A maior rede de estudos do Brasil

Cardiologia   Insuficiência Cardíaca   Vídeo 6   IC Crônica Tratamentoplay_circle_filled

Transcrição


então, no que tange deficiência cardíaca, o tratamento abordagem terapêutica, principalmente da cardíaca sistólica. A gente tem alguns fármacos que aumentam sobrevida, que mostraram alteração na mortalidade e fármacos que só são utilizadas para tratamento sintomático. Então é importante sempre lembrar quais são os fármacos que mudam sobrevida que na prática esses factos não podem deixar de serem passados para os pacientes. Então ele não pode deixar de oferecer esse tipo de fármaco os nossos doentes com insuficiência cardíaca. Então o inibidor da época que mudou a história natural da essência cardíaca, um dos grandes fármacos aí que vieram para dar um peso no tratamento da doença cardíaca. Aí a obra também a luz artesã. Enfim, é o que aqueceria Enalapril Captopril, que tem mais que é mais comum a gente ver na prática. Mas o bloqueio dois executores da medicina, como Losartana também um excelente forma. Lembrando que a gente vai não vai associar esses dois fármacos. Nunca, não tem o bloqueio do Pará, a gente vai, a gente vai usar um outro e a gente vai dar preferência sempre austríacas que mudaram um pouco mais a mortalidade nos estudos mais recentes. Porque o beta bloqueador, porque a gente vai associar com o ECA ou comprar. Eles mudam porque eles alteram o remodelamento cardíaco que, a longo prazo, vai ter um desfecho melhor em termos de mortalidade. Então tem diversos mecanismos que fazem com que o remodelamento carro de acolher, reduza que a grande, quem Chicão, grande sinalização, remodelamento de tocaia, grande sinalização de pior prognóstico. E a gente tem que lembrar só tem três fármacos que foram estudados e que mudaram a sobrevida. Esses fármacos são esses aqui, carro momento, prolongue o Bizu prolonga se. Colocar uma questão de prova ao atenolol, até lá não muda. Não é? Para ser feita em paciente. Com isso você tem que dar preferência esses três que a tecnologia vai usar para controle de frequência e paciência em ciência cardíaca ou até controle pressóricos, mas em pacientes sem insuficiência cardíaca. Preferência para esses três aqui Antagonistas é o Barcelona que mais uma vez a gente também vai associar a esses nossos pacientes e e a hidrazina com retrato que, em geral a gente utiliza na maior parte das vezes pacientes que não toleram o ECA. Porque primeiro os pacientes que têm angioedema que tem tosse, conheca e que não toleram, lembra também a gente costuma passar esses pacientes a hidrazina com nitrato que muda sobrevida. Lembrando que há algum novos estudos mostram que até a hidrazina com retrata associada ao ECA, principalmente em afrodescendente tem um melhor prognóstico. São muitas vezes pacientes refratários que já estão usando cueca. A gente acaba adicionando o nitrato com entrada a usina para ver para tentar mudar a sobrevida desses doentes. Mudar também a capacidade funcional de doença. A gente tem que deixar bem engarrafado aqui. Um inibidor da nepe lisina está eu ele fazia seis, nove meia, Esse extremamente novo não está em voga nos últimos dois a três anos. Ainda não temos disponibilidade aqui no Brasil, mas eu acho importante a gente salientar que é uma forma que mudou muito a sobrevida dos doentes, porque a gente vê que olha a gama de medicações que já alteram sobrevida. Então, a gente coloca associa mais um fármaco que faz uma mudança em cima de todos esses fatos. A mudança primeira, ou seja, é de fato muito difícil conseguir se na cardiologia. E esse inibidor está, Temos vários estudos que mostram que ele vai ter um impacto em mortalidade para a gente. Então a gente grava principalmente os medicamentos, que aumenta a sobrevida. E a gente vai falar aqui medicamentos que não aumentam saber. Então não é para passar de jeito nenhum. Não passa. Por que não me subiram, mas esses pacientes realmente precisam, porque esse é um paciente sintomático. Qual é o medicamento que que eu vou fazer com um diurético? Porque o uso de diurético usado em pacientes que têm sintomas de congestão? Um paciente que tem congestão pulmonar, paciente que vou melhorar a capacidade funcional, disse. Mas quem já viu ele, não muda sobrevida. Então, o fato de eu colocar ou não, eu não vou dar mais anos para ele, Mas eu preciso tratar esses pacientes muitas vezes para diminuir o tempo de internação e até mesmo para melhorar a qualidade de vida. Para quem que eu passo durante o paciente que tem como gestão ou sobrecarga volumétrica que limita ou doente o digitais e digitais em geral, a gente falar digital e no trópico mais a nós, que a gente utiliza do digital na insuficiência cardíaca, é muito mais para controle de frequência. Então, qual é o grande ganho que a gente tem com digital, principalmente pacientes, Já um caso funcional muito baixa, que tem uma arritmia, por exemplo, um paciente com uma essência cardíaco com já está fazendo tratamento com meta bloqueador e ainda assim continua sintomática. Esses pacientes são os que mais se beneficiam do digital, Lembrando que o digital todo mundo tem medo digital por conta da intoxicação injetaria, mas sendo feito em doses controladas, enfim, sempre atento às manifestações de intoxicação em itálico, não tem um risco tão grande quanto a gente imaginava, porque então é isso. Os fármacos são os fatos que mudam sobrevida e sintomáticos na frequência cardíaca da história. Então eu coloquei aqui para vocês como não houve tratar, baseado no estadiamento, então aqueles de todos aqueles fármacos que eu coloquei, a gente vai dividir esses pacientes em estádios e aí sim a gente vai passar um fármaco ou então vão mudar paciente que se encontra esta João, ou seja, aquele paciente que não tem cardiopatia estrutural. Ele é um paciente, enfim, que tem risco. Pertence coronário, pata diabético, mas que não tem propriamente dita insuficiência cardíaca estrutural. Não é que eu vou passar dessa doença? Eu vou principalmente nas soluções hipertensivos, seria tiver pressão alta e policiamente os horários ou controlar a glicemia ou seja ou controlar os fatores de risco. Se tiver doenças química, vai ter que abandonar o tabagismo, ou seja, medidas higiênicas e até dicas e controle dos fatores de risco. Então, não vou passar nenhum daqueles. Falam que a gente comentou apenas controle, fatores de risco, medidas. Engenheiro de até estágio bbb- Qual o estágio bem? Lembra que ele falou aquele paciente que tem cardiopatia estrutural, mas está sendo tomadas? Então coloquei a sintomas Quem que é sintomático no grupo A e B, então é um paciente que já tem. Já tem uma alteração de exame complementar, são eles se encaixam. Quais são as medicações que eu vou fazer desses doentes. Boyacá e o beta bloqueador são as duas drogas que a gente vai passar e a cobrar e beta bloqueador lembrando a través de la aumentou proíbe esses pacientes em geral, a gente vai colocar se indicar nos pacientes que têm mais propriamente dito. Vocês que enfartou que tem um evento esquema e que tem uma fração de ejeção menor quarenta e cinco por cento. Então, o paciente independência é assintomática, mas tem cardiopatia, estudar ou façam injeção menor. Quarenta e cinco por cento vão ganhar Boyacá e o beta bloqueador homem então assintomáticos, assim que a gente vai conduzir os pacientes sintomáticos. Então aquele charme a partir do ser, porque o Ayub eram, assentou mais, Então aí a gente vai lembrar daquela classificação funcional que a gente comentou Daniel. Então ele vai dividir com o paciente estágio, se ele é sintomático eu vou dividir além um e dois a três a quatro. Então como é que vai ser a progressão união e dois eu vou incluir eu vou fazer o Iraque. Embraco já estaria fazendo nos governos estágio bbb- Além disso, o beta bloqueador E aí eu vou introduzir um diurético, preços doentes, lembrando cultural, diurético não altera a mortalidade, mas eu vou começar um tinha-se, tico ou até uma furosemida para tratamento de sintomas. Unir a três estão três a partir do nível três. É que eu entro com a espironolactona que aquele fato que melhora a sobrevida. E aí eu vou indicar o diurético para tratamento para a qualidade de vida e classe funcional. E o digital eu posso