A maior rede de estudos do Brasil

Direito constitucional

Suponha que Marcos, ex-servidor público municipal, falece, deixando como dependentes habilitáveis à pensão por morte a sua companheira Mônica e 1 filho, Cláudio, de 5 anos de idade. Não obstante a existência de uma escritura pública de união estável firmada pelos conviventes e da certidão de nascimento do filho havido, Mônica tem indeferido seu pedido de concessão de pensão por morte sob o argumento de que o Município ao qual Marcos era ex-servidor público possui Norma Municipal que determina a impossibilidade de estender à companheira pensão por morte, do ex-servidor público.Com base na situação hipotética apresentada, apresente os fundamentos a serem suscitados pelo advogado de Mônica para fins de reconhecimento da inconstitucionalidade da referida Norma Municipal. Responda com base nos princípios constitucionais.

4 resposta(s)

User badge image

Geovana Brito

Há mais de um mês

não entendi ?
não entendi ?
User badge image

Ciaraah

Há mais de um mês

Lei dos Servidores Públicos/1990 , Art. 217 - Pensão Lei dos Servidores Públicos/1990 CF/1988 Lei nº 10.887/2004 Lei dos Servidores Públicos/1990 , Art. 217, Inc. I - Pensão Lei dos Servidores Públicos/1990 , Art. 217, Inc. II Lei dos Servidores Públicos/1990 , Art. 217, Inc. III Lei dos Servidores Públicos/1990 , Art. 217, Inc. IV CC/2002 , Art. 1.723 - União estável Lei da União Estável/1996 , Art. 1

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes