Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

literatura

QUINTA / D. SEBASTIÃO, REI DE PORTUGAL

 

Louco, sim, louco, porque quis grandeza

Qual a Sorte a não dá.

Não coube em mim minha certeza;

Por isso onde o areal está

Ficou meu ser que houve, não o que há.

Minha loucura, outros que me a tomem

Com o que nela ia.

Sem a loucura que é o homem

Mais que a besta sadia,

Cadáver adiado que procria?

(Fernando Pessoa – Mensagem)

 

Assinale a alternativa incorreta sobre o texto:

 

Escolha uma:

2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Para responder essa questão devemos colocar em prática nossos conhecimentos sobre

Literatura Brasileira II.


Versos livres são versos que não possuem métrica, são versos introduzidos pelo modernismo e não se baseiam em critérios predefinidos, são versos que não possuem rima. Por isso, a alternativa e) é a incorreta. Sendo as outras verdadeiras, o eu lírico é o rei Dom Sebastião, no último verso existe um paradoxo e sim há um mito nessa história, pois, durante uma empreitada militar o rei de Portugal, Dom Sebastião, sumiu sem deixar vestígios, surgindo assim um mito chamado de “sebastianismo”.


Portanto, não se verificam versos livres nesse poema.

Para responder essa questão devemos colocar em prática nossos conhecimentos sobre

Literatura Brasileira II.


Versos livres são versos que não possuem métrica, são versos introduzidos pelo modernismo e não se baseiam em critérios predefinidos, são versos que não possuem rima. Por isso, a alternativa e) é a incorreta. Sendo as outras verdadeiras, o eu lírico é o rei Dom Sebastião, no último verso existe um paradoxo e sim há um mito nessa história, pois, durante uma empreitada militar o rei de Portugal, Dom Sebastião, sumiu sem deixar vestígios, surgindo assim um mito chamado de “sebastianismo”.


Portanto, não se verificam versos livres nesse poema.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

Para responder essa questão devemos colocar em prática nossos conhecimentos sobre

Literatura Brasileira II.


Versos livres são versos que não possuem métrica, são versos introduzidos pelo modernismo e não se baseiam em critérios predefinidos, são versos que não possuem rima. Por isso, a alternativa e) é a incorreta. Sendo as outras verdadeiras, o eu lírico é o rei Dom Sebastião, no último verso existe um paradoxo e sim há um mito nessa história, pois, durante uma empreitada militar o rei de Portugal, Dom Sebastião, sumiu sem deixar vestígios, surgindo assim um mito chamado de “sebastianismo”.


Portanto, não se verificam versos livres nesse poema.

Essa pergunta já foi respondida!