A maior rede de estudos do Brasil

Por que os macrolídios são bacteriostáticos, enquanto alguns antibióticos, como as quinolonas e os aminoglicosídios, são bactericidas?

Farmacologia I

UNINASSAU ARACAJU


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Os macrolídeos agem se ligando a uma determinada parte do RNA ribossomal, o que interfere na elongação da cadeia peptídica e na síntese de proteínas bacterianas. Dessa forma, eles impedem que as bactérias se proliferem, sendo bacteriostáticos.

Os aminoglicosídeos também se ligam a uma parte do RNA, bloqueando a síntese de proteínas. As quinolonas inibem uma enzima bacteriana do DNA. Ambas essas ações desencadeiam na morte da bactéria, sendo eles agentes bactericidas.

Portanto, o que difere a ação dos macrolídeos e dos aminoglicosídeos e quinolonas é o fato de o primeiro apenas impedir a proliferação das bactérias, enquanto os outros dois as matam.

Os macrolídeos agem se ligando a uma determinada parte do RNA ribossomal, o que interfere na elongação da cadeia peptídica e na síntese de proteínas bacterianas. Dessa forma, eles impedem que as bactérias se proliferem, sendo bacteriostáticos.

Os aminoglicosídeos também se ligam a uma parte do RNA, bloqueando a síntese de proteínas. As quinolonas inibem uma enzima bacteriana do DNA. Ambas essas ações desencadeiam na morte da bactéria, sendo eles agentes bactericidas.

Portanto, o que difere a ação dos macrolídeos e dos aminoglicosídeos e quinolonas é o fato de o primeiro apenas impedir a proliferação das bactérias, enquanto os outros dois as matam.

User badge image

Luana Coelho

Há mais de um mês

Porque os macrolídios atuam como inibidores da síntese de proteínas bacterianas. Os quinolonas Possuem atividade bactericida, matando os alvos bacterianos. Atuam inibindo a ação das subunidades “A” da DNA-girase ou topoisomerase II, enzima que atua na divisão celular, sendo responsável pela divisão da cadeia de DNA. A inibição da enzima faz com que as extremidades da molécula de DNA fiquem livres, acarretando em um síntese descontrolada de RNA mensageiro e proteínas, culminando na morte bacteriana.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas