A maior rede de estudos do Brasil

A importância do coaching na atualidade.


6 resposta(s)

User badge image

Juliana Oliveira Brunetto

Há mais de um mês

O coaching é uma ferramenta de promoção de mudança pessoal e profissional. É fundamental que o cliente tenha uma demanda a ser trabalhada para que haja engajamento e resultados no processo. Quem hoje em dia não tem questões para desenvolver ou lapidar? Especialmente diante das mudanças trazidas com a pandemia. Pode-se observar que todo processo de mudança trás consigo resistências inerentes que podem ser superadas com um processo de coaching, por exemplo. Eu acredito muita na máxima de que todo mundo tem a capacidade de mudar, mas ninguém muda sozinho.

O coaching é uma ferramenta de promoção de mudança pessoal e profissional. É fundamental que o cliente tenha uma demanda a ser trabalhada para que haja engajamento e resultados no processo. Quem hoje em dia não tem questões para desenvolver ou lapidar? Especialmente diante das mudanças trazidas com a pandemia. Pode-se observar que todo processo de mudança trás consigo resistências inerentes que podem ser superadas com um processo de coaching, por exemplo. Eu acredito muita na máxima de que todo mundo tem a capacidade de mudar, mas ninguém muda sozinho.

User badge image

Camila Nascimento

Há mais de um mês

No âmbito das organizações observa-se a importância da inteligência emocional (IE),

conhecimento este que auxilia ao indivíduo lidar com seus sentimentos, emoções e tomadas

de decisão, trazendo confiança ao indivíduo. Este estudo busca identificar como os estudantes

da universidade La Salle observam a relevância de obter Inteligência emocional no

desenvolvimento de sua carreira. Qual a influência da inteligência emocional na carreira e no

desenvolvimento pessoal, como as organizações enxergam este profissional, e como o (IE)

auxilia um profissional nas tomadas de decisão diante das adversidades no ambiente

organizacional. Tendo em vista que que o desenvolvimento destas habilidades corrobora para

uma carreira estável, considera-se necessário investigar este tema diante do senário

universitário.


Palavras-chave: Inteligência emocional. Habilidades emocionais. Emoções. Liderança.

Desenvolvimento de carreira.


1 INTRODUÇÃO

O atual cenário do mercado de trabalho vem passando por uma mudança de

comportamento gradativo dentre os profissionais. Esta mudança, vem sendo averiguada e

pesquisada em diversas universidades pelo Brasil e pelo mundo, buscando conhecer os fatores

que influenciam a escolha dentre os profissionais disponíveis em um processo de

recrutamento de uma vaga de emprego a ser preenchida.

Com a necessidade das empresas em serem mais assertivas nas escolhas de seus

funcionários, surgem as empresas especializadas em desenvolvimento profissional. Na

atualidade o desenvolvimento pessoal e profissional, acabam sendo fatores decisivos nas

escolhas de preenchimentos das vagas disponíveis no mercado, o que faz com que cada dia

mais os profissionais em busca de uma posição no mercado recorram a treinamentos focados

em Inteligência Emocional para o desenvolvimento profissional.

O desequilíbrio emocional diante de sua vida profissional e pessoal, são os fatores

preponderantes, que na atualidade são trabalhados e desenvolvidos com as atividades que

Contribuem diretamente no autoconhecimento pessoal e profissional do indivíduo, fazendo

com que amplie suas tomadas de decisão, com impactos positivos na carreira.

O fato de desenvolver o conhecimento íntimo e emocional de cada indivíduo, faz com

que as probabilidades de um indivíduo se tornar bem-sucedido sejam maiores, não vinculado

a um fator genético, mas sim comportamental, atribuído ao conhecimento e estudo das

emoções.


2

Aplicar as emoções com conhecimento e treinamento são atribuições que o processo de

estudo atribui aos profissionais em formação que se submetem a este tipo de técnica. Portanto,

o temperamento não é destino, mas sim autoconhecimento

O IE se obtém através de um conjunto de métodos aplicados para aprimorar a

personificação, desenvolver autoconfiança, ensinar o indivíduo a lidar com os principais

desafios da rotina, ou até mesmo avaliações comportamentais rotineiras, são os principais

obstáculos enfrentados pelos profissionais que buscam com inúmeras técnicas para aprimorar

sua identidade. Muitas pessoas estão adquirindo conhecimento do que se trata, quais as

melhores formas de aplicação e os efeitos esperados com este conjunto de técnicas.


O autocontrole é o componente da inteligência emocional que faz com

que uma pessoa não seja "refém" dos próprios sentimentos. Segundo

Goleman, este "atributo" é importante para os líderes pois uma pessoa

que está no controle de seus sentimentos e impulsos é mais capaz de

criar um ambiente de confiança e equidade, e de acompanhar as

mudanças. Além disso, o autocontrole aumenta a integridade.

(DANIEL GOLEMAN 2016).


Devido à grande procura por parte dos clientes e grande interesse de explorar esta

área da parte dos profissionais, este assunto está em grande destaque, tanto nas mídias,

oferecendo este serviço com fácil acesso, quanto nas empresas recomendado aos seus

colaboradores que estejam buscando este aperfeiçoamento.

Empresas que demonstram interesse em profissionais com maior capacidade de

liderança, mediação de conflitos e capazes de tomar decisões com maior segurança, estão

identificando bons resultados, com a aplicação deste conjunto de técnicas voltadas

diretamente ao colaborador. O aperfeiçoamento de todas as áreas traz autoconfiança,

equilíbrio emocional diante de tomadas de decisão mediante a pressão, compreensão,

avaliação das oportunidades, outros fatores que no dia-a-dia surgem e nos confrontam com as

mais diversas questões (WEISINGER, 1997)

Através dos processos estabelecidos no conjunto de ferramentas utilizados para o

desenvolvimento de (IE) pode ser direcionada a formação profissional, assim contribuindo

para que o aluno universitário seja já introduzido já nos primórdios de sua formação, fazendo

com que sua capacidade de desenvolvimento de técnicas seja um fator determinante para seu

currículo em formação.

2 REFERENCIAL TEÓRICO

2.1 Inteligência

O Conceito de inteligência emocional vem sendo explorada dês de o início do século

XX, Oliveira-Castro (2001) demonstram que estudiosos do âmbito da Psicologia procuram

conceituar a inteligência de diversas maneiras: (a) características biológicas (características

metabólicas, hormonais e nervosas); (b) decomposição de tarefas complexas em componentes

cognitivos: (c) traços latentes (de natureza psicométrica). Ressaltando que são de natureza

complementares uma da outra, podendo serem somadas.

No início das pesquisas sobre inteligência, eram analisados aspectos cognitivos tais

como: memória e capacidade de resolução de problemas. Com o avanço das pesquisas em

neurociência, observou-se que Aspectos não cognitivos como afetos e emoções, são


3

importantes para a inteligência. Segundo Mayer: Salovey (1997) Foram divididos pela

psicologia três fatos influenciadores da mente: A cognição (pensamento), o afeto (incluindo

emoções) e a motivação. Assim deram surgimento os estudos sobre a inteligência emocional.

2.2 Inteligência emocional

A (IE) teve como início em seu conceito em 1900 com a separação da inteligência e das

emoções, sendo estudado de formas diferentes. Segundo, (Mayer, 2001). 1900-1969: os

estudos sobre inteligência levam aos testes de medição da mesma, tendo o início dos estudos

de quem surgiu primeiro. Nos estudos de inteligência e emoções, começasse a estudar como

as emoções interagem com os pensamentos.

Foram identificados estímulos da criatividade associado a estados depressivos, por se

tratarem de pessoas aparentemente mais realistas que as demais, iniciaram-se estudos sobre

percepção não verbal, alguns levando para o lado das emoções. Iniciou-se estudos de Gardner

(1983), multiplicidade de inteligências, chamada de “Inteligência interpessoal”.

Em, 1990-1993: O surgimento da Inteligência Emocional. Neste curto espaço de tempo,

Mayer & Salovey iniciaram suas publicações sobre “Inteligência Emocional”. Em 1994-

1997: surge a popularização da Inteligência Emocional e várias novas formas de se medi-la, o

termo IE após a publicação de seu livro “Inteligência Emocional”. Goleman, 1999, definiu IE

com sendo “ a capacidade de identificar nossos próprios sentimentos e os dos outros, de

motivar a nós mesmos e de gerenciar bem as emoções dentro de nós e em nossos

relacionamentos.” (Goleman, 2001, p. 337).


As características da IE no contexto organizacional é baseada numa

escala de cinco componentes está intimamente ligada à definição de

‘caráter’, a seguir a escala: • Auto percepção incluem autoconfiança e

consciência das emoções e saber compreender e manejar nossas

próprias emoções de modo a saber o comportamento correto diante de

cada situação; • Auto regulação incluem autocontrole, utilizar nossas

emoções de forma que favoreçam o dia-a-dia, é não permitir que

reações inadequadas atrapalhem o bom andamento de nossas vidas. •

Motivação é ser perseverante diante de situações que possam nos causar

frustração, é utilizar nossos desejos para nos alavancar em direção aos

nossos objetivos. • Empatia é criar conexões afetivas com um número

grande de pessoas, é perceber seus anseios e utilizá-los de forma

favorável para cultivar a sintonia com o maior número de indivíduos

possível. • Habilidades sociais é a capacidade de compreender as redes

sociais, interagindo com facilidade, ser capaz de liderar as situações, ser

um bom negociador, ter habilidades com equipes e grupos e facilidade

para solucionar divergências. (Goleman, 2001, p. 337).


Fernandez-Araóz (1997) em um estudo com executivos latinos americanos apesar de

possuírem um alto QI e grande conhecimento especializado, fracassaram, comprovando que a

falta das habilidades emocionais são o fator pelo fracasso desses administradores,

comportamentos como: arrogância, falta de flexibilidade, inabilidade para lidar com equipes e

grupos e supervalorização da capacidade intelectual.


4


A IE é a capacidade de perceber, avaliar e expressar emoções com

precisão; a capacidade de acessar e/ou gerar sentimentos quando estes

facilitam o pensamento; a capacidade de entender as emoções e o

conhecimento emocional e a capacidade de regular emoções para

promover o crescimento emocional e intelectual”. (Mayer & Salovey

1997).


A IE é separada em quatro grandes grupos de habilidades:

 Capacidade: Avaliação diante das emoções. Identificar e expressar emoções

percebidas pela fisionomia, ou atitudes corporais, sentimentos e até mesmo em

pensamentos.

 Assimilação: Situações no dia-a-dia do indivíduo que despertam emoções, seus

pensamentos, ativando as memórias de situações já vividas, lugares, sabores e etc.

 Entendimento: Atitude correta a ser tomada após a sensação das emoções, ativadas

pelo medo, felicidade e raiva.

 Administração das emoções: Avaliação e tomada de decisão diante das atitudes

próprias e alheias. Em uma mediação de conflitos, a pessoa com IE, consegue fazer

uma avaliação correta da situação para encontrar uma melhor opção de resolução

Define-se como inteligência o conjunto de habilidades, competências e técnicas

que vão representar a coleção de conhecimento necessário ao indivíduo para

efetivamente estar à altura de lidar com a vida. Emocional é utilizado para enfatizar

que esse tipo de inteligência é diferente da cognitiva. Juntamente com o QI pode-se

prover uma avaliação mais precisa sobre a inteligência geral do indivíduo.

2.3 Inteligência emocional como processo inovador de desenvolvimento de pessoas nas

organizações

As características de personalidade são funções que acompanham o indivíduo desde o

nascimento, sendo atribuído a uma questão neural, cada indivíduo reage em sua personalidade

de acordo com uma série de fatores influenciadores, todos eles em conjunto formam a

personalidade.

A personalidade é analisada e avaliada ao passar dos anos, sendo estudada e obtendo a

percepção de que são formas com que nosso cérebro reage ao ambiente. Estes fatores que

influenciam a personalidade não são fatores que possuem a característica irreversível.

Através de estudos e técnicas, foi avaliado que com um trabalho específico é possível

alterar este conjunto de características individuais, assim direcionando as técnicas para fazer

com que um indivíduo tímido aprenda a lidar com a dificuldade de falar em público, ou

indivíduo pessimista, aprenda a focar nas probabilidades de uma ação ser bem-sucedida.

Segundo krausz (2007 p. 27) com a aprendizagem de saber direcionar para cada

personalidade o caminho correto a se seguir e a análise feita em cada indivíduo é possível

prever e controlar as ações imaturas que nosso cérebro recebe, com o treinamento é possível

receber esta informação e fazer a interpretação com a instrução de análise, direcionando qual

a melhor solução para a escolha da melhor atitude.

Com esta observação surgiu a necessidade de fatores motivacionais, e com elas a forma

de aplicar essa motivação nos funcionários, trabalho em equipe ou individuais.


5

Com o passar dos anos, as emoções estão sendo vistas como fatores influenciadores de

produtividade, surgindo a necessidade de aprendizagem de como subtrair a reação certa de

cada emoção considerada primitiva, sem aprimoramento e filtragem do que se sente.

A possibilidade de uma criança retraída se manter retraída não é válida, com o

autoconhecimento e a inteligência emocional aplicada é possível haver a transformação em

uma pessoa confiante de engajada em seus objetivos.

Os padrões emocionais aprendidos podem ser mudados, porque temperamento não é

destino.

O contexto de mercado, altamente competitivo e instável, acaba tendo um forte impacto

no papel e nas funções do gestor (RUAS; BECKER, 2007). De acordo com Bittencourt

(2004), o treinamento tradicional não é mais uma forma de passar aprendizagem, as empresas

estão mais exigentes, não apenas bastam mais o conhecimento técnico como antes, mas a

estabilidade emocional, para com que o profissional se torne mais completo.

De acordo com o desenvolvimento, foi constatado os efeitos e objetivos alcançados após

o desenvolvimento emocional, trazendo equilíbrio, autoconfiança e desenvolvimento de

tomada de decisão em ambiguidade, o que trouxe uma melhor avaliação ao colaborador

avaliado.

Na avaliação pós o conjunto de ferramentas aplicadas a (IE) foi constatado a melhora na

vida pessoal dos entrevistados, trazendo satisfação pessoal, melhoria na compreensão das

informações (ouvir e dar feedback), foram os principais pontos destacados pelos gestores,

sendo percebido o desenvolvimento de novas habilidades em diversas áreas.

A capacidade de gerenciar pessoas está associada ao sucesso de uma organização.

A habilidade de gerenciamento interpessoal, provam serem os fatores determinantes para o

desenvolvimento de um trabalho eficaz, dentro das organizações. Um gestor com poder maior

de articulação e desenvolvimento de inteligência destacam-se com melhores rendimentos.

O desenvolvimento de IE passou a ser o fator determinante no crescimento de muitas

organizações, (Wetthen & Cameron, 1983). Estudos demonstram que IE é ingrediente

fundamental, deste sucesso, observa-se na maioria dos casos ser até duas vezes mais

importante do que outras habilidades ao desenvolver a capacidade e rendimento de gerentes e

administradores (Goleman, 1998). Sendo apontado em vários estudos que a IE está

relacionada ao sucesso de gerentes e administradores por estar baseada no conceito de

gerenciamento do relacionamento com os outros. Mayer, Salovey e Caruso (2000),

apontaram-se em pesquisas que (IE) que maior quantidade de acertos foram tomadas por eles.

3 MÉTODO

Este estudo será baseado em uma pesquisa quantitativa, de caráter exploratório, por

meio de uma pesquisa Survey. Neste capítulo, pretende-se demonstrar os procedimentos

metodológicos do tipo de pesquisa utilizado. Será abordado também os critérios para a

construção do universo de estudo, o método de coleta de dados, a forma de tratamento desses

dados e, por fim, as limitações do método escolhido.

A pesquisa será realizada de natureza quantitativa, pois terá o objetivo de identificar a

compreensão junto aos alunos do curso de processos Gerenciais da Universidade La Salle,

com viés quantitativo.


Pesquisa quantitativa: considera que tudo pode ser

quantificável, o que significa traduzir em números opiniões e

informações para classificá-las e analisá-las. Requer o uso de

recursos e de técnicas estatísticas (percentagem, média, moda,


6

mediana, desvio-padrão, coeficiente de correlação, análise de

regressão etc.). (PRODANOV, FREITAS, 2013, p. 69).

A aplicação será através de questionário estruturado com vinte perguntas direcionadas

expressamente aos estudantes do curso de Processos gerenciais dentro da Universidade La

Salle. Primeiramente, serão selecionadas dez pessoas para realização de um pré-teste, onde se

dará a análise quanto à formulação das perguntas. Diante do resultado positivo de

entendimento das questões a serem abordadas, em 27/11/2018, se deu o início do envio para o

público alvo, pessoas da região metropolitana de Porto Alegre, via e-mail, WhatsApp, e

demais aplicativos com o objetivo de obter o número de respostas dos estudantes do curso.

Com o objetivo proporcionar uma maior compreensão dos dados obtidos será utilizado a

pesquisa exploratória, com a análise de dados secundários, para assim obtermos uma maior

variedade e compreensão dos dados obtidos.


Pesquisa exploratória é quando a pesquisa se encontra na fase

preliminar, tem como finalidade proporcionar mais informações

sobre o assunto que vamos investigar, possibilitando sua

definição e seu delineamento, isto é, facilitar a delimitação do

tema da pesquisa; orientar a fixação dos objetivos e a

formulação das hipóteses ou descobrir um novo tipo de enfoque

para o assunto. Assume, em geral, as formas de pesquisas

bibliográficas e estudos de caso. (PRODANOV e FREITAS,

2013, p. 51-52).


A pesquisa de levantamento será a utilidade para confirmar ou negar informações

obtidas na pesquisa, extraindo as informações das amostragens.


Existem dois tipos de levantamento que são por amostra de uma

população, também conhecido como Censo e o tipo survey

tendo sua obtenção dos dados sobre as características ou

opiniões de determinado grupo de pessoas utilizando de

instrumentos de pesquisa, bem comum o questionário.

(FONSECA, 2002)


Através de survey será aplicado através de questionário, perguntas que tenham a

obtenção de dados dos alunos do curso de Processos Gerenciais da Universidade La Salle,

seus conhecimentos sobre (IE) e sua visão do mercado de trabalho sobre profissionais com o

conhecimento desta técnica.

4 ANÁLISE DOS DADOS

Nessa seção são analisados os resultados da pesquisa de forma a atender o

objetivo de pesquisa de analisar a percepção sobre a importância da inteligência emocional,

dos alunos dos cursos de gestão da universidade La Salle

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Criado em 02 de agosto de 1976, o Centro Educacional La Salle de Ensino Superior, no

início dos anos 1990, sua transformação em universidade, tendo sido encaminhada ao

Ministério da Educação, em 29 de maio de 1992. Ao mesmo tempo, foram tomadas


7

iniciativas de incentivo à pesquisa e à extensão, bem como à expansão da oferta de cursos de

graduação e pós-graduação (site La Salle).

Através de um processo que teve início no ano de 2013, obteve seu tão almejado título

de universidade. Possui um espaço de 54 mil metros quadrados de infraestrutura moderna,

biblioteca com o que há de mais tecnológico no cenário universitário. Conta com uma lista

vasta de cursos entre eles sua grande maioria focados na área de gestão e negócio. A

universidade vem se destacando pelo trabalho desenvolvido nestas áreas, recebendo

reconhecimento e preferência dos alunos, que priorizam a escolha pela repercussão no cenário

acadêmico, o que contribui para que seus alunos possam desenvolver dentro da própria

universidade novos aprimoramentos a serem explorados e inseridos para a contribuição da

formação destes estudantes.

Com redução dos cursos da área de Gestão oferecidos pela universidade La Salle, surge

a oportunidade de desenvolvimento deste presente estudo dentro da instituição, aliando a alta

procura desta nova ferramenta que está se fazendo disponível, abrindo uma oportunidade de

estudo, para que se contextualize a oportunidade de implantação desta ferramenta que se faz

mostra requisitada no mercado, assim sendo uma oportunidade de desenvolvimento dentro da

universidade, atribuindo formação e conhecimento junto aos estudantes das áreas de gestão .

Diante destas informações a proposta do projeto de pesquisa se volta aos alunos que estão

sendo inseridos ou já estejam no mercado de trabalho.

Com o aumento das necessidades de profissionais com diferencial de mercado, o fator

influenciador nas escolhas destes profissionais, faz com que cada vez mais seja requisitado o

conhecimento de como obter este aperfeiçoamento. Neste sentido surge o seguinte

questionamento: Qual a compreensão dos estudantes da Universidade La Salle do curso de

processos gerenciais, sobre o acompanhamento no desenvolvimento de Inteligência

emocional voltada para o ambiente organizacional?

Este presente estudo demonstra uma necessidade de autoconhecimento dos profissionais

dentro das empresas nos dias atuais, com baseamento em um cenário cada vez mais

competitivo, as empresas estão recorrendo a profissionais não somente treinados, mas com

capacidade de desenvolver seu principal fator decisório. Profissionais com a capacidade de

agir sob pressão, mediadores de conflitos, estáveis, confiantes e que se adaptam facilmente

em novos ambientes com facilidade, são os destaques no mercado de trabalho.

Com base nestas informações surge a proposta de agregar a universidade La Salle a

possibilidade de desenvolver uma pesquisa junto aos alunos dos cursos de gestão, sobre o

aperfeiçoamento Profissional e Pessoal com ênfase em Inteligência emocional, trazendo a

abordagem das informações que estes alunos possuem sobre este tema,

O trabalho de desenvolvimento de Inteligência emocional voltado à formação profissional é

considerado tendência de mercado, proporciona desenvolvimento sustentável para

empreendimentos de um país, por que não agregar esta técnica aos cursos de gestão?


Bibliográfica

BITENCOURT, C. C. A gestão de competências gerenciais e a contribuição da aprendizagem

organizacional. RAE, v. 44, n. 1, 2004.

CURY, Augusto. O código da inteligência. Rio de Janeiro. Editora GMT Editores LTDA.

2015.


8

GARDNER, Howard. Inteligência, um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Editora

Objetiva LTDA, 2001.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5º ed. São Paulo. Editora Atlas,

2010.

27

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional, a teoria revolucionária que redefine o que é ser

inteligente. Rio de Janeiro. Editora Objetiva. 2012.

GOLEMAN, Daniel. Liderança, a inteligência emocional na formação do líder de sucesso. 1º

ed. Rio de Janeiro. Editora Objetiva. 2015.

KRAUSZ, R. R. Coaching executivo: a conquista da liderança. São Paulo: Nobel, 2007.

User badge image

CURTINDO A VIDA LUIZ & DAY

Há mais de um mês

O maior benefício do Coaching é a conquista de resultados extraordinários em qualquer contexto, tanto pessoal quanto profissional. ... Mais que um conjunto de conhecimentos, técnicas e ferramentas, Coaching é uma filosofia de vida, uma decisão, um modo de ser, viver, pensar e gerir pessoas de forma eficaz

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes