A maior rede de estudos do Brasil

São agentes infecciosos protéicos não-celulares.

Biologia I

ESTÁCIO


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Os príons são agentes infecciosos cuja forma extracelular consiste exclusivamente de proteínas, não apresentando DNA ou RNA. Eles causam diversas doenças neurológicas: scrapie em ovinos, encefalopatia espongiforme em bovinos, doença debilitante crônica em cervos e alces e as doenças kuru e de Creutzfeldt-Jakob em seres humanos. O príon é codificado pela própria célula hospedeira.


Os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares, uma vez que consistem exclusivamente de proteínas, não presentando DNA ou RNA e sendo codificados pela própria célula hospedeira.


Portanto, concluímos que os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares.

MADIGAN, Michael T. et al. Microbiologia de Brock-14ª Edição. Artmed Editora, 2016.

Os príons são agentes infecciosos cuja forma extracelular consiste exclusivamente de proteínas, não apresentando DNA ou RNA. Eles causam diversas doenças neurológicas: scrapie em ovinos, encefalopatia espongiforme em bovinos, doença debilitante crônica em cervos e alces e as doenças kuru e de Creutzfeldt-Jakob em seres humanos. O príon é codificado pela própria célula hospedeira.


Os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares, uma vez que consistem exclusivamente de proteínas, não presentando DNA ou RNA e sendo codificados pela própria célula hospedeira.


Portanto, concluímos que os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares.

MADIGAN, Michael T. et al. Microbiologia de Brock-14ª Edição. Artmed Editora, 2016.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Os príons são agentes infecciosos cuja forma extracelular consiste exclusivamente de proteínas, não apresentando DNA ou RNA. Eles causam diversas doenças neurológicas: scrapie em ovinos, encefalopatia espongiforme em bovinos, doença debilitante crônica em cervos e alces e as doenças kuru e de Creutzfeldt-Jakob em seres humanos. O príon é codificado pela própria célula hospedeira.


Os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares, uma vez que consistem exclusivamente de proteínas, não presentando DNA ou RNA e sendo codificados pela própria célula hospedeira.


Portanto, concluímos que os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares.

MADIGAN, Michael T. et al. Microbiologia de Brock-14ª Edição. Artmed Editora, 2016.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Os príons são agentes infecciosos cuja forma extracelular consiste exclusivamente de proteínas, não apresentando DNA ou RNA. Eles causam diversas doenças neurológicas: scrapie em ovinos, encefalopatia espongiforme em bovinos, doença debilitante crônica em cervos e alces e as doenças kuru e de Creutzfeldt-Jakob em seres humanos. O príon é codificado pela própria célula hospedeira.


Os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares, uma vez que consistem exclusivamente de proteínas, não presentando DNA ou RNA e sendo codificados pela própria célula hospedeira.


Portanto, concluímos que os príons são os agentes infecciosos proteicos não-celulares.

MADIGAN, Michael T. et al. Microbiologia de Brock-14ª Edição. Artmed Editora, 2016.

User badge image

Jorge Alberto

Há mais de um mês

Príons são moléculas proteicas que possuem propriedades infectantes. O nome príon vem do inglês proteinaceous infectious particles, que quer dizer partículas proteicas infecciosas. Tais partículas se distinguem de vírus e bactérias comuns por serem desprovidos de carga genética.

Existe um gene, denominado prinp, que é responsável pela síntese da proteína príon celular (PrPc). Na sua forma normal e saudável, essa proteína, além de participar do processo de diferenciação neural, ela defende os neurônios de condições que podem levar à sua destruição. Uma mutação do gene prinp provoca a formação defeituosa da PrPc, que se transforma em príon. Essa molécula proteica infectante é capaz, ainda, de alterar a forma de outras proteínas saudáveis, que, a partir daí, também adquirem um comportamento priônico. Os príons podem até mesmo produzir réplicas de si mesmos (por mecanismos ainda desconhecidos).

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas