A maior rede de estudos do Brasil

distinguir a perspectiva de platao da concepçao de rousseau acerca da desigualdade social

Filosofia

UNIP


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Segundo Rousseau, há dois tipos de desigualdade: a natural (de idade, saúde, força, qualidades do espírito, etc.) e a desigualdade moral ou política (diferentes privilégios, como maior riqueza, honra, poder, etc.)., produzida pelos seres humanos.

O filósofo buscava tratar da desigualdade moral ou política, e afirmava que não cabia a ele questionar a desigualdade natural, pois ela é decorrente da natureza e, segundo ele, não poderia ser alterada.


Platão, por sua vez, em sua teoria da alma, afirmava que a parte racional da alma era responsável pelo conhecimento do ser humano. Era ela a responsável, a prática, por definir qual seria o papel social da pessoa: dependendo da parte racional de sua alma, seria definido o que a mesma poderia realizar.


Portanto, quando se fala em desigualdade social, há uma diferença principal entre as perspectivas de Rousseau e de Platão sobre o assunto: segundo Rousseau, tal desigualdade era uma construção humana, enquanto, de acordo com Platão, era algo que dependia da alma do mesmo, não dependendo das intenções humanas.

Segundo Rousseau, há dois tipos de desigualdade: a natural (de idade, saúde, força, qualidades do espírito, etc.) e a desigualdade moral ou política (diferentes privilégios, como maior riqueza, honra, poder, etc.)., produzida pelos seres humanos.

O filósofo buscava tratar da desigualdade moral ou política, e afirmava que não cabia a ele questionar a desigualdade natural, pois ela é decorrente da natureza e, segundo ele, não poderia ser alterada.


Platão, por sua vez, em sua teoria da alma, afirmava que a parte racional da alma era responsável pelo conhecimento do ser humano. Era ela a responsável, a prática, por definir qual seria o papel social da pessoa: dependendo da parte racional de sua alma, seria definido o que a mesma poderia realizar.


Portanto, quando se fala em desigualdade social, há uma diferença principal entre as perspectivas de Rousseau e de Platão sobre o assunto: segundo Rousseau, tal desigualdade era uma construção humana, enquanto, de acordo com Platão, era algo que dependia da alma do mesmo, não dependendo das intenções humanas.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Segundo Rousseau, há dois tipos de desigualdade: a natural (de idade, saúde, força, qualidades do espírito, etc.) e a desigualdade moral ou política (diferentes privilégios, como maior riqueza, honra, poder, etc.)., produzida pelos seres humanos.

O filósofo buscava tratar da desigualdade moral ou política, e afirmava que não cabia a ele questionar a desigualdade natural, pois ela é decorrente da natureza e, segundo ele, não poderia ser alterada.


Platão, por sua vez, em sua teoria da alma, afirmava que a parte racional da alma era responsável pelo conhecimento do ser humano. Era ela a responsável, a prática, por definir qual seria o papel social da pessoa: dependendo da parte racional de sua alma, seria definido o que a mesma poderia realizar.


Portanto, quando se fala em desigualdade social, há uma diferença principal entre as perspectivas de Rousseau e de Platão sobre o assunto: segundo Rousseau, tal desigualdade era uma construção humana, enquanto, de acordo com Platão, era algo que dependia da alma do mesmo, não dependendo das intenções humanas.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Segundo Rousseau, há dois tipos de desigualdade: a natural (de idade, saúde, força, qualidades do espírito, etc.) e a desigualdade moral ou política (diferentes privilégios, como maior riqueza, honra, poder, etc.)., produzida pelos seres humanos.

O filósofo buscava tratar da desigualdade moral ou política, e afirmava que não cabia a ele questionar a desigualdade natural, pois ela é decorrente da natureza e, segundo ele, não poderia ser alterada.


Platão, por sua vez, em sua teoria da alma, afirmava que a parte racional da alma era responsável pelo conhecimento do ser humano. Era ela a responsável, a prática, por definir qual seria o papel social da pessoa: dependendo da parte racional de sua alma, seria definido o que a mesma poderia realizar.


Portanto, quando se fala em desigualdade social, há uma diferença principal entre as perspectivas de Rousseau e de Platão sobre o assunto: segundo Rousseau, tal desigualdade era uma construção humana, enquanto, de acordo com Platão, era algo que dependia da alma do mesmo, não dependendo das intenções humanas.

User badge image

Talia viana

Há mais de um mês

Jean Jacques Rousseau: 
"Concebo na espécie humana duas espécies de desigualdade: uma, que chamo de natural ou física, porque é estabelecida pela natureza, e que consiste na diferença das idades, da saúde, das forças do corpo e das qualidades do espírito, ou da alma; a outra, que se pode chamar de desigualdade moral ou política, porque depende de uma espécie de convenção, e que é estabelecida ou, pelo menos, autorizada pelo consentimento dos homens. Consiste esta nos diferentes privilégios de que gozam alguns com prejuízo dos outros, como ser mais ricos, mais honrados, mais poderosos do que os outros, ou mesmo fazerem-se obedecer por eles." 
Ele entendia que o estado de natureza é a garantia de dois princípios inalienáveis: liberdade e a igualdade, princípios estes violados com a formação da sociedade civil e a instituição da propriedade. 
Preocupação crucial dele foi demonstrar como o direito natural foi submetido à lei civil.Ele segue a teoria de Locke ao vincular a origem da propriedade a idéia de trabalho, mas se distancia dela qdo não considera a propriedade natural como direito natural inalienável.Rosseau denuncia a fragilidade das leis e da sociedade civil, implicando a solubilidade da questão por contrato social. 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas