A maior rede de estudos do Brasil

Terceirização

Qual é a maior preocupação dos trabalhadores com a possível terceirização de mão-de-obra?


4 resposta(s)

User badge image

Nilo Puentes Dal Ri

Há mais de um mês

Súmula nº 331 do TST

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. LEGALIDADE (nova redação do item IV e inseridos os itens V e VI à redação) - Res. 174/2011, DEJT divulgado em 27, 30 e 31.05.2011 
I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974). 
  
II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da Administração Pública direta, indireta ou fundacional (art. 37, II, da CF/1988). 
  
III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de 20.06.1983) e de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta. 
  
IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da relação processual e conste também do título executivo judicial. 
  
V - Os entes integrantes da Administração Pública direta e indireta respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV, caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das obrigações da Lei n.º 8.666, de 21.06.1993, especialmente na fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da prestadora de serviço como empregadora. A aludida responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente contratada. 
  
VI – A responsabilidade subsidiária do tomador de serviços abrange todas as verbas decorrentes da condenação referentes ao período da prestação laboral.

Súmula nº 331 do TST

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. LEGALIDADE (nova redação do item IV e inseridos os itens V e VI à redação) - Res. 174/2011, DEJT divulgado em 27, 30 e 31.05.2011 
I - A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal, formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços, salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.019, de 03.01.1974). 
  
II - A contratação irregular de trabalhador, mediante empresa interposta, não gera vínculo de emprego com os órgãos da Administração Pública direta, indireta ou fundacional (art. 37, II, da CF/1988). 
  
III - Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei nº 7.102, de 20.06.1983) e de conservação e limpeza, bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador, desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta. 
  
IV - O inadimplemento das obrigações trabalhistas, por parte do empregador, implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços quanto àquelas obrigações, desde que haja participado da relação processual e conste também do título executivo judicial. 
  
V - Os entes integrantes da Administração Pública direta e indireta respondem subsidiariamente, nas mesmas condições do item IV, caso evidenciada a sua conduta culposa no cumprimento das obrigações da Lei n.º 8.666, de 21.06.1993, especialmente na fiscalização do cumprimento das obrigações contratuais e legais da prestadora de serviço como empregadora. A aludida responsabilidade não decorre de mero inadimplemento das obrigações trabalhistas assumidas pela empresa regularmente contratada. 
  
VI – A responsabilidade subsidiária do tomador de serviços abrange todas as verbas decorrentes da condenação referentes ao período da prestação laboral.

User badge image

Hugo Santana

Há mais de um mês

Temos que analisar às várias partes que compreendem o trabalho terceirizado, pois não se limita apenas a uma preocupação, devemos analisar o campo de trabalho que àquele trabalhador terceirizado estará atuando.

1° O comprometimento do trabalhador terceirizado com a missão e visão da empresa, pois ele poderá ser trocado, relocado a qualquer momento;

2° O salário de um terceirizado é em torno de 25% menor que o do contratado, o que gera desmotivação no terceirizado;

3° Quando se analisar a variável acidente de trabalho, se percebe que os terceirizados são os que mais se acidentam.

Estas são três preocupações no atual cenário com a exixtência da terceirização da atividade-meio, se for liberado a atividade-fim como ficarão estas variáveis???? O interessante é que nesta situação podemos analisar DADOS para podermos entender quais serão os efeitos sobre a classe trabalhadora.

User badge image

Aléxia Kílaris

Há mais de um mês

O problema do Projeto de Lei (PL 4.302/98) é a viabilização de uma terceirização irrestrita do trabalho e até da quarteirização do trabalho. Anteriormente, na história da legislação braisleiro, somente atividades meio poderiam ser terceirizadas e não as atividades fim, ou seja, se a finalidade de uma empresa é produção de bicicletas, os funcionários que produzem a bicicleta não podem ser contratos de uma terceira empresa. Nessa relação de trabalho terceirizado existe a figura do trabalhador, do contratante e do tomador do serviço. Nesse sentido, a empresa tomadora contrata uma segunda empresa para prestar um serviço e essa segunda empresa contrata trabalhadores para executarem os trabalhos. Quando isso ocorre, a contratação e o pagamento dos funcionários não é de responsabilidade da tomara dos serviços, mas da empresa contratada por esta. As desvantagens são: diminuição dos salários, dificuldade de fiscalização desses serviços contratados e das condições para a prestação desse serviço, burocracia para a contratação. No serviço público, a terceirização pode abrir espaço para apadrinhamentos, nepostismo, etc.. Para além disso, 90% dos casos de trabalho escravo do país se deram em relações terceirizadas de trabalho. 

Essa pergunta já foi respondida!