A maior rede de estudos do Brasil

INSS-Direito Administrativo Aula 05 - Conceitos, Fontes e Principiosvideo play button

Transcrição


pessoal retornando. Lembrando que a gente está falando do princípio da legalidade aprofundando que eu não quero que caia. Limpe na sua prova. Não quero que essa pergunta eu quero que a pergunta mais difícil, como por exemplo, fazer esse paralelo aqui do princípio da legalidade para o particular e do princípio da legalidade para o administrador, a pergunta que deixei no final do bloco passado foi a seguinte sobre a lacuna legislativa. Então, lacuna legislativa é o que é a ausência de lei. Já caiu em prova de concurso, perguntando se a lacuna legislativa ela será interpretada da mesma forma para um particular e para um administrador isso daqui, a gente é puro raciocínio lógico, vou desabafar com você, está sejam perceber que eu e matemática a gente não está bem. Eu raciocino. Lógico que a gente também não se dá bem, mas você gosta gosta, tem certeza vai cair de seu concurso, Pensa que gosta que fica bom marcar entre nós, raciocino lógico, para matar ou não. A questão é mais ou menos assim, a valeta numa a formiga está na terra. Isso uma carta na árvore e a princesa o celam de esta princesa cassete. Ela não estava na história. Como é que eu vou saber onde está a princesa? Ela deve estar na torre esperando o príncipe chegar mais ou menos assim. A questão de raça, lógico, pronto, mas pensa que isso é bom, que um dia fica já quem vai cair o seu concurso. Acho que vai cair, então pensa que acabou que fica mais aqui. O raciocínio lógico é muito simples. Olha se assim nós, como é simples, o particular não pode fazer tudo o que a lei não proíbe. Perceba lacuna legislativa. Não é a ausência de lei. Aí olha o raciocínio, se o particular pode fazer tudo o que a lei não proíba. Se não tem lei, não tem lei proibindo então particular, está proibido permitir de fazer o ato permitido, então tá sabendo. Então, há uma legislativa que a ausência de lei para um particular significa permissão, que se o particular pode fazer tudo o que a lei não proíbe. Se não tem lei, não tem lei proibindo, então ele está permitida a realizar conduta. B Oração na Tailândia volta dois segundos. Vem cá. A nota aqui comigo. A gente sabe que essa lacuna legislativa para o particular significa uma permissão é vai particular, pode fazer. Já para o administrador mesmo, raciocínio lógico, para o administrador, essa lacuna legislativa vai significar uma permissão ou proibição. Raciocino, lógico, de novo se o administrador só pode fazer o que a lei autoriza, se não tem lei, não tem lei autorizando então administrador está permitido proibido realizar conduta proibido. Estão percebendo que é exatamente um contrário do outro em são questão interessante para quem na sua prova? Então bora nota aqui anotando, Aqui a gente já sabe que, enquanto a lacuna legislativa para um particular significa permissão para um administrador, ela significa uma proibição, ou seja proibido de realizar conduta. Isso daqui. A visão do princípio da legalidade. De um lado, olhando para o particular do outro lado, olhando para a figura do administrador beleza eu voltar, tirou, Tirou foto, você em casa. Pronto, então voltando, voltando para o princípio da legalidade. Então a gente já sabe que o princípio da legalidade, ele diferente para o particular, Para o administrador, veja bem em, aproveitando o princípio da legalidade, é raro. Quem prova mais, vai, que cai bem na sua. O princípio da legalidade tem tudo a ver com o chamado estado de Direito. O Estado de direito. Vamos devagarzinho para a gente entender primeiro que danado Estado O Estado é formado por três elementos. O estado é formado por um povo que está situada em um território e se sujeita a um governo. Então o estado é um povo situada em um território sujeita a um governo. O direito está ligado a normas. O direito está ligado a normas, Vamos traduzir o que dá nada. O estado de direito, estado de direito é um local onde existe a presença de normas que tem que ser obedecidas tanto pelo próprio povo quanto pela própria a administração. Então, isso é um estado de direito, está de direito, tem a ver com normas. É por isso que tem a ver com tal, do princípio da legalidade, Então está de direito, é um local onde existem normas, normas estas que têm que ser observadas tanto pelo povo quanto pela própria administração. Então, olha o raciocínio quando a administração pública o fala na administração como um todo, ela queria as normas e essas normas obrigam a própria administração perceba que eu estou limitando a atuação estatal. Então poder público faz uma lei não só para limitar a atuação da população, mas para limitar a própria atuação do administrador público. Perceba o artigo quinto que você estuda tanto inconstitucional é um exemplo de Estado de Direito. Ele diz, por exemplo, que é proibida a prática do terrorismo. Isso tanto defende os particulares, como limita a atuação do Estado. O artigo quinto diz que é garantido o devido processo legal, ou seja, com a observância de todas as regras contraditória pela defesa. Isso tanto é um benefício para o povo quanto limita a atuação da administração. Então, esse estado de Direito é um local onde as normas tem de ser observada, observadas tanto pela população quanto pela própria administração de princípio da legalidade. Por hora, era isso o princípio da legalidade beleza. Então, agora, para o próximo, vão para o princípio da impessoalidade. Vem comigo vindo para cá agora, nessa legalidade. Aí vou deixar dois segundos. Você ter a foto para a gente, poder para o próximo princípio. Agora vou mudar de paz. A gente vai agora para o princípio da em pessoalidade o princípio da impessoalidade. Vou fazer a mesma coisa que a legalidade sobre páginas em branco, para poder facilitar legalidade, legalidade, agora a legalidade. Agora a gente vai para a impessoalidade montar um esquema que para vocês. Então, depois legalidade, a gente tem aqui o princípio da, em pessoalidade da impessoalidade, a gente vai ter que visualizar o seguinte Existem duas facetas do princípio da impessoalidade. Faça, então é a impessoalidade do administrador em relação ao povo. A faceta dois que a gente fala depois é a impessoalidade do administrador em relação a ele próprio quase a equação matemática para entender mais vão lá o ponto. A impessoalidade do administrador em relação ao povo e o ponto dois. A impessoalidade do administrador em relação a ele próprio. Vamos devagarzinho quando eu falo impessoalidade do administrador em relação ao povo, dizer que esse administrador daqui ele tem de agir de forma neutra, tem de agir de forma imparcial, sem privilegiar e sem discriminar de forma neutra, de forma imparcial, sem privilégios ou sem discriminações. Vamos devagarzinho para a gente poder entender esse ponto. Imagina que isso aqui é um hospital público? Imagina que está ao público. Eu sou aqui a médica do hospital público. Digamos que aqui tem uma fila com cinquenta pessoas. Cinquenta pessoas estão aqui. Todos estão exatamente com o mesmo sintoma, Então, com a febre mais ou menos de trinta e oito graus. Então espirrando tanto de cabeça. Se todo mundo está com o mesmo sintoma, eu tenho que atender as pessoas. Vinte. Ordem de chegada. Logicamente quem chegou primeiro vai ser atendido primeiro. Quem chegou depois, vai ser atendido depois. Então isso, a impessoalidade é tratar as pessoas de forma igual. É ser neutra e imparcial. Mais imagina comigo seguinte. Imagina que entrou aqui no hospital com o mesmo sintoma de todo o mundo. Aline, Que a minha amiga nem sala de novo agora, no caminho, não agora, não só está doente. A vida dela não está muito boa nessa gravação. Hoje, então está doente. Só que ela é muito minha amiga e olhei. Fica assim Aline, pode, Vinha que atendo rapidinho. Parcela na cara dura, na frente de todos vocês. Fiquei conversando, fofocando, botando a conversa em dia, depois de muito tempo ela foi embora feliz. Eu vou ter de vocês Vocês vão estar revoltados, claro, porque fere o princípio. Claro que, em princípio, ferir impessoalidade, porque essa minha seção não foi neutra. Não foi imparcial porque o privilegia uma pessoa determinada pelo simples fato