PETIÇÃO PRONTA?

Seja bem-vindo a mais uma seção, querido (a) aluno (a)! Preparado para mais um desafio? Vamos dar continuidade ao processo que iniciamos na seção passada. Você terá a oportunidade de conhecer e elaborar mais uma peça processual utilizando seus conhecimentos de Direito Constitucional e Direito Processual. Curioso? Vamos saber então qual a nova situação fática que você terá que solucionar. Na seção anterior o Promotor de Justiça Luiz ajuizou uma Ação Civil Pública com visando a criação de vagas para o ensino fundamental de um município do interior paulista. Foi requerida tutela de urgência em razão de as crianças não terem acesso à escola e correrem o risco de perderem o ano letivo. Contudo, o magistrado indeferiu a tutela liminar fundamentando a sua decisão no fato de o direito à educação ser um direito social e, por isso, teria natureza de norma programática não cabendo ao judiciário interferir na Administração Pública para concretizar tais direitos. O Ministério Público foi pessoalmente intimado da decisão em 4 de setembro de 2017. Lembremos que o Ministério Público, Defensoria Pública e as Procuradorias dos Entes Públicos, o prazo para manifestação é o dobro, 30 dias úteis após a intimação pessoal. Lembremos também que por se tratar de direitos envolvendo crianças e adolescentes deve ser aplicado o Princípio da prioridade absoluta, previsto no artigo 227 da Constituição, vamos conferir?

#npj
Disciplina:Direito Constitucional I1.519 materiais

1 resposta(s)

  • Gowlly

    Essa pergunta já foi respondida, cadastre-se para visualizar as respostas

Carregar mais