A maior rede de estudos do Brasil

quais os métodos de desapropriação no direito administrativo?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Paduan Seta Advocacia Verified user icon

Há mais de um mês

Conforme ensinado por José Carvalho Filho, em seu livro Curso de Direito Administrativo, Em primeiro lugar, há a desapropriação ordinária, que está prevista no art. 5º, XXIX, da Constituição Federal. Ela é utilizada em caso de necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro.

Também na Constituição Federal há a previsão da desapropriação urbanística sancionatória, conforme art. 182, § 4º, III, da Constituição Federal. Ela é uma forma de penalidade aquele proprietário de solo urbano que não atenda a exigência de promover adequado aproveitamento de sua propriedade.

No art. 184, da Constituição Federal, há a previsão da desapropriação rural, que incide sobre imóveis rurais para fins de reforma agrária.

Por fim, no art. 243 da Constituição Federal está prevista a desapropriação confiscatória, que não há indenização, diferentemente dos modelos acima citados, pelo motivo de haver, na propriedade, culturas ilegais de plantas psicotrópicas ou a exploração de trabalho escravo.

Conforme ensinado por José Carvalho Filho, em seu livro Curso de Direito Administrativo, Em primeiro lugar, há a desapropriação ordinária, que está prevista no art. 5º, XXIX, da Constituição Federal. Ela é utilizada em caso de necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, mediante justa e prévia indenização em dinheiro.

Também na Constituição Federal há a previsão da desapropriação urbanística sancionatória, conforme art. 182, § 4º, III, da Constituição Federal. Ela é uma forma de penalidade aquele proprietário de solo urbano que não atenda a exigência de promover adequado aproveitamento de sua propriedade.

No art. 184, da Constituição Federal, há a previsão da desapropriação rural, que incide sobre imóveis rurais para fins de reforma agrária.

Por fim, no art. 243 da Constituição Federal está prevista a desapropriação confiscatória, que não há indenização, diferentemente dos modelos acima citados, pelo motivo de haver, na propriedade, culturas ilegais de plantas psicotrópicas ou a exploração de trabalho escravo.

User badge image

michael

Há mais de um mês

Desapropriação. De desapropriar (tirar a propriedade), indica o “procedimento administrativo pelo qual o Poder Público ou o delegatário autorizado visa alcançar a transferência compulsória da propriedade de outrem, fundado em declaração de utilidade pública ou interesse social, mediante pagamento de indenização”, cf. NOHARA, Irene Patrícia. Direito Administrativo. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012. p. 720.

A desapropriação não é encontrada no Direito Romano devido à noção que se tinha de propriedade, como um direito, em geral, incontrastável. No entanto, na Idade Média, elaborou-se a teoria do domínio eminente do soberano, pela qual se justificava a obrigatoriedade da entrega de bens particulares, sem caráter prévio nem indenização, caso a vontade do dirigente assim determinasse (Cretella Júnior, 1998: 145).

Este caráter arbitrário da desapropriação foi modificado a partir da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1791), que prescreve em seu art. 17: ‘‘Sendo a propriedade um direito inviolável e sagrado, ninguém pode ser privado dela, a não ser quando a necessidade pública, legalmente constatada, o exija, de modo evidente, e sob a condição de indenização prévia e justa’’.

Atualmente, ela ganhou feições de instrumento de que se utiliza o Estado para remover obstáculos à execução de obras e serviços públicos, para propiciar a implantação de planos de urbanização, para preservar o meio ambiente, bem como que para realizar justiça social feita com a distribuição de bens inadequadamente utilizados pela iniciativa privada (MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1998. p. 486).

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas