A maior rede de estudos do Brasil

Quais as restrições da via oral?

Farmacologia I

Biológicas / Saúde


6 resposta(s)

User badge image

Flavia

Há mais de um mês

Desvantagens

  • Irritação gástrica
  • Interação com alimentos
  • Interação com pH gástrico e intestinal
  • Período de latência médio longo
  • Metabolismo de primeira passagem
  • Ação dos sucos digestivos


Desvantagens

  • Irritação gástrica
  • Interação com alimentos
  • Interação com pH gástrico e intestinal
  • Período de latência médio longo
  • Metabolismo de primeira passagem
  • Ação dos sucos digestivos


User badge image

Luis

Há mais de um mês

A via oral é normalmente contraindicada por:


- O medicamento irritar a mucosa gástrica;


- O medicamento interferir na digestão;


- O paciente não poder deglutir.


Considera-se também que o paciente pode apresentar algum quadro cujas características o impedem de ingerir drogas, como patologias do sistema digestivo. São também consideradas desvantagens da via oral:


- a impossibilidade de absorção de alguns agentes por causa de suas características físicas;


- os vômitos em resposta à irritação da mucosa gastrintestinal;


- destruição de alguns agentes por enzimas digestivas ou pelo pH gástrico ácido;


- irregularidades de absorção ou propulsão na presença de alimentos e outros fármacos;


- necessidade de cooperação por parte do paciente.


A administração de drogas via retal, por supositórios, tem como objetivo deixar o fármaco livre do metabolismo de primeira passagem, no fígado, pois a droga entra em vasos que a levam direto à veia cava inferior. Entretanto, muitas vezes, o supositório penetra um pouco mais, entrando em uma região drenada por veias que vão ao fígado e, dessa forma, não evitando o efeito de primeira passagem.


Deve-se ressaltar o desconforto que a via retal pode proporcionar ao paciente. Além disso, a absorção retal costuma ser irregular incompleta e muitos fármacos provocam irritação da mucosa retal.


Desvantagem da administração via pulmonar (inalatória):


- Controle insatisfatório da dose;


- O método de administração;


- Muitos fármacos voláteis e gasosos provocam irritação do epitélio pulmonar.


A via parenteral é amplamente utilizada, como já dito antes, para a obtenção da ação imediata de um medicamento. Além disso, é utilizada a fim de fornecer medicamentos que não podem ser administrados por via oral ou mesmo a pacientes incapacitados de receber medicamentos por tal via. Muitas vezes a droga é impedida de ser administrada pela via parenteral, por suas próprias características, ou pelas condições apresentadas pelo paciente.


Em caso de administração via cutânea, não é recomendada a prescrição de grandes quantidades de drogas. Essas devem ainda ser de fácil absorção e não irritantes do tecido. Para que uma substância possa ser injetada na veia, devem possuir algumas características específicas, como:


- Não ser hemolítica;


- Não ser cáustica;


- Não coagular as albuminas;


- Não produzir embolia ou trombose;


- Não conter pirogênio.


Sobre as condições do paciente, podemos citar:


- A dificuldade de se encontrar veias adequadas à picada;


- A presença de tecidos com muitos hematomas ou mesmo feridos;


- A intensa dor sentida pelo paciente à aplicação, devido a sua doença ou outro motivo.

User badge image

Rogério

Há mais de um mês

Traumatismo buco maxilar

Senilidade difícil deglutição

Cirurgias recentes palato,assoalho da boca

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes