A maior rede de estudos do Brasil

Me ajuda

PERGUNTA 1


  1. Leia a seguinte ementa de um julgado do Supremo Tribunal Federal (STF..
  2.  
  3. BRASIL. Supremo Tribunal Federal (1. Turma.. Recurso Extraordinário 1.214.919 AgR-segundo/RS . DIREITO TRIBUTÁRIO. SEGUNDO AGRAVO INTERNO EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO. REINTEGRA. MAJORAÇÃO INDIRETA DO TRIBUTO., OBSERVÂNCIA DO PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE GERAL E NONAGESIMAL. PRECEDENTES. ACÓRDÃO RECORRIDO EM CONFORMIDADE COM A JURISPRUDÊNCIA DO STF. 1. Conforme consignado na decisão agravada, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal fixou entendimento no sentido de que não só a majoração direta de tributos atrai a aplicação do princípio da anterioridade, mas também a majoração indireta decorrente de revogação de benefícios fiscais. Precedentes. 2. Inaplicável o art. 85, § 11, do CPC/2015, uma vez que não é cabível, na hipótese, condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº 12.016/2009 e Súmula 512/STF.. 3. Agravo interno a que se nega provimento, com aplicação da multa prevista no art. 1.021, § 4º, do CPC/2015. Relator: Min. Roberto Barroso, 27 de setembro de 2019. Disponível em: https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/sjur412845/false . Acesso em: 3 jul. 2020.
  4.  
  5. Diante disso, avalie as alternativas e assinale a correta em relação ao princípio da anterioridade.
  6. A norma tributária (criadora ou aumentadora da respectiva carga. não pode incidir sobre fatos ocorridos antes de tal norma entrar em vigorÉ legítima a cobrança do tributo que houver sido aumentado após o orçamento, mas antes do início do respectivo exercício financeiro.Fatos geradores anteriores à lei que os instituiu ou aumentou são vedados de cobrança por esse princípio.Define que o contribuinte não apenas não seja tributado por fatos pretéritos, mas que tenha um prazo para se adaptar ao novo momento.Tem assento para leis interpretativas e leis punitivas mais benéficas ao contribuinte.
  7.  

1 pontos  

PERGUNTA 2


  1. A hipótese de incidência é um ato típico previsto em lei que, praticado pelo contribuinte indicado nessa lei, produz o fato tributário concreto, imponível ou jurígeno.
  2.  
  3. Diante disso, avalie as proposições a seguir.
  4.  
  5. I – São casos de não incidência: imunidade e pura e simples.
  6. II – A isenção é quando não há o pagamento do tributo por determinação legal.
  7. III – Alíquota zero é o caso de imunidade, já que ocorre o fato gerador, mas não há cobrança.
  8. IV – Todos os fatos que não possibilitam gerar tributos compõem a situação de não incidência tributária.
  9.  
  10. Qual(is. delas estão corretas?
  11. I, III e IV.II.
  12.  I, II e IV.I, II e III.II e III.

1 pontos  

PERGUNTA 3


  1. A vigência da lei que institui ou aumenta determinado tributo deve ficar protraída para o ano seguinte ao de sua publicação, momento em que o ato se insere no contexto comunicacional do direito. CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário 30. ed. São o Paulo: Saraiva Educação, 2019, p. 219.
  2.  
  3. Qual é o princípio tratado no trecho?
  4. Princípio da anterioridade.Princípio da anterioridade nonagesimal.Princípio da isonomia.Princípio do não confisco.
  5. Princípio da legalidade.

1 pontos  

PERGUNTA 4


  1. A transação em matéria tributária é um ato administrativo em que deverá ser observado o art. 171 do Código Tributário Nacional (CTN..
  2.  Art. 171. A lei pode facultar, nas condições que estabeleça, aos sujeitos ativo e passivo da obrigação tributária celebrar transação que, mediante concessões mútuas, importe em determinação de litígio e consequente extinção de crédito tributário”. BRASIL. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 . Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Brasília, DF: Presidência da República, [2013]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5172.htm. Acesso em: 15 maio 2020.
  3.  
  4. Avalie os itens a seguir com base nesse dispositivo legal.
  5.  
  6. I – Há necessidade de propositura de ação para esse fim, já que basta a impugnação do auto de infração pelo contribuinte.
  7. II – A transação prevê concessões mútuas entre o Fisco e o contribuinte, um exemplo seria a renúncia de possíveis direitos relativos ao tributo.
  8. III – A transação não poderá envolver a repetição de indébito tributário, excetuando quando há autorização legal.
  9. IV – No direito tributário existe a figura da transação preventiva, que permite a realização de acordos sem ser instaurado o processo administrativo competente.
  10.  
  11. Quais deles estão corretos?
  12. II e III.I, II e III.I e III.III e IV.
  13.  
  14. Título: Princípios tributáriosI e IV.

1 pontos  

PERGUNTA 5


  1. Segundo o art. 150, VI, da CF/88, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir impostos sobre:
  2. “a. patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros;
  3. b. templos de qualquer culto;
  4. c. patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;
  5. d. livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão;
  6. e. fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham, salvo na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.” BRASIL. [Constituição (1988.]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 . Brasília, DF: Presidência da República, [2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm . Acesso em: 15 maio 2020.
  7.  
  8. A Constituição, ao definir tal dispositivo, dispõe sobre qual instituto?
  9. Princípio da irretroatividade.Capacidade tributária.Princípio do não confisco.
  10.  Imunidade tributária.Princípio da isonomia.

1 pontos  

PERGUNTA 6


  1. A Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966, que institui o Código Tributário Nacional (CTN., assim estatui, em seu art. 7º:

  2. “Art. 7º. A competência tributária é indelegável, salvo atribuição das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou de executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária, conferida por uma pessoa jurídica de direito público a outra, nos termos do § 3º do artigo 18 da Constituição”. [DT14]  BRASIL. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 . Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Brasília, DF: Presidência da República, [2013]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5172.htm. Acesso em: 15 maio 2020.
  3.  
  4. Avalie as proposições abaixo, com base no referido art. 7º.
  5.  
  6. I – Constitui delegação de competência o cometimento, a pessoas de direito privado, do encargo ou da função de arrecadar tributos.
  7. II – A Constituição Federal não cria tributos, apenas outorga competência para que os entes federados o façam.
  8. III – A competência tributária sintetiza quatro atribuições: instituir, arrecadar, fiscalizar e executar as atividades tributárias.
  9. IV – A competência tributária respalda ações relativas a: arrecadar, fiscalizar e executar as atividades tributárias.
  10.  
  11. É correto afirmar que:
  12. II e III.I e IV.I.I, II e III.IV.

1 pontos  

PERGUNTA 7


  1. A imunidade é uma limitação ao poder de tributar de um ente federado, prevista no art. 150, VI, a da Constituição Federal de 1988. Todavia, para gozar dessa imunidade, as entidades da administração pública deverão cumprir determinadas regras.
  2.  
  3. Diante disso, analise as assertivas a seguir em relação à imunidade.
  4.  
  5. I – Restringe propriedade, bens e serviços utilizados à satisfação dos objetivos institucionais.
  6. II – Deve beneficiar atividades de exploração econômica, destinada ao aumento do seu patrimônio.
  7. III – Permite a quebra dos princípios da livre concorrência e do exercício profissional.
  8. IV – É a qualidade da situação que não pode ser tributada em razão de normas infraconstitucionais.
  9.  
  10. Está correto o que se afirma em qual(is. delas?
  11. IV.I e IV.I.I, II e III.II e III.

1 pontos  

PERGUNTA 8


  1. O princípio da não surpresa garante a segurança jurídica entre o contribuinte e o Fisco. Ele é observado dentre os princípios que privilegiam o contribuinte em relação à cobrança dos tributos.
  2.  
  3. Quais princípios se relacionam com a não surpresa e a garantem?
  4. Princípio da isonomia, legalidade e da anterioridade nonagesimal ou noventena.
  5.  Princípio da anterioridade e da anterioridade nonagesimal ou noventena.Princípio da irretroatividade e da anterioridade.Irretroatividade da lei, anterioridade e anterioridade nonagesimal ou noventena.Princípio da legalidade e da anterioridade.

1 pontos  

PERGUNTA 9


  1. Entre os meios de solução amigável está a arbitragem, que visa solucionar pendências entre o Fisco e o contribuinte sem auxílio do Poder Judiciário, em relação a determinados direitos patrimoniais, que podem ser transacionados livremente.
  2.  
  3. Diante disso, avalie os itens a seguir.
  4.  
  5. I – Na arbitragem, há intervenção de uma terceira pessoa, o juízo arbitral.
  6. II – Somente direitos patrimoniais disponíveis podem ser objeto de arbitragem no Brasil.
  7. III – O Supremo Tribunal Federal (STF. entende que há legalidade do juízo arbitral, inclusive nas causas contra a Fazenda Pública, desde que respeitadas a Constituição Federal e a legislação tributária em vigor.
  8. IV – A arbitragem é o negócio jurídico em que as partes, mediante concessões mútuas, encerram litígios.
  9.  
  10. Quais das afirmativas estão corretas?
  11. I, II e III.II, III e IV.I e III.I, II e IV.III e IV.
  12.  

1 pontos  

PERGUNTA 10


  1. Existem vários tipos de conflitos, entre os quais estão os de tipo objetivo, que atinge bens ou encargos necessários; comportamental, que diz respeito à conduta dos sujeitos; e anímico ou motivacional, que se refere à função de valores de justiça.
  2.  
  3. Analise as assertivas a seguir, com relação aos aspectos que abrangem os conflitos instaurados entre a administração tributária e os contribuintes.
  4.  
  5. I – Atos denegatórios de solicitação à restituição ou compensação de tributo.
  6. II – O não reconhecimento de benefícios, ou pedidos de parcelamentos não aceitos.
  7. III – Respostas insuficientes expedidas ao final do procedimento de consulta.
  8. IV – Problemas com atos administrativos de lançamento e autos de infração, entre outros.
  9.  
  10. É correto o que se afirma em quais proposições?
  11. I, II, III e IV.I, II e IV.II, III e IV.I e III.I, II e III.

1 pontos  

PERGUNTA 1


  1. Leia a seguinte ementa de um julgado do Supremo Tribunal Federal (STF..
  2.  
  3. BRASIL. Supremo Tribunal Federal (1. Turma.. Recurso Extraordinário 1.214.919 AgR-segundo/RS . DIREITO TRIBUTÁRIO. SEGUNDO AGRAVO INTERNO EM RECURSO EXTRAORDINÁRIO. REINTEGRA. MAJORAÇÃO INDIRETA DO TRIBUTO., OBSERVÂNCIA DO PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE GERAL E NONAGESIMAL. PRECEDENTES. ACÓRDÃO RECORRIDO EM CONFORMIDADE COM A JURISPRUDÊNCIA DO STF. 1. Conforme consignado na decisão agravada, a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal fixou entendimento no sentido de que não só a majoração direta de tributos atrai a aplicação do princípio da anterioridade, mas também a majoração indireta decorrente de revogação de benefícios fiscais. Precedentes. 2. Inaplicável o art. 85, § 11, do CPC/2015, uma vez que não é cabível, na hipótese, condenação em honorários advocatícios (art. 25 da Lei nº 12.016/2009 e Súmula 512/STF.. 3. Agravo interno a que se nega provimento, com aplicação da multa prevista no art. 1.021, § 4º, do CPC/2015. Relator: Min. Roberto Barroso, 27 de setembro de 2019. Disponível em: https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/sjur412845/false . Acesso em: 3 jul. 2020.
  4.  
  5. Diante disso, avalie as alternativas e assinale a correta em relação ao princípio da anterioridade.
  6. A norma tributária (criadora ou aumentadora da respectiva carga. não pode incidir sobre fatos ocorridos antes de tal norma entrar em vigorÉ legítima a cobrança do tributo que houver sido aumentado após o orçamento, mas antes do início do respectivo exercício financeiro.Fatos geradores anteriores à lei que os instituiu ou aumentou são vedados de cobrança por esse princípio.Define que o contribuinte não apenas não seja tributado por fatos pretéritos, mas que tenha um prazo para se adaptar ao novo momento.Tem assento para leis interpretativas e leis punitivas mais benéficas ao contribuinte.
  7.  

1 pontos  

PERGUNTA 2


  1. A hipótese de incidência é um ato típico previsto em lei que, praticado pelo contribuinte indicado nessa lei, produz o fato tributário concreto, imponível ou jurígeno.
  2.  
  3. Diante disso, avalie as proposições a seguir.
  4.  
  5. I – São casos de não incidência: imunidade e pura e simples.
  6. II – A isenção é quando não há o pagamento do tributo por determinação legal.
  7. III – Alíquota zero é o caso de imunidade, já que ocorre o fato gerador, mas não há cobrança.
  8. IV – Todos os fatos que não possibilitam gerar tributos compõem a situação de não incidência tributária.
  9.  
  10. Qual(is. delas estão corretas?
  11. I, III e IV.II.
  12.  I, II e IV.I, II e III.II e III.

1 pontos  

PERGUNTA 3


  1. A vigência da lei que institui ou aumenta determinado tributo deve ficar protraída para o ano seguinte ao de sua publicação, momento em que o ato se insere no contexto comunicacional do direito. CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário 30. ed. São o Paulo: Saraiva Educação, 2019, p. 219.
  2.  
  3. Qual é o princípio tratado no trecho?
  4. Princípio da anterioridade.Princípio da anterioridade nonagesimal.Princípio da isonomia.Princípio do não confisco.
  5. Princípio da legalidade.

1 pontos  

PERGUNTA 4


  1. A transação em matéria tributária é um ato administrativo em que deverá ser observado o art. 171 do Código Tributário Nacional (CTN..
  2.  Art. 171. A lei pode facultar, nas condições que estabeleça, aos sujeitos ativo e passivo da obrigação tributária celebrar transação que, mediante concessões mútuas, importe em determinação de litígio e consequente extinção de crédito tributário”. BRASIL. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 . Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Brasília, DF: Presidência da República, [2013]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5172.htm. Acesso em: 15 maio 2020.
  3.  
  4. Avalie os itens a seguir com base nesse dispositivo legal.
  5.  
  6. I – Há necessidade de propositura de ação para esse fim, já que basta a impugnação do auto de infração pelo contribuinte.
  7. II – A transação prevê concessões mútuas entre o Fisco e o contribuinte, um exemplo seria a renúncia de possíveis direitos relativos ao tributo.
  8. III – A transação não poderá envolver a repetição de indébito tributário, excetuando quando há autorização legal.
  9. IV – No direito tributário existe a figura da transação preventiva, que permite a realização de acordos sem ser instaurado o processo administrativo competente.
  10.  
  11. Quais deles estão corretos?
  12. II e III.I, II e III.I e III.III e IV.
  13.  
  14. Título: Princípios tributáriosI e IV.

1 pontos  

PERGUNTA 5


  1. Segundo o art. 150, VI, da CF/88, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir impostos sobre:
  2. “a. patrimônio, renda ou serviços, uns dos outros;
  3. b. templos de qualquer culto;
  4. c. patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, inclusive suas fundações, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei;
  5. d. livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão;
  6. e. fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham, salvo na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.” BRASIL. [Constituição (1988.]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 . Brasília, DF: Presidência da República, [2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm . Acesso em: 15 maio 2020.
  7.  
  8. A Constituição, ao definir tal dispositivo, dispõe sobre qual instituto?
  9. Princípio da irretroatividade.Capacidade tributária.Princípio do não confisco.
  10.  Imunidade tributária.Princípio da isonomia.

1 pontos  

PERGUNTA 6


  1. A Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966, que institui o Código Tributário Nacional (CTN., assim estatui, em seu art. 7º:

  2. “Art. 7º. A competência tributária é indelegável, salvo atribuição das funções de arrecadar ou fiscalizar tributos, ou de executar leis, serviços, atos ou decisões administrativas em matéria tributária, conferida por uma pessoa jurídica de direito público a outra, nos termos do § 3º do artigo 18 da Constituição”. [DT14]  BRASIL. Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966 . Dispõe sobre o Sistema Tributário Nacional e institui normas gerais de direito tributário aplicáveis à União, Estados e Municípios. Brasília, DF: Presidência da República, [2013]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5172.htm. Acesso em: 15 maio 2020.
  3.  
  4. Avalie as proposições abaixo, com base no referido art. 7º.
  5.  
  6. I – Constitui delegação de competência o cometimento, a pessoas de direito privado, do encargo ou da função de arrecadar tributos.
  7. II – A Constituição Federal não cria tributos, apenas outorga competência para que os entes federados o façam.
  8. III – A competência tributária sintetiza quatro atribuições: instituir, arrecadar, fiscalizar e executar as atividades tributárias.
  9. IV – A competência tributária respalda ações relativas a: arrecadar, fiscalizar e executar as atividades tributárias.
  10.  
  11. É correto afirmar que:
  12. II e III.I e IV.I.I, II e III.IV.

1 pontos  

PERGUNTA 7


  1. A imunidade é uma limitação ao poder de tributar de um ente federado, prevista no art. 150, VI, a da Constituição Federal de 1988. Todavia, para gozar dessa imunidade, as entidades da administração pública deverão cumprir determinadas regras.
  2.  
  3. Diante disso, analise as assertivas a seguir em relação à imunidade.
  4.  
  5. I – Restringe propriedade, bens e serviços utilizados à satisfação dos objetivos institucionais.
  6. II – Deve beneficiar atividades de exploração econômica, destinada ao aumento do seu patrimônio.
  7. III – Permite a quebra dos princípios da livre concorrência e do exercício profissional.
  8. IV – É a qualidade da situação que não pode ser tributada em razão de normas infraconstitucionais.
  9.  
  10. Está correto o que se afirma em qual(is. delas?
  11. IV.I e IV.I.I, II e III.II e III.

1 pontos  

PERGUNTA 8


  1. O princípio da não surpresa garante a segurança jurídica entre o contribuinte e o Fisco. Ele é observado dentre os princípios que privilegiam o contribuinte em relação à cobrança dos tributos.
  2.  
  3. Quais princípios se relacionam com a não surpresa e a garantem?
  4. Princípio da isonomia, legalidade e da anterioridade nonagesimal ou noventena.
  5.  Princípio da anterioridade e da anterioridade nonagesimal ou noventena.Princípio da irretroatividade e da anterioridade.Irretroatividade da lei, anterioridade e anterioridade nonagesimal ou noventena.Princípio da legalidade e da anterioridade.

1 pontos  

PERGUNTA 9


  1. Entre os meios de solução amigável está a arbitragem, que visa solucionar pendências entre o Fisco e o contribuinte sem auxílio do Poder Judiciário, em relação a determinados direitos patrimoniais, que podem ser transacionados livremente.
  2.  
  3. Diante disso, avalie os itens a seguir.
  4.  
  5. I – Na arbitragem, há intervenção de uma terceira pessoa, o juízo arbitral.
  6. II – Somente direitos patrimoniais disponíveis podem ser objeto de arbitragem no Brasil.
  7. III – O Supremo Tribunal Federal (STF. entende que há legalidade do juízo arbitral, inclusive nas causas contra a Fazenda Pública, desde que respeitadas a Constituição Federal e a legislação tributária em vigor.
  8. IV – A arbitragem é o negócio jurídico em que as partes, mediante concessões mútuas, encerram litígios.
  9.  
  10. Quais das afirmativas estão corretas?
  11. I, II e III.II, III e IV.I e III.I, II e IV.III e IV.
  12.  

1 pontos  

PERGUNTA 10


  1. Existem vários tipos de conflitos, entre os quais estão os de tipo objetivo, que atinge bens ou encargos necessários; comportamental, que diz respeito à conduta dos sujeitos; e anímico ou motivacional, que se refere à função de valores de justiça.
  2.  
  3. Analise as assertivas a seguir, com relação aos aspectos que abrangem os conflitos instaurados entre a administração tributária e os contribuintes.
  4.  
  5. I – Atos denegatórios de solicitação à restituição ou compensação de tributo.
  6. II – O não reconhecimento de benefícios, ou pedidos de parcelamentos não aceitos.
  7. III – Respostas insuficientes expedidas ao final do procedimento de consulta.
  8. IV – Problemas com atos administrativos de lançamento e autos de infração, entre outros.
  9.  
  10. É correto o que se afirma em quais proposições?
  11. I, II, III e IV.I, II e IV.II, III e IV.I e III.I, II e III.

1 pontos  



3 resposta(s)

User badge image

Amanda Ribeiro

Há mais de um mês

A vigência da lei que institui ou aumenta determinado tributo deve ficar protraída para o ano seguinte ao de sua publicação, momento em que o ato se insere no contexto comunicacional do direito. CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário 30. ed. São o Paulo: Saraiva Educação, 2019, p. 219. Qual é o princípio tratado no trecho? RESPOSTA: Princípio da anterioridade.
A vigência da lei que institui ou aumenta determinado tributo deve ficar protraída para o ano seguinte ao de sua publicação, momento em que o ato se insere no contexto comunicacional do direito. CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de direito tributário 30. ed. São o Paulo: Saraiva Educação, 2019, p. 219. Qual é o princípio tratado no trecho? RESPOSTA: Princípio da anterioridade.
User badge image

Jessica Keisy

Há mais de um mês

A resposta certa ( I, II, III e IV)

User badge image

liliane goncalves

Há mais de um mês

Estou fazendo essas questões confesso que estou com dificuldades tmb

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes