A maior rede de estudos do Brasil

Qual a definição de valoração moral e valoração jurídica?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Cremos que tal indagação diga respeito a Teoria da Relação Intersubjetiva.

Segundo Kant, o Direito é o conjunto de condições por meio das quais o arbítrio de um pode acordar-se com o arbítrio de outrem, segundo uma lei universal de liberdade.

Esta relação, para ser jurídica, deve se dar entre dois arbítrios (dois sujeitos detentores de direitos e deveres). Afasta-se, portanto, a relação entre sujeito e coisas, animais, deus e escravos.

Segundo o autor, um mesmo princípio ético pode ser analisado sob uma dupla ordem de valoração: 

A primeira em relação ao sujeito que pratica a ação, constituindo uma valoração moral, que é uma valoração subjetiva e unilateral.

A segunda em relação ao sujeito que recebe a ação, constituindo uma valoração jurídica, que é uma valoração intersubjetiva e bilateral.

O Direito, portanto, seria uma coordenação objetiva do agir, um conjunto de relações entre sujeitos. 

 

Cremos que tal indagação diga respeito a Teoria da Relação Intersubjetiva.

Segundo Kant, o Direito é o conjunto de condições por meio das quais o arbítrio de um pode acordar-se com o arbítrio de outrem, segundo uma lei universal de liberdade.

Esta relação, para ser jurídica, deve se dar entre dois arbítrios (dois sujeitos detentores de direitos e deveres). Afasta-se, portanto, a relação entre sujeito e coisas, animais, deus e escravos.

Segundo o autor, um mesmo princípio ético pode ser analisado sob uma dupla ordem de valoração: 

A primeira em relação ao sujeito que pratica a ação, constituindo uma valoração moral, que é uma valoração subjetiva e unilateral.

A segunda em relação ao sujeito que recebe a ação, constituindo uma valoração jurídica, que é uma valoração intersubjetiva e bilateral.

O Direito, portanto, seria uma coordenação objetiva do agir, um conjunto de relações entre sujeitos. 

 

User badge image

Lr construcoes

Há mais de um mês

A lei se eximiu de conceituar o dano moral, por isso devemos buscar sua definição na doutrina, que já se definiu quanto a esse importante tema da atualidade de nosso direito. O dano moral pode ser definido como a lesão ao patrimônio jurídico materialmente não apreciável de uma pessoa. É a violação do sentimento que rege os princípios morais tutelados pelo direito, que podem ser decorrentes de ofensa à honra, ao decoro, à paz interior de cada um, às crenças íntimas, aos sentimentos afetivos de qualquer espécie, à liberdade, à vida e à integridade corporal. Muitos juristas têm tentado aprimorar o conceito do dano moral, e cumpre­nos citar alguns conceitos: RUI STOCCO, firmando­se nas lições de PONTES DE MIRANDA, "Nos danos morais a esfera ética da pessoa é que é ofendida; o dano não patrimonial é o que, só atingindo o devedor como ser humano, não lhe atinge o patrimônio". 2 Para WILSON MELO DA SILVA, "danos morais são lesões sofridas pelo sujeito físico ou pessoal natural de direito em seu patrimônio ideal, entendendo­se por patrimônio ideal, em contraposição ao patrimônio material, o conjunto de tudo aquilo que não seja suscetível de valor econômico"

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas