Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

AV2 - Ética, Política e Sociedade?


1 resposta(s)

User badge image

Larissa Benfica

Há mais de um mês

1)

Analise as perguntas abaixo e em seguida escolha a alternativa:

Quais são as verdadeiras razões que nos levam a fazer determinadas coisas e quais são as verdadeiras razões que nos desestimulam a fazer outras coisas? Se pudéssemos ficar invisíveis, o que faríamos? Vimos na Web aula 2 que este é um dilema apresentado no famoso "mito do anel de Giges".

Qual o propósito do dilema apresentado no texto?

Alternativas:

  • a)

O dilema nos faz pensar sobre a importância da mitologia para a discussão ética.

  • b)

O dilema nos leva à reflexão sobre a difícil relação entre o público e o privado.

  • c)

O dilema é apenas uma maneira de mostrar a distinção entre ética e moral.

  • d)

O dilema é apenas uma forma de satirizar a mitologia antiga propondo sua superação.

2)

O filósofo grego Platão nos conta, em uma de suas obras, o famoso mito da caverna: pessoas vivem acorrentadas dentro de uma caverna desde crianças. Lá contemplam apenas sombras do que existe verdadeiramente no mundo real. O que ocorreria a estes indivíduos se pudessem sair da caverna e ver o mundo real?

Qual seria o verdadeiro propósito de Platão com a narrativa deste mito?

Alternativas:

  • a)

O propósito de Platão era fazer durar críticas à situação de escravidão de grande parte dos trabalhadores da Grécia de seu tempo. O mito retrata esta situação.

  • b)

Com o mito da caverna Platão pretende deixar claras suas posições políticas. Sabemos que Platão foi um dos principais defensores da democracia, bem retratada no mito.

  • c)

Platão pretendia nos mostrar a diferença entre o mundo das aparências sensíveis (ilusões, erros, etc) e o mundo supra-sensível (da verdade, do Bem).

  • d)

O mito da caverna é uma maneira de mostrar a diferença entre moral e ética: a moral é representada pelo comportamento dentro da caverna, já a ética seria a saída da caverna.

3)

Leia o texto de Immanuel Kant com atenção:

"A autonomia [...] não nega a influência externa e outros determinantes da conduta, mas destaca no indivíduo a capacidade de refletir sobre as limitações que lhe são impostas, a partir das quais reorienta a ação para superar os condicionamentos. Portanto, quando decide por cumprir uma norma, o centro da decisão é ele mesmo, a sua própria consciência moral. A autonomia é autodeterminação"

ARANHA, M. L. de A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. 4ª ed. Revisada. São Paulo:Moderna, 2009. p. 225 (adaptado)

Vimos no texto acima uma definição de autonomia. Mas na web aula 2 vimos que a posição contrária à autonomia é a heteronomia. Escolha a alternativa em que há uma correta definição de heteronomia:

Alternativas:

  • a)

Heteronomia é autodeterminação, ou seja, determinar para si mesmo aquilo que deve ser feito em termos éticos.

  • b)

Heteronomia é um posicionamento político ortodoxo de desprezo, repugnância e intolerância com relação às minorias.

  • c)

Heteronomia é uma atitude ética segunda a qual o outro (hetero) deve ser respeitado em sua liberdade e dignidade.

  • d)

Heteronomia caracteriza a atitude da pessoa que age segundo influências externas, sem questionar as regras impostas.

4)

Em nossa web aula 2 também estudamos um pouco sobre a noção de virtude em Aristóteles – filósofo grego que viveu em Atenas entre 384 e 322 a. C.. Quando Aristóteles fala de virtude, chega à conclusão de que toda virtude é boa quando é controlada no seu excesso e na sua falta.

A partir deste pensamento, como poderíamos definir virtude em Aristóteles?

Alternativas:

  • a)

Virtude é um justo meio entre dois extremos (que são vícios), ou seja, Virtude é querer o bem, buscando tudo com equilíbrio.

  • b)

Virtude é uma atitude que busca sempre aquilo que é a parte mais importante da existência humana, ou seja, a inteligência.

  • c)

Virtude provêm de vir, ou seja, força, virilidade. Na concepção de Aristóteles virtude é a atitude do guerreiro belo e bom.

  • d)

Virtude em Aristóteles é uma constante disposição para querer o bem, contudo, não está ligada à inteligência, mas à parte emotiva da alma.

5)

Sabemos que o cristianismo teve forte influência na constituição da moralidade ocidental. Agostinho de Hipona (354- 430 d. C) e Tomás de Aquino (1225 – 1274) foram alguns dos principais teólogos que influenciaram fortemente a elaboração da moralidade moderna.

Quais foram os três grandes temas do pensamento cristão a influenciar a moralidade moderna? 

Alternativas:

  • a)

A noção de perdão, de dever é de compromisso para com o próximo.

  • b)

A noção de perdão, a importância da fé e a necessidade da caridade para com o próximo.

  • c)

A construção da individualidade, a ideia do dever e o valor da intenção.

  • d)

O respeito pela dignidade humana, a noção de dever e a questão da intenção.

1)

Analise as perguntas abaixo e em seguida escolha a alternativa:

Quais são as verdadeiras razões que nos levam a fazer determinadas coisas e quais são as verdadeiras razões que nos desestimulam a fazer outras coisas? Se pudéssemos ficar invisíveis, o que faríamos? Vimos na Web aula 2 que este é um dilema apresentado no famoso "mito do anel de Giges".

Qual o propósito do dilema apresentado no texto?

Alternativas:

  • a)

O dilema nos faz pensar sobre a importância da mitologia para a discussão ética.

  • b)

O dilema nos leva à reflexão sobre a difícil relação entre o público e o privado.

  • c)

O dilema é apenas uma maneira de mostrar a distinção entre ética e moral.

  • d)

O dilema é apenas uma forma de satirizar a mitologia antiga propondo sua superação.

2)

O filósofo grego Platão nos conta, em uma de suas obras, o famoso mito da caverna: pessoas vivem acorrentadas dentro de uma caverna desde crianças. Lá contemplam apenas sombras do que existe verdadeiramente no mundo real. O que ocorreria a estes indivíduos se pudessem sair da caverna e ver o mundo real?

Qual seria o verdadeiro propósito de Platão com a narrativa deste mito?

Alternativas:

  • a)

O propósito de Platão era fazer durar críticas à situação de escravidão de grande parte dos trabalhadores da Grécia de seu tempo. O mito retrata esta situação.

  • b)

Com o mito da caverna Platão pretende deixar claras suas posições políticas. Sabemos que Platão foi um dos principais defensores da democracia, bem retratada no mito.

  • c)

Platão pretendia nos mostrar a diferença entre o mundo das aparências sensíveis (ilusões, erros, etc) e o mundo supra-sensível (da verdade, do Bem).

  • d)

O mito da caverna é uma maneira de mostrar a diferença entre moral e ética: a moral é representada pelo comportamento dentro da caverna, já a ética seria a saída da caverna.

3)

Leia o texto de Immanuel Kant com atenção:

"A autonomia [...] não nega a influência externa e outros determinantes da conduta, mas destaca no indivíduo a capacidade de refletir sobre as limitações que lhe são impostas, a partir das quais reorienta a ação para superar os condicionamentos. Portanto, quando decide por cumprir uma norma, o centro da decisão é ele mesmo, a sua própria consciência moral. A autonomia é autodeterminação"

ARANHA, M. L. de A. & MARTINS, M. H. P. Filosofando: Introdução à Filosofia. 4ª ed. Revisada. São Paulo:Moderna, 2009. p. 225 (adaptado)

Vimos no texto acima uma definição de autonomia. Mas na web aula 2 vimos que a posição contrária à autonomia é a heteronomia. Escolha a alternativa em que há uma correta definição de heteronomia:

Alternativas:

  • a)

Heteronomia é autodeterminação, ou seja, determinar para si mesmo aquilo que deve ser feito em termos éticos.

  • b)

Heteronomia é um posicionamento político ortodoxo de desprezo, repugnância e intolerância com relação às minorias.

  • c)

Heteronomia é uma atitude ética segunda a qual o outro (hetero) deve ser respeitado em sua liberdade e dignidade.

  • d)

Heteronomia caracteriza a atitude da pessoa que age segundo influências externas, sem questionar as regras impostas.

4)

Em nossa web aula 2 também estudamos um pouco sobre a noção de virtude em Aristóteles – filósofo grego que viveu em Atenas entre 384 e 322 a. C.. Quando Aristóteles fala de virtude, chega à conclusão de que toda virtude é boa quando é controlada no seu excesso e na sua falta.

A partir deste pensamento, como poderíamos definir virtude em Aristóteles?

Alternativas:

  • a)

Virtude é um justo meio entre dois extremos (que são vícios), ou seja, Virtude é querer o bem, buscando tudo com equilíbrio.

  • b)

Virtude é uma atitude que busca sempre aquilo que é a parte mais importante da existência humana, ou seja, a inteligência.

  • c)

Virtude provêm de vir, ou seja, força, virilidade. Na concepção de Aristóteles virtude é a atitude do guerreiro belo e bom.

  • d)

Virtude em Aristóteles é uma constante disposição para querer o bem, contudo, não está ligada à inteligência, mas à parte emotiva da alma.

5)

Sabemos que o cristianismo teve forte influência na constituição da moralidade ocidental. Agostinho de Hipona (354- 430 d. C) e Tomás de Aquino (1225 – 1274) foram alguns dos principais teólogos que influenciaram fortemente a elaboração da moralidade moderna.

Quais foram os três grandes temas do pensamento cristão a influenciar a moralidade moderna? 

Alternativas:

  • a)

A noção de perdão, de dever é de compromisso para com o próximo.

  • b)

A noção de perdão, a importância da fé e a necessidade da caridade para com o próximo.

  • c)

A construção da individualidade, a ideia do dever e o valor da intenção.

  • d)

O respeito pela dignidade humana, a noção de dever e a questão da intenção.

Essa pergunta já foi respondida!