A maior rede de estudos do Brasil

Filosofia de David Hume

O que significa dizer para Hume que a justiça não tem função na escassez ou abundância?

Filosofia

UNICEUB


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Para responder esta questão vamos precisar de entender um pouco da doutrina empirista de Hume, o papel que a justiça ocupa dentro deste pensamento e, por fim, entender qual seu papel.
Hume é um filósofo empirista e isto quer dizer que ele acredita que todo nosso conhecimento provém de experiências sensíveis. Neste sentido, a justiça não é um valor real para Hume, mas artificial. Para ele não existe a justiça, mas ações justas que formam um senso de justiça na mente de cada um dos indivíduos.
Deste modo, o que é justo não existe sempre do mesmo jeito, é algo subjetivo, e assim, tem suas características ligadas às experiências de cada um. Quando pensamos em um contexto de muita fartura ou escassez, a justiça perde este valor abstrato, de uma justiça única, porque depende inteiramente do que é importante e útil naquela situação.
Quando não estamos num meio termo, o que indica o que é justo ou injusto são os valores de cada ação ou experiência. Numa situação de escassez, por exemplo, a justiça não faz sentido porque é muito mais importante sobreviver, ou seja, comendo e se preservando, do que ser justo. Em um cenário de fartura, com todas as pessoas possuindo tudo o que elas quisessem, mais uma vez a justiça não seria necessária, pois todos teriam tudo.
Portanto, só podemos falar de justiça, na visão de Hume, quando é necessário regrar a sociedade, fazendo com que ela seja mais adequada para se viver. Neste sentido, a justiça está intimamente ligada a utilidade social, ou seja, uma sociedade precisa de justiça para se manter.
Para responder esta questão vamos precisar de entender um pouco da doutrina empirista de Hume, o papel que a justiça ocupa dentro deste pensamento e, por fim, entender qual seu papel.
Hume é um filósofo empirista e isto quer dizer que ele acredita que todo nosso conhecimento provém de experiências sensíveis. Neste sentido, a justiça não é um valor real para Hume, mas artificial. Para ele não existe a justiça, mas ações justas que formam um senso de justiça na mente de cada um dos indivíduos.
Deste modo, o que é justo não existe sempre do mesmo jeito, é algo subjetivo, e assim, tem suas características ligadas às experiências de cada um. Quando pensamos em um contexto de muita fartura ou escassez, a justiça perde este valor abstrato, de uma justiça única, porque depende inteiramente do que é importante e útil naquela situação.
Quando não estamos num meio termo, o que indica o que é justo ou injusto são os valores de cada ação ou experiência. Numa situação de escassez, por exemplo, a justiça não faz sentido porque é muito mais importante sobreviver, ou seja, comendo e se preservando, do que ser justo. Em um cenário de fartura, com todas as pessoas possuindo tudo o que elas quisessem, mais uma vez a justiça não seria necessária, pois todos teriam tudo.
Portanto, só podemos falar de justiça, na visão de Hume, quando é necessário regrar a sociedade, fazendo com que ela seja mais adequada para se viver. Neste sentido, a justiça está intimamente ligada a utilidade social, ou seja, uma sociedade precisa de justiça para se manter.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas