A maior rede de estudos do Brasil

Qual a importancia da psicanálise para a psicologia?


1 resposta(s)

User badge image

Mariana

Há mais de um mês

  psicanálise estuda o funcionamento da mente humana e sua estrutura visando ao tratamento de comportamentos compulsivos e muitas doenças de natureza psicológica, supostamente sem motivação orgânica. Como é de conhecimento geral, esta ciência foi fundada no século XIX por Sigmund Freud. A maior contribuição dele para o estudo da personalidade residiu no conceito de inconsciente. Seu objetivo era explicar os processos inconscientes e propor  uma teoria que explicasse os fenômenos advindos daí.

Ao criar a psicanálise Freud pôs-se diante do todo da vida humana por meio do conhecimento das diversas fases psíquicas do desenvolvimento do indivíduo. Os mais profundos sentimentos de homens e mulheres, acima de tudo seus impulsos sexuais, claramente excluídos da filosofia por Platão como forma de corrupção intelectual, foram então postos como tema central desta nova ciência. A psicanálise nos coloca de frente com um dos assuntos mais fascinantes: nossa herança animal e, acima de tudo, a natureza do desejo sexual humano, assim como a variedade de comportamentos. Tal descoberta se dá pelo acompanhamento da evolução do homem por meio do estudo do seu inconsciente.

É por isso que entre os diversos campos da atuação humana, a psicanálise se constitui em ferramenta essencial para o seu bem-estar e qualidade de vida. Na formação do pedagogo, por exemplo, a psicanálise tem grande importância por lhe transmitir “uma ética, um modo de ver e de entender sua prática educativa”. A complexidade do trabalho do pedagogo está dada pela responsabilidade de mediar o deixar fazer e a frustração no contexto de aprendizagem escolar. Assim é que a psicanálise pode levar o pedagogo a uma compreensão da criança como sujeito de desejo, e consequentemente ter uma nova visão e um novo entendimento de sua prática educativa.

Hoje se tem discutido muito sobre a formação do professor, sendo essa quase que uma obsessão na área de estudos pedagógicos, onde se credita a responsabilidade pelo fracasso escolar à falta de coerência teórica do mestre nas disciplinas e no processo de aprendizagem. Atualmente se sabe que o pedagogo não pode se ocupar apenas com a formação escolar de crianças, pois sua atuação possui maior amplitude. O ofício da Pedagogia não consiste apenas em educar, que é, para Freud, uma tarefa impossível devido à subjetividade inconsciente de cada pessoa. Pensando na complexidade do ofício do pedagogo, pode-se fazer uma reflexão sobre o espaço que as teorias psicanalíticas e, principalmente, suas discussões acerca da educação, podem ocupar dentro da formação deste profissional. Várias histerias de adultos estão ligadas aos tempos em que a criança estava desenvolvendo um processo de aprendizagem e de interação social. No entanto, a ideia de se levar a psicanálise para a formação de pedagogos não é propor que o educador tenha a função de analista stricto sensu, mas sim oferecer um dispositivo para interrogar as concepções totalizantes de educar em benefício de uma intervenção que privilegie a singularidade.

Outra importância prática que se pode destacar da psicanálise é a de nos permitir o estudo do inconsciente humano, a fim de entendermos as doenças mentais e o próprio homem por meio da compreensão do funcionamento biológico dos seres humanos pela não separação entre o corpo e a mente. Além deste aspecto médico da psicanálise, Freud relacionou o pensamento filosófico ao pensamento neurológico, ampliando as suas fontes de conhecimento em grandes campos do saber, como a questão da sexualidade em todos os seus sentidos e principalmente cogitar a influência que os instintos sexuais atuam em nossos problemas, angústias, sonhos e comportamentos.

A noção de pecado e de vergonha reprime por demais a sexualidade, logo, Freud achava que alguns distúrbios da sexualidade resultavam dessa atuação rígida da moral. É assim que, na própria busca de prazer está também o próprio desprazer pelo recalque em suas estruturas mentais com vista ao controle sobre o comportamento humano pela impregnação acerbada de valores éticos e morais, que suprimem os instintos naturais. A psicanálise exterioriza tendências recalcadas, contrários à orientação consciente, de modo que quando trazidas à luz tais conflitos psíquicos são sanados.

Além da descoberta das origens dos males psíquicos, a psicanálise revela os caminhos a serem seguidos para que o mal seja evitado ou remediado. No entanto, como o estudo do psiquismo não se baseia em dados concretos e claramente demonstráveis, esta ciência é muitas vezes contestada. Principalmente quando condena certos comportamentos coercivos de nossa estrutura social. É inegável, contudo, o domínio do inconsciente, desvendado primeiramente por Freud, e depois por outros grandes nomes mais atuais como Erich Fromm, Lipot Szondi, Adler e Jung, que lançaram novas luzes sobre o inconsciente que lançaram mais em relevo o papel deste no conjunto da vida psíquica.

Fazer terapia com psicanalistas,psicólogos e/ou qualquer outro terapeuta a quem a pessoa sinta afinidade é essencial para o alívio de traumas, dores psicológicas, melhorar relacionamentos e a qualidade de vida do indivíduo como um todo. Crianças, adultos, famílias, grupos em geral e casais podem ser beneficiados com processos terapêuticos. 

 

(http://startlife.com.br/noticia/a-importancia-da-psicanalise)

  psicanálise estuda o funcionamento da mente humana e sua estrutura visando ao tratamento de comportamentos compulsivos e muitas doenças de natureza psicológica, supostamente sem motivação orgânica. Como é de conhecimento geral, esta ciência foi fundada no século XIX por Sigmund Freud. A maior contribuição dele para o estudo da personalidade residiu no conceito de inconsciente. Seu objetivo era explicar os processos inconscientes e propor  uma teoria que explicasse os fenômenos advindos daí.

Ao criar a psicanálise Freud pôs-se diante do todo da vida humana por meio do conhecimento das diversas fases psíquicas do desenvolvimento do indivíduo. Os mais profundos sentimentos de homens e mulheres, acima de tudo seus impulsos sexuais, claramente excluídos da filosofia por Platão como forma de corrupção intelectual, foram então postos como tema central desta nova ciência. A psicanálise nos coloca de frente com um dos assuntos mais fascinantes: nossa herança animal e, acima de tudo, a natureza do desejo sexual humano, assim como a variedade de comportamentos. Tal descoberta se dá pelo acompanhamento da evolução do homem por meio do estudo do seu inconsciente.

É por isso que entre os diversos campos da atuação humana, a psicanálise se constitui em ferramenta essencial para o seu bem-estar e qualidade de vida. Na formação do pedagogo, por exemplo, a psicanálise tem grande importância por lhe transmitir “uma ética, um modo de ver e de entender sua prática educativa”. A complexidade do trabalho do pedagogo está dada pela responsabilidade de mediar o deixar fazer e a frustração no contexto de aprendizagem escolar. Assim é que a psicanálise pode levar o pedagogo a uma compreensão da criança como sujeito de desejo, e consequentemente ter uma nova visão e um novo entendimento de sua prática educativa.

Hoje se tem discutido muito sobre a formação do professor, sendo essa quase que uma obsessão na área de estudos pedagógicos, onde se credita a responsabilidade pelo fracasso escolar à falta de coerência teórica do mestre nas disciplinas e no processo de aprendizagem. Atualmente se sabe que o pedagogo não pode se ocupar apenas com a formação escolar de crianças, pois sua atuação possui maior amplitude. O ofício da Pedagogia não consiste apenas em educar, que é, para Freud, uma tarefa impossível devido à subjetividade inconsciente de cada pessoa. Pensando na complexidade do ofício do pedagogo, pode-se fazer uma reflexão sobre o espaço que as teorias psicanalíticas e, principalmente, suas discussões acerca da educação, podem ocupar dentro da formação deste profissional. Várias histerias de adultos estão ligadas aos tempos em que a criança estava desenvolvendo um processo de aprendizagem e de interação social. No entanto, a ideia de se levar a psicanálise para a formação de pedagogos não é propor que o educador tenha a função de analista stricto sensu, mas sim oferecer um dispositivo para interrogar as concepções totalizantes de educar em benefício de uma intervenção que privilegie a singularidade.

Outra importância prática que se pode destacar da psicanálise é a de nos permitir o estudo do inconsciente humano, a fim de entendermos as doenças mentais e o próprio homem por meio da compreensão do funcionamento biológico dos seres humanos pela não separação entre o corpo e a mente. Além deste aspecto médico da psicanálise, Freud relacionou o pensamento filosófico ao pensamento neurológico, ampliando as suas fontes de conhecimento em grandes campos do saber, como a questão da sexualidade em todos os seus sentidos e principalmente cogitar a influência que os instintos sexuais atuam em nossos problemas, angústias, sonhos e comportamentos.

A noção de pecado e de vergonha reprime por demais a sexualidade, logo, Freud achava que alguns distúrbios da sexualidade resultavam dessa atuação rígida da moral. É assim que, na própria busca de prazer está também o próprio desprazer pelo recalque em suas estruturas mentais com vista ao controle sobre o comportamento humano pela impregnação acerbada de valores éticos e morais, que suprimem os instintos naturais. A psicanálise exterioriza tendências recalcadas, contrários à orientação consciente, de modo que quando trazidas à luz tais conflitos psíquicos são sanados.

Além da descoberta das origens dos males psíquicos, a psicanálise revela os caminhos a serem seguidos para que o mal seja evitado ou remediado. No entanto, como o estudo do psiquismo não se baseia em dados concretos e claramente demonstráveis, esta ciência é muitas vezes contestada. Principalmente quando condena certos comportamentos coercivos de nossa estrutura social. É inegável, contudo, o domínio do inconsciente, desvendado primeiramente por Freud, e depois por outros grandes nomes mais atuais como Erich Fromm, Lipot Szondi, Adler e Jung, que lançaram novas luzes sobre o inconsciente que lançaram mais em relevo o papel deste no conjunto da vida psíquica.

Fazer terapia com psicanalistas,psicólogos e/ou qualquer outro terapeuta a quem a pessoa sinta afinidade é essencial para o alívio de traumas, dores psicológicas, melhorar relacionamentos e a qualidade de vida do indivíduo como um todo. Crianças, adultos, famílias, grupos em geral e casais podem ser beneficiados com processos terapêuticos. 

 

(http://startlife.com.br/noticia/a-importancia-da-psicanalise)

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes