A maior rede de estudos do Brasil

Qual é o principal objetivo da ética Utilitarista?

Filosofia

ESTÁCIO


1 resposta(s)

User badge image

luiz henrique gregorio

Há mais de um mês

  1. 1. A Teoria Ética Utilitarista de Jeremy Bentham e Stuart Mill
  2. 2. Definição do Utilitarismo “Por princípio da utilidade, entendemos o princípio segundo o qual toda a ação, qualquer que seja, deve ser aprovada ou rejeitada em função da sua tendência de aumentar ou reduzir o bem-estar das partes afetadas pela ação. (...) Designamos por utilidade a tendência de alguma coisa em alcançar o bem-estar, o bem, o belo, a felicidade, as vantagens, etc. O conceito de utilidade não deve ser reduzido ao sentido corrente de modo de vida com um fim imediato."
  3. 3. O Princípio da Utilidade  Devemos agir de modo a que da nossa ação resulte a maior felicidade ou bem-estar possível para as pessoas por ela afetadas. Uma ação boa é a que é mais útil, ou seja, a que produz mais felicidade global ou, dadas as circunstâncias, menos infelicidade. Quando não é possível produzir felicidade ou prazer devemos tentar reduzir a infelicidade.  O princípio da utilidade é por isso conhecido também como princípio da maior felicidade.
  4. 4. Uma Ética Consequencialista  Considera–se que a ética de Mill é consequencialista porque defende que o valor moral de uma ação depende das suas consequências.  É boa a ação que tem boas consequências ou dadas as circunstâncias melhores consequências do que ações alternativas.  A ação é avaliada pelas suas consequências e o motivo ou a intenção não são decisivos porque se referem ao carácter do agente e não à ação em si mesma.
  5. 5.  Não há ações particularmente boas.  Para o utilitarista, as ações são moralmente corretas ou incorretas conforme as consequências: se promovem imparcialmente o bem-estar, são boas. Só as consequências as tornam boas ou más. Assim sendo, não há, para o utilitarista, deveres que devam ser respeitados em todas as circunstâncias.  Não há deveres morais absolutos.
  6. 6. Uma Teoria Ética Hedonista  Todas as atividades humanas têm um objetivo último, isto é, são meios para uma finalidade que é o ponto de convergência de todas. Esse fim é a chamada felicidade ou bem-estar.  Procuramos em todas as atividades a que nos dedicamos viver experiências aprazíveis e evitar experiências dolorosas ou desagradáveis. Esta perspectiva que identifica a felicidade com o prazer ou o bem-estar tem o nome de hedonismo.
  7. 7. Felicidade Geral e Felicidade Individual  A felicidade de que fala o utilitarismo não é simplesmente a felicidade individual. Mas também não é a felicidade geral à custa da felicidade do agente. A minha felicidade é tão importante como a dos outros envolvidos, nem mais nem menos.  A minha felicidade não conta mais do que a felicidade dos outros.  E quando Mill se refere a outras pessoas não abre exceções para as de que mais gostamos, como familiares e amigos. Devemos ser estritamente imparciais.
  8. 8. O Principio da Utilidade e as Normas Morais Comuns  Que valor têm normas morais como as que proíbem o roubo, o assassinato ou a mentira para um utilitarista como Mill? Uma vez vale outras vezes não?  Nas nossas decisões morais devemos ser guiados pelo princípio de utilidade e não simplesmente pelas normas morais da nossa sociedade. Nos diz como devemos agir para que das nossas ações resultem as melhores consequências possíveis em termos globais.
  9. 9. Os Fins e os Meios  Para Mill, o fim – a felicidade geral – justifica frequentemente os meios. Na teoria utilitarista, há uma prioridade dos fins da ação em relação aos meios.  Para ele, é suficiente que a felicidade produzida com a ação seja superior ao sofrimento eventualmente provocado com a sua realização para que a ação tenha valor moral.  É neste sentido que há uma prioridade dos fins da ação, da maximização da felicidade para o maior número, sobre os meios, mesmo que a ação produza sofrimento a algumas pessoas.
  10. 10. Utilitarismo e Egoísmo  O egoísta é parcial.  Devemos procurar agir de forma a promover unicamente o nosso próprio bem-estar e felicidade.  Esta é para o egoísta ético a única forma moralmente válida de ação.  O utilitarista é imparcial.  Devemos procurar agir de forma a promover a felicidade de todos os que são afetados pela ação (incluindo a felicidade do próprio agente).  A minha ação é correta se promover de forma imparcial (ou seja, sem distinções) os interesses de todas e cada uma das pessoas implicadas pela ação, sendo o interesse de cada pessoa a obtenção da felicidade.

 

  1. 1. A Teoria Ética Utilitarista de Jeremy Bentham e Stuart Mill
  2. 2. Definição do Utilitarismo “Por princípio da utilidade, entendemos o princípio segundo o qual toda a ação, qualquer que seja, deve ser aprovada ou rejeitada em função da sua tendência de aumentar ou reduzir o bem-estar das partes afetadas pela ação. (...) Designamos por utilidade a tendência de alguma coisa em alcançar o bem-estar, o bem, o belo, a felicidade, as vantagens, etc. O conceito de utilidade não deve ser reduzido ao sentido corrente de modo de vida com um fim imediato."
  3. 3. O Princípio da Utilidade  Devemos agir de modo a que da nossa ação resulte a maior felicidade ou bem-estar possível para as pessoas por ela afetadas. Uma ação boa é a que é mais útil, ou seja, a que produz mais felicidade global ou, dadas as circunstâncias, menos infelicidade. Quando não é possível produzir felicidade ou prazer devemos tentar reduzir a infelicidade.  O princípio da utilidade é por isso conhecido também como princípio da maior felicidade.
  4. 4. Uma Ética Consequencialista  Considera–se que a ética de Mill é consequencialista porque defende que o valor moral de uma ação depende das suas consequências.  É boa a ação que tem boas consequências ou dadas as circunstâncias melhores consequências do que ações alternativas.  A ação é avaliada pelas suas consequências e o motivo ou a intenção não são decisivos porque se referem ao carácter do agente e não à ação em si mesma.
  5. 5.  Não há ações particularmente boas.  Para o utilitarista, as ações são moralmente corretas ou incorretas conforme as consequências: se promovem imparcialmente o bem-estar, são boas. Só as consequências as tornam boas ou más. Assim sendo, não há, para o utilitarista, deveres que devam ser respeitados em todas as circunstâncias.  Não há deveres morais absolutos.
  6. 6. Uma Teoria Ética Hedonista  Todas as atividades humanas têm um objetivo último, isto é, são meios para uma finalidade que é o ponto de convergência de todas. Esse fim é a chamada felicidade ou bem-estar.  Procuramos em todas as atividades a que nos dedicamos viver experiências aprazíveis e evitar experiências dolorosas ou desagradáveis. Esta perspectiva que identifica a felicidade com o prazer ou o bem-estar tem o nome de hedonismo.
  7. 7. Felicidade Geral e Felicidade Individual  A felicidade de que fala o utilitarismo não é simplesmente a felicidade individual. Mas também não é a felicidade geral à custa da felicidade do agente. A minha felicidade é tão importante como a dos outros envolvidos, nem mais nem menos.  A minha felicidade não conta mais do que a felicidade dos outros.  E quando Mill se refere a outras pessoas não abre exceções para as de que mais gostamos, como familiares e amigos. Devemos ser estritamente imparciais.
  8. 8. O Principio da Utilidade e as Normas Morais Comuns  Que valor têm normas morais como as que proíbem o roubo, o assassinato ou a mentira para um utilitarista como Mill? Uma vez vale outras vezes não?  Nas nossas decisões morais devemos ser guiados pelo princípio de utilidade e não simplesmente pelas normas morais da nossa sociedade. Nos diz como devemos agir para que das nossas ações resultem as melhores consequências possíveis em termos globais.
  9. 9. Os Fins e os Meios  Para Mill, o fim – a felicidade geral – justifica frequentemente os meios. Na teoria utilitarista, há uma prioridade dos fins da ação em relação aos meios.  Para ele, é suficiente que a felicidade produzida com a ação seja superior ao sofrimento eventualmente provocado com a sua realização para que a ação tenha valor moral.  É neste sentido que há uma prioridade dos fins da ação, da maximização da felicidade para o maior número, sobre os meios, mesmo que a ação produza sofrimento a algumas pessoas.
  10. 10. Utilitarismo e Egoísmo  O egoísta é parcial.  Devemos procurar agir de forma a promover unicamente o nosso próprio bem-estar e felicidade.  Esta é para o egoísta ético a única forma moralmente válida de ação.  O utilitarista é imparcial.  Devemos procurar agir de forma a promover a felicidade de todos os que são afetados pela ação (incluindo a felicidade do próprio agente).  A minha ação é correta se promover de forma imparcial (ou seja, sem distinções) os interesses de todas e cada uma das pessoas implicadas pela ação, sendo o interesse de cada pessoa a obtenção da felicidade.

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes