A maior rede de estudos do Brasil

Quais os riscos quimícos existentes no corte e serralheria em uma metalurgica?


1 resposta(s)

User badge image

Júnior Mafra

Há mais de um mês

A serralheria é um setor que se caracteriza bastante pela grande utilização de mão de obra, em decorrência da pouca utilização de tecnologia de ponta. A mão de obra utilizada é, em parte, especializada e possui grandes habilidades manuais, fator que faz uma grande (senão toda) diferença.

Nas serralherias são desenvolvidas diversas atividades, tais como: atividades de escritório, corte de materiais com tesoura, com esmerilhadeira, corte oxi acetileno, solda elétrica, estampagem manual ou através de prensa elétrica, pintura de fundo com zarcão e de acabamento com esmalte, montagem, acabamento, carregamento e descarregamento de materiais.

Dentre as máquinas, as mais comuns são: esmerilhadeira, policorte, esmeril, solda elétrica, etc. Além disso, alguns produtos químicos e radiações não ionizantes também são utilizados, como: zarcão, esmalte, solda elétrica, oxi acetileno, etc.

Então, os trabalhadores desse setor estão constantemente expostos a riscos ocupacionais. E quais seriam esses riscos? Entenda a seta (->) como indicativo de “podendo causar”, ou seja, apresentamos o risco bem como seu potencial efeito sobre o corpo humano.

Riscos Físicos:

Ruído -> Perda auditiva

Riscos Químicos:

Produtos químicos -> Queimaduras, distúrbios respiratórios, leões pulmonares e dores de cabeça.

Riscos Ergonômicos:

Postura inadequada -> Fadiga, redução da destreza manual, lesão por esforço repetitivo e redução da capacidade de trabalho.

Riscos de Acidentes:

Máquinas, ferramentas, equipamentos, piso irregular e instalações elétricas inadequadas. -> Cortes, lesões, escoriações, queda de mesmo nível e de nível diferente, choque elétrico, etc.

E existe alguma forma de prevenir esses riscos? Sim! Vejamos a seguir.

Físico:

  • Realizar a manutenção preventiva das máquinas e equipamentos.
  • Reorganizar a posição das máquinas e equipamentos, afastando-os das paredes, criando a formação de corredores de circulação de som (que devem ter no mínimo 1,20m) e minimizando ruídos.
  • Fixar máquinas e equipamentos no piso, evitando a trepidação.
  • Quando possível, realizar o enclausuramento da máquina ou equipamento, ou utilizar silenciadores.
  • Em último caso, utilizar o EPI adequado para a realização da atividade.

Químico:

  • Substituir a substância tóxica por outra atóxica, ou com menor toxicidade.
  • Ventilação natural nas instalações físicas. Caso não seja possível, a ventilação deve ser do tipo forçada, diluidora (dilui o poluente, tornando sua concentração mais baixa, não sendo, entretanto o sistema mais recomendado) ou exaustora (capta o poluente próximo à fonte de emissão, antes mesmo que ocorra a sua dispersão na atmosfera do ambiente de trabalho, objetivando a proteção da saúde do trabalhador).
  • Isolar as operações que envolvam solda e pintura dos demais setores de produção.
  • A empresa deverá manter informações e controle sobre os produtos tóxicos que utilizar, por meio da Ficha de Informação sobre Segurança do Produto Químico – FISPQ.

Ergonômico:

  • Organizar as bancadas de modo que todos os instrumentos a serem utilizados estejam próximos ao alcance das mãos do trabalhador.
  • Evitar que o trabalhador, ao executar sua tarefa, fique curvado ou que seus braços fiquem acima da altura dos ombros.
  • Evitar que o transporte de cargas seja manual e que o peso possa comprometer a saúde, evitando esforços lombares e desnecessários ao trabalhador.

Acidentes:

  • Arranjo físico adequado das máquinas e equipamentos.
  • Sinalização adequada.
  • Manutenção das ferramentas, máquinas e equipamentos.

Seguindo essas determinações, é possível trabalhar com segurança na serralheria, prevenindo que o trabalhador sofra algum acidente diante dos riscos encontrados no local de trabalho!

A serralheria é um setor que se caracteriza bastante pela grande utilização de mão de obra, em decorrência da pouca utilização de tecnologia de ponta. A mão de obra utilizada é, em parte, especializada e possui grandes habilidades manuais, fator que faz uma grande (senão toda) diferença.

Nas serralherias são desenvolvidas diversas atividades, tais como: atividades de escritório, corte de materiais com tesoura, com esmerilhadeira, corte oxi acetileno, solda elétrica, estampagem manual ou através de prensa elétrica, pintura de fundo com zarcão e de acabamento com esmalte, montagem, acabamento, carregamento e descarregamento de materiais.

Dentre as máquinas, as mais comuns são: esmerilhadeira, policorte, esmeril, solda elétrica, etc. Além disso, alguns produtos químicos e radiações não ionizantes também são utilizados, como: zarcão, esmalte, solda elétrica, oxi acetileno, etc.

Então, os trabalhadores desse setor estão constantemente expostos a riscos ocupacionais. E quais seriam esses riscos? Entenda a seta (->) como indicativo de “podendo causar”, ou seja, apresentamos o risco bem como seu potencial efeito sobre o corpo humano.

Riscos Físicos:

Ruído -> Perda auditiva

Riscos Químicos:

Produtos químicos -> Queimaduras, distúrbios respiratórios, leões pulmonares e dores de cabeça.

Riscos Ergonômicos:

Postura inadequada -> Fadiga, redução da destreza manual, lesão por esforço repetitivo e redução da capacidade de trabalho.

Riscos de Acidentes:

Máquinas, ferramentas, equipamentos, piso irregular e instalações elétricas inadequadas. -> Cortes, lesões, escoriações, queda de mesmo nível e de nível diferente, choque elétrico, etc.

E existe alguma forma de prevenir esses riscos? Sim! Vejamos a seguir.

Físico:

  • Realizar a manutenção preventiva das máquinas e equipamentos.
  • Reorganizar a posição das máquinas e equipamentos, afastando-os das paredes, criando a formação de corredores de circulação de som (que devem ter no mínimo 1,20m) e minimizando ruídos.
  • Fixar máquinas e equipamentos no piso, evitando a trepidação.
  • Quando possível, realizar o enclausuramento da máquina ou equipamento, ou utilizar silenciadores.
  • Em último caso, utilizar o EPI adequado para a realização da atividade.

Químico:

  • Substituir a substância tóxica por outra atóxica, ou com menor toxicidade.
  • Ventilação natural nas instalações físicas. Caso não seja possível, a ventilação deve ser do tipo forçada, diluidora (dilui o poluente, tornando sua concentração mais baixa, não sendo, entretanto o sistema mais recomendado) ou exaustora (capta o poluente próximo à fonte de emissão, antes mesmo que ocorra a sua dispersão na atmosfera do ambiente de trabalho, objetivando a proteção da saúde do trabalhador).
  • Isolar as operações que envolvam solda e pintura dos demais setores de produção.
  • A empresa deverá manter informações e controle sobre os produtos tóxicos que utilizar, por meio da Ficha de Informação sobre Segurança do Produto Químico – FISPQ.

Ergonômico:

  • Organizar as bancadas de modo que todos os instrumentos a serem utilizados estejam próximos ao alcance das mãos do trabalhador.
  • Evitar que o trabalhador, ao executar sua tarefa, fique curvado ou que seus braços fiquem acima da altura dos ombros.
  • Evitar que o transporte de cargas seja manual e que o peso possa comprometer a saúde, evitando esforços lombares e desnecessários ao trabalhador.

Acidentes:

  • Arranjo físico adequado das máquinas e equipamentos.
  • Sinalização adequada.
  • Manutenção das ferramentas, máquinas e equipamentos.

Seguindo essas determinações, é possível trabalhar com segurança na serralheria, prevenindo que o trabalhador sofra algum acidente diante dos riscos encontrados no local de trabalho!

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes