A maior rede de estudos do Brasil

O que acontece no núcleo interfásico para a formação o câncer?

Biologia

FIP


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

b>Mutações genéticas se acumulam ao longo do tempo como resultado de eventos independentes. Consequentemente, o caminho para o câncer envolve várias etapas. De fato, muitos cientistas vêem a progressão do câncer como um processo microevolutivo.
Para entender o que isso significa, considere o seguinte: quando uma mutação dá a uma célula de câncer uma vantagem de crescimento, ela pode produzir mais cópias de si do que uma célula normal - e seus descendentes podem superar suas contrapartes não cancerosas na competição por recursos. Mais tarde, uma segunda mutação pode fornecer à célula cancerosa ainda outra vantagem reprodutiva, o que, por sua vez, intensifica ainda mais sua vantagem competitiva. E, se os pontos de checagem forem perdidos ou os genes de reparo forem danificados, então a taxa de acúmulo de dano aumenta ainda mais. Esse processo continua a cada nova mutação que oferece tais benefícios, e é uma força motriz na evolução dos seres vivos - não apenas das células cancerígenas.
Durante os estágios iniciais do câncer, os tumores geralmente são benignos e permanecem confinados dentro dos limites normais de um tecido. No entanto, à medida que os tumores crescem e se tornam malignos , eles ganham a capacidade de romper esses limites e invadir os tecidos adjacentes. Células cancerosas invasivas geralmente secretam proteases que lhes permitem degradar a matriz extracelular no limite de um tecido. Proteases também dão às células cancerígenas a capacidade de criar novas passagens nos tecidos. Por exemplo, eles podem dividir as junções que unem as células, obtendo acesso a novos territórios.
b>Mutações genéticas se acumulam ao longo do tempo como resultado de eventos independentes. Consequentemente, o caminho para o câncer envolve várias etapas. De fato, muitos cientistas vêem a progressão do câncer como um processo microevolutivo.
Para entender o que isso significa, considere o seguinte: quando uma mutação dá a uma célula de câncer uma vantagem de crescimento, ela pode produzir mais cópias de si do que uma célula normal - e seus descendentes podem superar suas contrapartes não cancerosas na competição por recursos. Mais tarde, uma segunda mutação pode fornecer à célula cancerosa ainda outra vantagem reprodutiva, o que, por sua vez, intensifica ainda mais sua vantagem competitiva. E, se os pontos de checagem forem perdidos ou os genes de reparo forem danificados, então a taxa de acúmulo de dano aumenta ainda mais. Esse processo continua a cada nova mutação que oferece tais benefícios, e é uma força motriz na evolução dos seres vivos - não apenas das células cancerígenas.
Durante os estágios iniciais do câncer, os tumores geralmente são benignos e permanecem confinados dentro dos limites normais de um tecido. No entanto, à medida que os tumores crescem e se tornam malignos , eles ganham a capacidade de romper esses limites e invadir os tecidos adjacentes. Células cancerosas invasivas geralmente secretam proteases que lhes permitem degradar a matriz extracelular no limite de um tecido. Proteases também dão às células cancerígenas a capacidade de criar novas passagens nos tecidos. Por exemplo, eles podem dividir as junções que unem as células, obtendo acesso a novos territórios.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas