Pagamos muito ou pouco imposto no Brasil? Alguns argumentam que economias em desenvolvimento não podem ter carga

Pagamos muito ou pouco imposto no Brasil?

Alguns argumentam que economias em desenvolvimento não podem ter carga tributária equivalente à de economias desenvolvidas, em parte porque a informalidade elevada típica de países mais pobres faz com que o setor formal acabe enfrentando alíquotas proibitivas para sustentar a média alta. Outros defendem que com uma demanda por serviços públicos tão grande, é preciso encontrar meios de financiar mais gastos sociais, especialmente tributando os mais ricos. Seja qual for sua crença, há distorções no sistema tributário cuja correção deveria ser consensual, e a discussão sobre o tamanho do Estado ¿ ainda que importante ¿ acaba eclipsando esse debate.

A pergunta colocada no título deste artigo é mais informativa ao precisarmos o sujeito oculto da frase, e é fácil verificar que alguns pagam muito e outros, pouco. A carga tributária no Brasil é concentrada desproporcionalmente em impostos sobre o consumo, que afetam mais os mais pobres; e a miríade de regras, exceções, categorias, etc. gera desigualdades custosas financeiramente e em termos de crescimento econômico. Ambos esses pontos são extremamente relevantes, mas me concentrarei em um terceiro: uma série de práticas que seletivamente reduzem os tributos de grupos privilegiados, gerando injustiças e bagunçando ainda mais o setor produtivo. Combatê-las reduziria injustiças, elevaria a produtividade da economia e ajudaria no processo de ajuste fiscal.

Fonte: https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2018/Pagamos-muito-ou-pouco-imposto-no-Brasil
 

O assunto tratado na matéria acima é polêmico, diz respeito às condições de vida da população, ao problema das desigualdades sociais e envolve aspectos ligados aos tipos de tributos, que podem ser progressivos, fixos ou regressivos. Assinale a alternativa que define corretamente alguns desses tipos.

 
   

maior cobrança dos que têm menor renda e menor cobrança dos que têm menor renda, no caso do progressivo; maior cobrança dos que têm menor renda e menor cobrança dos que têm maior renda, no caso do fixo

   

maior cobrança dos que têm menor renda e menor cobrança dos que têm maior renda, no caso do fixo; maior cobrança de quem ganha menos e menor de quem ganha mais, no caso do regressivo; maior cobrança dos que têm mais renda e menor de quem tem menos, no caso do progressivo

   

menor cobrança dos que têm mais renda e maior cobrança de quem tem menos, no caso do fixo; maior cobrança de quem ganha menos e menor de quem ganha mais, no caso do regressivo; maior cobrança dos que têm mais renda e menor de quem tem menos, no caso do progressivo.

   

maior cobrança dos que têm mais renda e menor de quem tem menos, no caso do progressivo; maior cobrança de quem ganha menos e menor de quem ganha mais, no caso do regressivo

   

menor cobrança dos que têm mais renda e maior de quem tem menos, no caso do regressivo; maior cobrança dos que têm menor renda e menor cobrança dos que têm maior renda, no caso do fixo

 

 
#ECO, ESTACIO
Disciplina:Economia Política1.519 materiais

1 resposta(s)

  • jose maria

    Essa pergunta já foi respondida, cadastre-se para visualizar as respostas

Carregar mais