fazendo jus a 2/12 de décimo terceiro salário proporcional de 2017. (R$ 333,34) Como já exposto, o reclamante foi dispensado imotivadamente, fazendo jus a indenização compensatória assegurada pelo artigo 7º inciso Ida CRFB/88 c/c artigo 10º do ADCT c/c artigo 18 da Lei 8036/90, correspondente a 40% dos depósitos devidos do FGTS durante o contrato de trabalho, bem como as guias para o saque do FGTS. (8% de R$ 2.000,00 = R$160,00 – tempo de contrato 14 meses – R$160,00 X 14 = R$ 2.240,00 – 40% DE R$ 2.240,00 = R$ 896,00) A dispensa sem justo motivo possibilita ao reclamante a concessão do benefício do programa de seguro desemprego na forma da Lei 7998/90, tendo a reclamada de entregar as guias do seguro desemprego para a concessão do benefício. Na forma da Súmula 389 do TST, o não fornecimento das guias do seguro desemprego faz nascer o direito a indenização do valor correspondente ao reclamante. Na forma do artigo 477 §6º alínea ″b″ da CLT, ante a ausência do aviso prévio, possuía a reclamada dez dias para quitar as verbas resilitórias, o que não efetivou até a presente data. Assim, como assegura o artigo 477 §8º da CLT, faz jus o reclamante a multa em valor equivalente ao seu salário. O reclamante até agora não recebeu qualquer verba decorrente da extinção do contrato de trabalho, pelo que, na hipótese de não serem as verbas resilitórias, incontroversas, quitadas na primeira audiência, a multa disposta no artigo 467 da CLT, correspondente a 50% das verbas resilitorias devidas. V – DOS HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS Em sendo os pedidos da presente Reclamação Trabalhista julgados procedentes, requer a condenação da reclamada ao pagamento dos honorários advocatícios, na forma do disposto no artigo 546 CPC c/c artigo 85 caput e §2º do CPC/15 c/c 769 da CLT e súmula 219, I, TST. VI – DOS PEDIDOS Ante o exposto, requer à Vossa Excelência seja: A) Concedido o beneficio da gratuidade de justiça à reclamante; B) Seja a reclamada condenada ao pagamento de verbas resilitorias decorrentes de uma dispensa imotivada: b.1) saldo de salário de 26 (vinte e seis) dias do mês de janeiro de 2017, R$.... b.2) as férias vencidas 2016/2017 acrescidas de 1/3, R$.... b.3) aviso prévio proporcional ao tempo de serviço 33 dias, R$.... b.4) as férias proporcionais 2017/2018 (2/12) avos acrescida de 1/3, R$.... b.5) 13º salario proporcional 2017 (2/12) avos R$.... b.6) a multa do artigo 477 §8º da CLT, R$... b.7) entrega das guias para saque do FGTS b.8) indenização compensatória de 40% sobre os depósitos devidos pela reclamada, R$... 0b.9) entrega das guias do seguro desemprego, sob pena de execução direta do valor equivalente, R$... C) A multa do artigo 477 §8º da CLT, R$... D) Entrega das guias para saque do FGTS, R$.. E) Indenização compensatória de 40% sobre os depósitos devidos pela reclamada, R$... F) Entrega das guias do seguro desemprego, ou indenização do valor correspondente, R$... G) Multa do artigo 467 da CLT sob as verbas resilitorias incontroversas que não forem quitadas na primeira audiência. H) Notificada a reclamada, para comparecer à audiência a ser designada por este Juízo, oportunidade em que deverá oferecer sua defesa, sob pena de incorrer nos efeitos da revelia e confissão de matéria de fato, esperando ao final ver julgados procedentes os pedidos reformulados nesta ação, sendo acrescida á condenação juros e correção monetária legalmente devidos. VII – DAS PROVAS Requer a produção de todos os meios de provas admitidos no Direito, especialmente a documental, testemunhal, pericial edepoimento pessoal, tudo na amplitude do artigo 369 do CPC. VIII – DO VALOR DA CAUSA Dá-se à causa o valor de R$ (inferior a quarenta salários mínimos), tendo em vista a adoção do rito sumaríssimo. Termos em que, Pede deferimento. Loca, data Assinatura OAB nº.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes