A maior rede de estudos do Brasil

Explique a função do ciclo de Krebs na síntese de ATP através da fosforilação oxidativa?

Bioquímica I

ESTÁCIO


3 resposta(s)

User badge image

Jéssica Verified user icon

Há mais de um mês

O ciclo de krebs é responsável pela redução de NAD+ em NADH e de FAD em FADH2. Para cada molécula de glicose que passa pela glicólise e continua sua oxidação no ciclo de krebs, esse ciclo produz 3 moléculas de NADH, 2 de FADH2 e 2 ATPs. Seu papel é de extrema importância pois apesar de produzir apenas 2 ATPs, cada NADH é responsável por fornecer energia através da formação do gradiente de prótons na cadeia transportadora de elétrons, para a produção de 2,5 ATPs e cada FADH2 para a produção de 1,5 ATPs na fosfirilação oxidativa. Portanto, o ciclo de krebs é o responsável pela maior quantidade de ATPs produzidos através na oxidação da glicose, através do fornecimento de NADH e FADH2 para a cadeia transportadora de elétrons e a fosforilação oxidativa.
O ciclo de krebs é responsável pela redução de NAD+ em NADH e de FAD em FADH2. Para cada molécula de glicose que passa pela glicólise e continua sua oxidação no ciclo de krebs, esse ciclo produz 3 moléculas de NADH, 2 de FADH2 e 2 ATPs. Seu papel é de extrema importância pois apesar de produzir apenas 2 ATPs, cada NADH é responsável por fornecer energia através da formação do gradiente de prótons na cadeia transportadora de elétrons, para a produção de 2,5 ATPs e cada FADH2 para a produção de 1,5 ATPs na fosfirilação oxidativa. Portanto, o ciclo de krebs é o responsável pela maior quantidade de ATPs produzidos através na oxidação da glicose, através do fornecimento de NADH e FADH2 para a cadeia transportadora de elétrons e a fosforilação oxidativa.
User badge image

Anderson Arckhanjo

Há mais de um mês

A fosforilação oxidativa é uma via metabólica que utiliza energia libertada pela oxidação de nutrientes de forma a produzir trifosfato de adenosina (ATP). O processo refere-se à fosforilação do ADP em ATP, utilizando para isso a energia libertada nas reações de oxidação-redução. 

Durante a fosforilação oxidativa, existe transferência de electrões de doadores electrônicos (moléculas redutoras) a aceitadores electrônicos (moléculas oxidantes), tais como o de oxigênio, numa reação de oxido-redução. As transferências de elétrons constituem estas reações de oxido-redução, que se processam com libertação de energia, biologicamente aproveitável para a biossíntese de ATP. Em eucariontes, tais reações redox são feitas por cinco complexos principais de proteínas mitocondriais, enquanto que em procariontes, diferentes proteínas localizam-se na membrana interna da célula, dependendo o tipo de enzima utilizado dos aceitadores e doadores electrônicos. Ao conjunto de complexos proteicos envolvidos nestas reações chama-se cadeia de transporte eletrônico. 

User badge image

Anderson Arckhanjo

Há mais de um mês

Resposta: A fosforilação oxidativa é uma via metabólica que utiliza energia libertada pela oxidação de nutrientes de forma a produzir trifosfato de adenosina (ATP). O processo refere-se à fosforilação do ADP em ATP, utilizando para isso a energia libertada nas reações de oxidação-redução. 

Durante a fosforilação oxidativa, existe transferência de electrões de doadores electrónicos (moléculas redutoras) a aceitadores electrónicos (moléculas oxidantes), tais como o de oxigênio, numa reação de oxido-redução. As transferências de elétrons constituem estas reações de oxido-redução, que se processam com libertação de energia, biologicamente aproveitável para a biossíntese de ATP. Em eucariontes, tais reações redox são feitas por cinco complexos principais de proteínas mitocondriais, enquanto que em procariontes, diferentes proteínas localizam-se na membrana interna da célula, dependendo o tipo de enzima utilizado dos aceitadores e doadores electrónicos. Ao conjunto de complexos proteicos envolvidos nestas reações chama-se cadeia de transporte eletrônico. 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes