A maior rede de estudos do Brasil

Pergunta sobre direito civil, negócios jurídicos

Em junho de 2012, Dorinha, adolescente de 13 anos, brincava com os amigos Mônica, Cascão e Cebolinha quando Tonhão-Arranca –Toco apareceu querendo arrumar encrenca. A confusão estava armada e todos queria defender-se do fortão, quando ele atinge fortemente o rosto de Dorinha que acabou ficando cega Exatos sete anos depois do ocorrido, em junho de 2019, a vítima propõe ação de indenização por danos morais e estéticos de Tonhão-Arranca-Toco.

Na petição inicial, a autora alegou que sofreu dano moral e estético em razão da lesão requerendo indenização por danos morais e danos estéticos que totalizam R$ 100.000,00

Juntou ainda todas as provas documentais que pretende produzir, inclusive laudo pericial elaborado na época e rol de testemunhas, seus amigos presentes na fatídica confusão, e também Maria Cebolinha, hoje com 15 anos que assistiu a tudo de longe.

Veio a sentença, tendo o juiz entendido pela prescrição da pretensão dentre outros fundamentos.


Responda sucintamente fundamentando com o Código Civil:


a) O laudo pericial é prova cabal? Cabível a oitiva das testemunhas pretendidas? 

b) Procede o entendimento do juiz quanto a prescrição?


1 resposta(s)

User badge image

Antonio

Há mais de um mês

No sistema jurídico brasileiro não há prova tarifada, ou seja, não existem provas de maior ou menor valor, tendo todas elas a mesma carga no processo, devendo o Juiz a valorar em todo o contexto probatório e argumentativo que peso deve dar a essa ou àquela prova. Logo, inexiste prova cabal no sentido de prova obsoluta, mesmo a perícia, que pode ser afastada pelos demais elementos de prova constantes no processo, ao prudente arbítrio do Magistrado.

Considerando também o acima exposto, é cabível a oitiva de testemunhas, sobretudo para demonstrar quem fora o autor da lesão e os efeitos que ela causou na vida da vítima.

A prescrição, de acordo com a atual legislação civil, é cognoscível de ofício, não se fazendo necessária a provocação da parte adversa quanto ao tema, de modo que possível ao Juiz decidir de tal maneira.

No sistema jurídico brasileiro não há prova tarifada, ou seja, não existem provas de maior ou menor valor, tendo todas elas a mesma carga no processo, devendo o Juiz a valorar em todo o contexto probatório e argumentativo que peso deve dar a essa ou àquela prova. Logo, inexiste prova cabal no sentido de prova obsoluta, mesmo a perícia, que pode ser afastada pelos demais elementos de prova constantes no processo, ao prudente arbítrio do Magistrado.

Considerando também o acima exposto, é cabível a oitiva de testemunhas, sobretudo para demonstrar quem fora o autor da lesão e os efeitos que ela causou na vida da vítima.

A prescrição, de acordo com a atual legislação civil, é cognoscível de ofício, não se fazendo necessária a provocação da parte adversa quanto ao tema, de modo que possível ao Juiz decidir de tal maneira.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes