A maior rede de estudos do Brasil

Qual o princípio do teste de hemaglutinação indireta?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

HEMAGLUTINAÇÃO INDIRETA

As hemácias estão entre os melhores suportes de antígenos para os testes de aglutinação. Na hemaglutinação indireta (HAI) elas são suportes para antígenos que são adsorvidos à sua superfície, que para doença de Chagas são antígenos de Trypanosoma cruzi, o agente etiológico da doença. São usadas hemácias de aves que podem ser fixadas em formaldeído ou glutaraldeído o que soluciona o problema da fragilidade e da estocagem por longos períodos de tempo. Uma vez na presença de glutaraldeído, após tratamento com ácido tânico, essas hemácias expõem cargas residuais e adsorvem as proteínas e glicoproteínas com elevada estabilidade, aumentando a quantidade de proteína adsorvida e tornando maior a sensibilidade do sistema. Empregando antígenos purificados obtém-se maior sensibilidade e especificidade.


É utilizada uma placa de microtitulação com fundo em V,  onde se adiciona a amostra, que se for reagente conterá anticorpos anti-T. cruzi. Adiciona-se também os controles positivo e negativo e as hemácias sensibilizadas com antígeno aos poços onde foram adicionados os três itens anteriores separadamente. 

A positividade do teste pode ser visualizada a olho nu e os critérios de determinação da reatividade são:

Amostra reagente: hemácias distribuídas de maneira homogênea, em forma de tapete ou manto, formado pela malha de imunocomplexos Antígeno-Anticorpo, ocupando área maior do que 50% do fundo da placa.

Amostra não reagente: hemácias acumuladas em formas de botão no fundo do poço.

Amostra indeterminada: qualquer padrão diferente dos anteriores.


O teste pode ser semi-quantitativo, titulando a presença de anticorpos utilizando diluições seriadas com o diluente.  A placa e todos os reagentes necessários estão presentes no kit CHAGAS - HAI - CAT. 510, comercializado pela Gold Analisa.

fonte:http://www.goldanalisa.com.br/exibe_noticia.asp?id=59

 

HEMAGLUTINAÇÃO INDIRETA

As hemácias estão entre os melhores suportes de antígenos para os testes de aglutinação. Na hemaglutinação indireta (HAI) elas são suportes para antígenos que são adsorvidos à sua superfície, que para doença de Chagas são antígenos de Trypanosoma cruzi, o agente etiológico da doença. São usadas hemácias de aves que podem ser fixadas em formaldeído ou glutaraldeído o que soluciona o problema da fragilidade e da estocagem por longos períodos de tempo. Uma vez na presença de glutaraldeído, após tratamento com ácido tânico, essas hemácias expõem cargas residuais e adsorvem as proteínas e glicoproteínas com elevada estabilidade, aumentando a quantidade de proteína adsorvida e tornando maior a sensibilidade do sistema. Empregando antígenos purificados obtém-se maior sensibilidade e especificidade.


É utilizada uma placa de microtitulação com fundo em V,  onde se adiciona a amostra, que se for reagente conterá anticorpos anti-T. cruzi. Adiciona-se também os controles positivo e negativo e as hemácias sensibilizadas com antígeno aos poços onde foram adicionados os três itens anteriores separadamente. 

A positividade do teste pode ser visualizada a olho nu e os critérios de determinação da reatividade são:

Amostra reagente: hemácias distribuídas de maneira homogênea, em forma de tapete ou manto, formado pela malha de imunocomplexos Antígeno-Anticorpo, ocupando área maior do que 50% do fundo da placa.

Amostra não reagente: hemácias acumuladas em formas de botão no fundo do poço.

Amostra indeterminada: qualquer padrão diferente dos anteriores.


O teste pode ser semi-quantitativo, titulando a presença de anticorpos utilizando diluições seriadas com o diluente.  A placa e todos os reagentes necessários estão presentes no kit CHAGAS - HAI - CAT. 510, comercializado pela Gold Analisa.

fonte:http://www.goldanalisa.com.br/exibe_noticia.asp?id=59

 

User badge image

LUANA

Há mais de um mês

O teste de aglutinação indireta ou passiva emprega a adsorção de anticorpos ou antígenos solúveis proteicos ou polissacarídeos na superfície de micropartículas inertes (suportes) que não interferem na interação antígeno-anticorpo, como plásticos, gelatina, carvão e hemácias formolizadas de aves e carneiros.

Um suporte muito utilizado são micropartículas de poliestireno (látex), homogêneas quanto ao tamanho, com a vantagem de permitir a realização de testes rápidos de aglutinação em lâminas ou placas planas e com leitura em minutos.

Suportes com antígeno adsorvido são utilizados na pesquisa de anticorpos específicos.

A aglutinação do látex pode ser observada a olho nu após homogeneização. Há também a possibilidade de empregar métodos automatizados quantitativos como a absorção da luz (turbidimetria) ou a dispersão da luz (nefelometria), melhorando a sensibilidade do teste.

Principais testes laboratoriais que utilizam essa técnica

ASO – Antiestreptolisina O

A Estreptolisina “O” é uma toxina liberada pelo S. pyogenes. Nas infecções pela bactéria há liberação da toxina Estreptolisina O que é altamente antigênica, levando à formação de anticorpo antiestreptolisina O (ASLO).

PRINCÍPIO 
O kit é constituído por uma suspensão de partículas de poliestireno sensibilizadas com Estreptolisina O. Ao se colocar essas partículas em contato com soro que tenha altos níveis de anticorpos antiestreptolisina O, processa-se a reação antígeno anticorpo, o que é evidenciado pela aglutinação das partículas de látex que formam agregados facilmente visíveis.


Fator reumatoide

O fator reumatoide está presente em numerosas patologias onde o sistema imunológico é altamente estimulado. Nessas doenças, os anticorpos IgG produzidos pelos linfócitos nas articulações sinoviais reagem com outros anticorpos IgG ou IgM, produzindo complexos imunes, ativação do complemento e destruição tecidual. Ainda não se sabe como as moléculas de IgG tornam-se antigênicas, porém elas podem ser alteradas pela agregação com vírus ou outros antígenos.

PRINCÍPIO 
O kit contém uma suspensão de partículas de látex adsorvidas com gamaglobulina humana em tampão 100mmol/L de Glicina, pH 8,2. Com a adição do kit ao soro com “Fator Reumatoide” presente, desenvolve-se uma reação antígeno anticorpo. Esta se exterioriza pela aglutinação das partículas de látex formando agregados facilmente visíveis.


Proteína C Reativa

A proteína C reativa é uma glicoproteína produzida pelos hepatócitos, usada como indicador de processos inflamatórios agudos de origem bacteriana, ou ainda, de destruição de tecido.

PRINCÍPIO 
O kit contém uma suspensão de partículas de látex de poliestireno recobertas com anticorpos anti-Proteína C- Reativa (PCR). Esta suspensão, em contato com amostras contendo Proteína C Reativa produz uma aglutinação das partículas de látex, visíveis macroscopicamente.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas