A maior rede de estudos do Brasil

DEFINA JURISDIÇÃO ?


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Segundo Cintra, Grinover e Dinamarco, jurisdição é "uma das funções do Estado, mediante a qual este se substitui aos titulares dos interesses em conflito para, imparcialmente, buscar a pacificação do conflito que os envolve, com justiça". 

Ainda segundo os referidos autores, "através do exercício da função jurisdicional, o que busca o Estado é fazer com que se atinjam, em cada caso concreto, os objetivos das normas de direito substancial".

Tourinho Filho conceitua jurisdição como "aquela função do Estado consistente em fazer atuar, pelos órgãos jurisdicionais, que são os juízes e Tribunais, o direito objetivo a um caso concreto, obtendo-se a justa composição da lide".

Segundo Antônio Cintra, Ada Pellegrini Grinover, e Candido Dinamarco, são 7 os princípios da jurisdição:

  • Princípio da investidura: a jurisdição somente é exercida por quem tenha sido regularmente e legitimamente investido na autoridade de juiz, via de regra, por concurso público;
  • Princípio da aderência ao território: os magistrados somente têm autoridade nos limites territoriais pré designados;
  • Princípio da indelegabilidade: é vedado ao juiz, que exerce atividade pública, delegar as suas funções a outra pessoa ou mesmo a outro Poder estatal;
  • Princípio da inevitabilidade: a autoridade dos órgãos jurisdicionais, sendo emanação do próprio poder estatal soberano, impõe-se por si mesma, independentemente da vontade das partes;
  • Princípio da inafastabilidade ou indeclinabilidade: a todos é possibilitado o acesso ao Judiciário em busca da solução de situações litigiosas e conflitos de interesses em geral, bem assim para a administração de interesses privados pela jurisdição voluntária (artigo 5º, inciso XXXV da CF/1988);
  • Princípio do juiz natural: assegura que ninguém pode ser privado do julgamento por juiz independente e imparcial, indicado pelas normas constitucionais e legais, proibidos os juízos/tribunais de exceção (artigo 5º, inciso XXXVII, da CF/1988);
  • Princípio da inércia: as partes devem tomar a iniciativa de pleitear a tutela jurisdicional.

Segundo Cintra, Grinover e Dinamarco, jurisdição é "uma das funções do Estado, mediante a qual este se substitui aos titulares dos interesses em conflito para, imparcialmente, buscar a pacificação do conflito que os envolve, com justiça". 

Ainda segundo os referidos autores, "através do exercício da função jurisdicional, o que busca o Estado é fazer com que se atinjam, em cada caso concreto, os objetivos das normas de direito substancial".

Tourinho Filho conceitua jurisdição como "aquela função do Estado consistente em fazer atuar, pelos órgãos jurisdicionais, que são os juízes e Tribunais, o direito objetivo a um caso concreto, obtendo-se a justa composição da lide".

Segundo Antônio Cintra, Ada Pellegrini Grinover, e Candido Dinamarco, são 7 os princípios da jurisdição:

  • Princípio da investidura: a jurisdição somente é exercida por quem tenha sido regularmente e legitimamente investido na autoridade de juiz, via de regra, por concurso público;
  • Princípio da aderência ao território: os magistrados somente têm autoridade nos limites territoriais pré designados;
  • Princípio da indelegabilidade: é vedado ao juiz, que exerce atividade pública, delegar as suas funções a outra pessoa ou mesmo a outro Poder estatal;
  • Princípio da inevitabilidade: a autoridade dos órgãos jurisdicionais, sendo emanação do próprio poder estatal soberano, impõe-se por si mesma, independentemente da vontade das partes;
  • Princípio da inafastabilidade ou indeclinabilidade: a todos é possibilitado o acesso ao Judiciário em busca da solução de situações litigiosas e conflitos de interesses em geral, bem assim para a administração de interesses privados pela jurisdição voluntária (artigo 5º, inciso XXXV da CF/1988);
  • Princípio do juiz natural: assegura que ninguém pode ser privado do julgamento por juiz independente e imparcial, indicado pelas normas constitucionais e legais, proibidos os juízos/tribunais de exceção (artigo 5º, inciso XXXVII, da CF/1988);
  • Princípio da inércia: as partes devem tomar a iniciativa de pleitear a tutela jurisdicional.
User badge image

Jean carlos

Há mais de um mês

poder de um Estado, decorrente de sua soberania, para editar leis e ministrar a justiça.

poder legal, no qual são investidos certos órgãos e pessoas, de aplicar o direito nos casos concretos.

User badge image

jeniffer luciano

Há mais de um mês

poder de um Estado, decorrente de sua soberania, para editar leis e ministrar a justiça.

User badge image

Flávia França

Há mais de um mês

O termo jurisdição vem do latim, que significa dizer o direito (juris=direito, dição=dizer). Trata-se do poder e prerrogativa de um órgão (no Brasil, é o Poder Judiciário), de aplicar o direito, utilizando a força do Estado para que suas decisões sejam eficazes.Como supracitado, no Brasil o Poder Judiciário, em regra, é detentor do monopólio desse poder, realizando a chamando jurisdição, garantindo o uso da jurisdição de forma imparcial.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas