A maior rede de estudos do Brasil

explique o que defende a teoria da endossimbiose

Biologia

UNIFACS


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Leilane Lopes Verified user icon

Há mais de um mês

A teoria da endossimbiose postula que algumas organelas citoplasmáticas atuais, como as mitocôndrias e os cloroplastos, eram originalmente bactérias, que foram englobadas, mas não digeridas, por outras bactérias, trocaram material genético, conferindo assim capacidades melhores a essas bactérias, assim como pode ter sido o gatilho para a evolução da membrana nuclear. Alguns fatores auxiliam na confirmação dessa teoria, como a presença de dois tipos de membranas, tanto na mitocôndria, quanto no cloroplasto, sendo que a membrana externa neles, se assemelha a membrana de um lisossomos. 

A teoria da endossimbiose postula que algumas organelas citoplasmáticas atuais, como as mitocôndrias e os cloroplastos, eram originalmente bactérias, que foram englobadas, mas não digeridas, por outras bactérias, trocaram material genético, conferindo assim capacidades melhores a essas bactérias, assim como pode ter sido o gatilho para a evolução da membrana nuclear. Alguns fatores auxiliam na confirmação dessa teoria, como a presença de dois tipos de membranas, tanto na mitocôndria, quanto no cloroplasto, sendo que a membrana externa neles, se assemelha a membrana de um lisossomos. 

User badge image

Julia Benevenuto

Há mais de um mês

Teoria da Endossimbiose, também conhecida como Endossimbiose Sequencial, proposta por Lynn Margulis, propõe que organelos ou organóides, que compõem as células eucariontes tenham surgido como consequência de uma associação simbiótica estável entre organismos. Mais especificamente, esta teoria postula que os cloroplastos e as mitocôndrias (organelos celulares) dos organismos eucariontes (com um verdadeiro núcleo celular) têm origem num procarionte autotrófico – provavelmente um antepassado das cianobactéria atuais - que viveu em simbiose dentro de outro organismo, também unicelular, mas provavelmente de maiores dimensões, obtendo assim proteção e fornecendo ao hospedeiro a energia fornecida pela fotossíntese.

A principal implicação deste modelo é a de que os eucariotas são, com efeito, quimeras produzidas pela combinação de diversos genomas de procariontes (pelo menos, de uma archaea e uma bactéria).

Esta teoria é apoiada por várias semelhanças estruturais e genéticas como, por exemplo, os cloroplastos primários das plantas conterem clorofila b e os das algas vermelhas e glaucophyta conterem ficobilinas. Por outro lado, a análise do genoma de alguns destes organelos mostra a sua origem de outros organismos. Outros tipos de algas possuem cloroplastos que provavelmente têm origem numa endossimbiose secundária (como as atuais zooxantelas simbiontes dos corais) ou por ingestão dum organismo com aqueles organelos.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas