A maior rede de estudos do Brasil

Qual a diferença entre recurso de admissibilidade e recurso de mérito?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Carlos Eduardo Ferreira de Souza Verified user icon

Há mais de um mês

Na realidade, se trata de juízo de admissibilidade e juízo de mérito.

No juízo de admissibilidade, será avaliado o preenchimento dos requisitos extrínsecos e intrínsecos pelo recurso interposto pelo recorrente, de modo a viabilizar que o responsável por julgar o recurso ingresse no mérito.

Nos termos do que informa o Curso de Direito Processual Civil de Fredie Didier Jr. (2016), podemos dizer que:

Requisitos intrínsecos:

a) O cabimento é o requisito correspondente à recorribilidade da decisão e a adequação do recurso ao caso concreto (exemplificando, é cabível recurso de apelação em face de sentença, enquanto não cabe recurso em face de despacho, pois é irrecorrível, tampouco cabe apelação de decisão interlocutória, pois é inadequada);

b) Interesse recursal ou interesse de recorrer se refere à utilidade e becessidade do recurso. Basicamente, é o interesse de agir aplicado aos recursos. Assim, para que haja o requisito intrínseco interesse de recorrer é preciso que a impugnação da decisão seja meio que possa levar a um resultado mais vantajoso e que não poderia ser obtido por outro meio, senão pelo recurso. Exemplificando, aquele que obtém êxito em todos os pedidos, sem qualquer vício, não possui interesse recursal.

c) Legitimidade é aquele requisito detido por quem pode recorrer (parte vencida, terceiro prejudicado ou Ministério Público). Exemplificando, um terceiro absolutamente estranho à lide não pode interpor recurso pelo mero sentimento de justiça que eventualmente o acometa.

d) Inexistência de fato impeditivo ou extintivo é o que se chama de requisito negativo de admissibilidade do recurso, pois, se presente, gera inadmissibilidade do recurso. Exemplificando, a transação homologada é ato que impede a interposição de recurso.

Requisitos extrínsecos: dizem respeito ao modo de recorrer e não ao teor em si dos recursos interpostos. Levam em conta requisitos formais externos ao conteúdo do recurso. São eles:

a) Preparo: é o pagamento das custas processuais incidentes sobre determinada espécie de recurso e a respectiva comprovação.

b) Regularidade formal: exigências formais para que o recurso seja admitido (e.g. agravo de instrumento: deve comprovar no juízo de origem que a decisão foi agravada). Lembrando que adotamos o princípio da instrumentalidade das formas, devendo tomar cuidado com formalismo exacerbado.

c) Tempestividade: é a interposição no prazo (regra geral: 15 dias);

Juízo de mérito é aquele que analisa o cerne da questão, a matéria fática e jurídica propriamente debatida nos autos; o direito material posto sub judice

Na realidade, se trata de juízo de admissibilidade e juízo de mérito.

No juízo de admissibilidade, será avaliado o preenchimento dos requisitos extrínsecos e intrínsecos pelo recurso interposto pelo recorrente, de modo a viabilizar que o responsável por julgar o recurso ingresse no mérito.

Nos termos do que informa o Curso de Direito Processual Civil de Fredie Didier Jr. (2016), podemos dizer que:

Requisitos intrínsecos:

a) O cabimento é o requisito correspondente à recorribilidade da decisão e a adequação do recurso ao caso concreto (exemplificando, é cabível recurso de apelação em face de sentença, enquanto não cabe recurso em face de despacho, pois é irrecorrível, tampouco cabe apelação de decisão interlocutória, pois é inadequada);

b) Interesse recursal ou interesse de recorrer se refere à utilidade e becessidade do recurso. Basicamente, é o interesse de agir aplicado aos recursos. Assim, para que haja o requisito intrínseco interesse de recorrer é preciso que a impugnação da decisão seja meio que possa levar a um resultado mais vantajoso e que não poderia ser obtido por outro meio, senão pelo recurso. Exemplificando, aquele que obtém êxito em todos os pedidos, sem qualquer vício, não possui interesse recursal.

c) Legitimidade é aquele requisito detido por quem pode recorrer (parte vencida, terceiro prejudicado ou Ministério Público). Exemplificando, um terceiro absolutamente estranho à lide não pode interpor recurso pelo mero sentimento de justiça que eventualmente o acometa.

d) Inexistência de fato impeditivo ou extintivo é o que se chama de requisito negativo de admissibilidade do recurso, pois, se presente, gera inadmissibilidade do recurso. Exemplificando, a transação homologada é ato que impede a interposição de recurso.

Requisitos extrínsecos: dizem respeito ao modo de recorrer e não ao teor em si dos recursos interpostos. Levam em conta requisitos formais externos ao conteúdo do recurso. São eles:

a) Preparo: é o pagamento das custas processuais incidentes sobre determinada espécie de recurso e a respectiva comprovação.

b) Regularidade formal: exigências formais para que o recurso seja admitido (e.g. agravo de instrumento: deve comprovar no juízo de origem que a decisão foi agravada). Lembrando que adotamos o princípio da instrumentalidade das formas, devendo tomar cuidado com formalismo exacerbado.

c) Tempestividade: é a interposição no prazo (regra geral: 15 dias);

Juízo de mérito é aquele que analisa o cerne da questão, a matéria fática e jurídica propriamente debatida nos autos; o direito material posto sub judice

User badge image

Marcos Micheletti

Há mais de um mês

recurso de admissibilidade e qdo o tribunal reconhece o merito do pedido e merito é qdo o recurso refere-se ao reconhecimento de merito na açao.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas