A maior rede de estudos do Brasil

Como ocorre o processo de Amelogenese ?

Embriologia

FAESF/UNEF


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Primeiramente, temos que a amelogênese é caracterizada por configurar uma alteração dentária de caráter hereditário que afeta o esmalte. Logo, podemos observar que ela pode afetar de um a todos os dentes das dentições decíduas e permanentes, compreendendo um grupo complicado de condições que mostram alterações de desenvolvimento na estrutura do esmalte, na ausência de uma alteração sistêmica.

Dessa forma, existem pelo menos 14 diferentes subtipos hereditários de amelogênese imperfeita, os quais contêm vários padrões de herança e uma ampla variedade de manifestações clínicas, em que, como prova da natureza complicada do processo, existem vários sistemas de classificação diferentes.

Por fim, temos que o seu processo se dá através de uma fase chamada de morfogenética, a qual ocorre com o inicio do estágio de campânula, nas regiões dos vértices das futuras cúspides ou bordas incisais do dente, com células cuboides, de núcleo grande central ou próximo a lâmina basal, e um citoplasma com ribossomos livres, complexo de Golgi pouco desenvolvido e mitocôndrias esparsas. Logo, essa é considerada uma fase que foi destinada ao desenvolvimento das organelas, na qual as células do epitélio interno do órgão do esmalte param de se dividir, determinando assim a forma da coroa do dente. Logo em seguida vem a fase de diferenciação na qual as células do epitélio interno do esmalte se alongam, alcançando quase o dobro da sua altura original, passando de células cubicas para células cilíndricas, sendo células achatadas que aparecem entre o apitelio interno e o reticulo estrelado levando assim o nome de estrato intermediário onde o núcleo migra pra região próxima ao retículo estrelado e o complexo de Golgi para a extremidade oposta, próxima a papila dentária ; surge também o retículo endoplasmático granular e um citoesqueleto bem desenvolvido com vários microtúbulos.

Primeiramente, temos que a amelogênese é caracterizada por configurar uma alteração dentária de caráter hereditário que afeta o esmalte. Logo, podemos observar que ela pode afetar de um a todos os dentes das dentições decíduas e permanentes, compreendendo um grupo complicado de condições que mostram alterações de desenvolvimento na estrutura do esmalte, na ausência de uma alteração sistêmica.

Dessa forma, existem pelo menos 14 diferentes subtipos hereditários de amelogênese imperfeita, os quais contêm vários padrões de herança e uma ampla variedade de manifestações clínicas, em que, como prova da natureza complicada do processo, existem vários sistemas de classificação diferentes.

Por fim, temos que o seu processo se dá através de uma fase chamada de morfogenética, a qual ocorre com o inicio do estágio de campânula, nas regiões dos vértices das futuras cúspides ou bordas incisais do dente, com células cuboides, de núcleo grande central ou próximo a lâmina basal, e um citoplasma com ribossomos livres, complexo de Golgi pouco desenvolvido e mitocôndrias esparsas. Logo, essa é considerada uma fase que foi destinada ao desenvolvimento das organelas, na qual as células do epitélio interno do órgão do esmalte param de se dividir, determinando assim a forma da coroa do dente. Logo em seguida vem a fase de diferenciação na qual as células do epitélio interno do esmalte se alongam, alcançando quase o dobro da sua altura original, passando de células cubicas para células cilíndricas, sendo células achatadas que aparecem entre o apitelio interno e o reticulo estrelado levando assim o nome de estrato intermediário onde o núcleo migra pra região próxima ao retículo estrelado e o complexo de Golgi para a extremidade oposta, próxima a papila dentária ; surge também o retículo endoplasmático granular e um citoesqueleto bem desenvolvido com vários microtúbulos.

User badge image

Deise Mikaely

Há mais de um mês

A formação do esmalte dentário é um processo biológico complexo, porém bem coordenado e que envolve duas fases: secreção e maturação. O desenvolvimento do esmalte é regulado por células epiteliais, ameloblastos, que expressam um importante conjunto de genes que codificam a produção de proteínas essenciais para a formação desse tecido dentário.

Sabe-se até o presente momento que, durante o estágio de secreção, os ameloblastos sintetizam e secretam proteínas da matriz do esmalte, tais como amelogenina, ameloblastina e enamelina; e da enzima enamelisina, também chamada MMP-20. A deficiência de uma dessas proteínas e/ou enzimas pode levar à má formação dentária, tal como uma hipoplasia do esmalte (amelogênese imperfeita) de diversas magnitudes de severidade. Porém, o mecanismo de como cada uma dessas proteínas exerce a sua função e influencia o processo de mineralização do esmalte dentário ainda permanece obscuro.

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas