A maior rede de estudos do Brasil

Como eram vistas as sociedades não europeias com as quais os europeus entraram em contato a partir do neocolonialismo no século XIX? Justifique.


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Para responder esta pergunta vamos expor brevemente o contexto do neocolonialismo do século XIX, quais seus objetivos e como as novas sociedades eram vistas. Com o avanço da industrialização da Europa e dos Estados Unidos, durante o século XIX houveram muitas tentativas de expandir o território que estes países dominavam. Esta expansão era necessária porque estes países precisavam de novos mercados assim como novas fontes de matéria prima para continuar a se desenvolver. Além disso, novos territórios seriam interessantes para escoar a população da Europa, que crescia muito naquele tempo.Neste sentido, várias partes da África e da Ásia foram exploradas, principalmente aquelas partes mais próximas das fronteiras europeias. Estas regiões foram colonizadas, já que os países europeus impunham seus costumes, tradições e religiões aos povos que eles dominavam. Assim, o contato dos povos europeus com os povos asiáticos e africanos teve caráter de imposição cultural violenta, já que estava em vigor o pensamento de Hebert Spencer, que entendia que todas as sociedades deveriam progredir até chegarem ao nível da sociedade europeia, o que chamamos de darwinismo social. Portanto, por meio desta corrente de pensamento, os povos europeus que colonizavam povos asiáticos eafricanos entendiam que eles possuiam uma cultura primitiva, atrasada e até infantil. E, assim, achavam que era necessário impor suas próprias culturas, que eram tidas como desenvolvidas.
Para responder esta pergunta vamos expor brevemente o contexto do neocolonialismo do século XIX, quais seus objetivos e como as novas sociedades eram vistas. Com o avanço da industrialização da Europa e dos Estados Unidos, durante o século XIX houveram muitas tentativas de expandir o território que estes países dominavam. Esta expansão era necessária porque estes países precisavam de novos mercados assim como novas fontes de matéria prima para continuar a se desenvolver. Além disso, novos territórios seriam interessantes para escoar a população da Europa, que crescia muito naquele tempo.Neste sentido, várias partes da África e da Ásia foram exploradas, principalmente aquelas partes mais próximas das fronteiras europeias. Estas regiões foram colonizadas, já que os países europeus impunham seus costumes, tradições e religiões aos povos que eles dominavam. Assim, o contato dos povos europeus com os povos asiáticos e africanos teve caráter de imposição cultural violenta, já que estava em vigor o pensamento de Hebert Spencer, que entendia que todas as sociedades deveriam progredir até chegarem ao nível da sociedade europeia, o que chamamos de darwinismo social. Portanto, por meio desta corrente de pensamento, os povos europeus que colonizavam povos asiáticos eafricanos entendiam que eles possuiam uma cultura primitiva, atrasada e até infantil. E, assim, achavam que era necessário impor suas próprias culturas, que eram tidas como desenvolvidas.
User badge image

Estudante PD

Há mais de um mês

As sociedades não-europeias eram vistas como bárbaras, incultas, incivilizadas. Como sociedades inferiores, compostas por homens e mulheres inferiores e que necessitavam da "ajuda" dos povos europeus, que as "ajudariam" ajudando a desenvolver a infraestrutura física e ideológica destas sociedades, explorando, em troca, seus recursos naturais e humanos. 

Isto é facilmente perceptível na história do continente africano, onde muitos países foram tornados colônias no século XIX e suas populações foram extremamente exploradas, como no caso do Congo, explorado pela Bélgica na época do reinado de Leopoldo II.  

Lá conduzia-se um processo de extração da borracha, e os congoleses eram obrigados à trabalhar diversas horas diárias na extração da borracha sob a ameaça de terem suas esposas e filhos mutilados ou mortos caso não atingissem a cota. 

"Em troca", a Bélgica "deu" aos congoleses a língua francesa e um sistema de infraestrutura (desenhado para garantir o transporte da borracha).

 


 

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas