A maior rede de estudos do Brasil

ESTUDO DE CASO Contabilidade Básica e Introdução ao Estudo da Economia Fena Saúde:

ESTUDO DE CASO

Contabilidade Básica e Introdução ao Estudo da EconomiaFenaSaúde: Inflação médica supera reajuste dos planosPOR FENASAÚDEConteúdo de responsabilidade do anunciante26/07/2017 7:00 / atualizado 26/07/2017 16:07Publicado no O GLOBO Sociedade.Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/fenasaude-inflacao-medica-supera-reajuste-dos-planos-21617292 . Acesso em 13/09/18 A Variação de Custos Médico-Hospitalares (VCHM), indicador da “inflação médica”, utilizado pelo mercado de Saúde Suplementar, aponta que as despesas assistenciais crescem de maneira expressiva e acima da inflação geral de preços. Esse índice é formado pela combinação de dois componentes básicos: a variação dos preços pagos por consultas médicas, exames complementares, atendimento ambulatorial, terapias e internações; e o aumento da quantidade de procedimentos utilizados por beneficiário desses serviços. A incorporação de tecnologia também exerce enorme impacto nas variações anuais de custo, segundo explica a presidente da entidade Solange Beatriz Palheiro Mendes.– Em diversos setores econômicos a inovação tecnológica melhora a qualidade, a produtividade e, como consequência, reduz o custo do produto ou serviço. No setor de saúde não é bem assim. Novas tecnologias são disponibilizadas pela indústria de materiais e equipamentos hospitalares com intensa regularidade e acentuada elevação de preços. É por isso que a tecnologia faz crescer a despesa no setor de saúde. Consequentemente, não se deve abusar desses recursos tecnológicos sem levar em consideração sua eficácia e eficiência. Portanto, a “inflação médica”, na avaliação da presidente da FenaSaúde, não guarda relação com a inflação geral de preços porque o custo médico é formado por variáveis relacionadas ao aumento da variação de preços de insumos, como também da contínua incorporação de novos procedimentos, de práticas que levam ao desperdício e do aumento da longevidade da população que implica em maiores demandas por serviços de saúde.Conforme visto na reportagem o custo da assistência à saúde é comprometida com diversos fatores da economia gerando uma preocupação constante para os gestores em saúde, pois as variações de preços decorrentes da inflação geral entre as regiões e/ou municípios podem comprometer a atualização da tabela de prestação de serviços do SUS impactando diretamente na qualidade do serviço prestado.1)

Considerando o texto disposto acima bem como os conhecimentos adquiridos ao longo das disciplinas, responda como a administração dos recursos públicos influencia a inflação?


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Tem havido muitas conjecturas que afirmam que o governo é o aliado do povo contra a inflação e quer impedi-lo a qualquer custo. Ao mesmo tempo, tem havido numerosas conjecturas econômicas afirmando exatamente o oposto, ou seja, que o governo não é o aliado do povo. Em vez disso, o governo se beneficia da inflação de que o homem comum sofre.


Se o governo de fato está gastando todos esses recursos no controle da inflação, está fazendo um trabalho muito ruim, já que os resultados foram sombrios. A inflação vem aumentando ano a ano e o homem comum se vê cada vez mais pobre através dos tempos, apesar de trabalhar cada vez mais duro.


A teoria oposta afirma que o governo é, na verdade, a causa da inflação. O estudo não é aceito pelos economistas, mas fornece evidências empíricas precisas para provar seu ponto. Estudos mostraram que a inflação era inexistente ou muito menor em sociedades antigas, onde o governo não tinha o direito exclusivo de cunhar moeda e regular seu valor. Como e quando a interferência do governo no sistema monetário aumentou, também aumentou a inflação.

Tem havido muitas conjecturas que afirmam que o governo é o aliado do povo contra a inflação e quer impedi-lo a qualquer custo. Ao mesmo tempo, tem havido numerosas conjecturas econômicas afirmando exatamente o oposto, ou seja, que o governo não é o aliado do povo. Em vez disso, o governo se beneficia da inflação de que o homem comum sofre.


Se o governo de fato está gastando todos esses recursos no controle da inflação, está fazendo um trabalho muito ruim, já que os resultados foram sombrios. A inflação vem aumentando ano a ano e o homem comum se vê cada vez mais pobre através dos tempos, apesar de trabalhar cada vez mais duro.


A teoria oposta afirma que o governo é, na verdade, a causa da inflação. O estudo não é aceito pelos economistas, mas fornece evidências empíricas precisas para provar seu ponto. Estudos mostraram que a inflação era inexistente ou muito menor em sociedades antigas, onde o governo não tinha o direito exclusivo de cunhar moeda e regular seu valor. Como e quando a interferência do governo no sistema monetário aumentou, também aumentou a inflação.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas