A maior rede de estudos do Brasil

Teoria Situacional de Hersey e Blanchard   1play_circle_filled

Transcrição


olá pessoal, vamos dar uma olhada agora na teoria situacional. Muitos muitas bancas trazem pelo nome dos seus criadouros que eu recebi e Blanchard vem comigo. Basicamente a gente, ela é mais associada a essa teoria. Ao nível de maturidade, sempre, normalmente, a mãe caminho, trazendo essa questão da maturidade do funcionário e aqui maturidade obviamente, não é maturidade só da pessoa, ou seja, a pessoa pode ter uma maturidade, ou seja, ser experiente. Tem o equilibrio emocional, mas é basicamente também Isso é óbvio, mas também a maturidade da pessoa no trabalho, ou seja, sua experiência, o tempo que ela está ali. O conhecimento das atividades, a técnica, habilidade que a pessoa tem. Naquele trabalho está a maturidade, não só assim que seu equilíbrio emocional, obviamente, mas também a sua maturidade naquela tarefa, ou seja, muitas vezes a pessoa traz ali uma experiência de vida, mas acabou de chegar no órgão, não conhece, está acostumado a fazer aquele tipo de trabalho. Então, aqui, quando a gente está falando de maturidade, a maturidade naquele ambiente de trabalho está lá essa teoria, então, ela está muito focada na maturidade e no comportamento, no estilo também focado ou na tarefa ou focado. no relacionamento. Vamos dar uma olhada então a ver quais são as ideias principais desses autores. Ou seja, o que eles diziam basicamente que o líder, ele deveria mudar o seu comportamento ao seu estilo de acordo com a maturidade empregado, ou seja, algo meio intuitivo vai tratar aquela pessoa que acabou de entrar exatamente da mesma maneira. Como você trata aquele seu empregado ali, que já tem vinte anos de casa, já está cansado de saber como as coisas acontecem. Ou seja, que você teria um tipo de atuação para aquele funcionário pouco maduro, diferente daquela atuação que você teria frente. Aquele profissional que já é cascudo, como a gente fala no popular, ou seja, aquela pessoa que já está acostumada, que já têm, digamos assim, a capacidade de trabalhar com maior autonomia, de acumular o que ele criou. Foram quatro quadrantes. Foram quatro quadrantes de acordo com a tarefa, comportamento voltado para a tarefa e, aqui, para o relacionamento, ele teria quatro situações. Quando a pessoa entra, que seria o nível de maturidade, Seja maturidade. Aqui é baixa. Quando vou a pessoa entra, você teria que tentam uma atenção maior, uma preocupação maior a tarefa do que para um relacionamento com a evolução da pessoa, da maturidade dela, você passaria para a perfuração. Depois, para participação e, finalmente, para situação de delegação, Vamos ver como é que isso funciona, Então, na prática você teria na primeira situação. Ou seja, aquela pessoa acabou de chegar à empresa. Pouca maturidade. O que o recém Blanchard, o seguinte olha você tem basicamente dizer para a pessoa que ela tem que fazer. Você tem que focar matéria. Folha Falando que tem que fazer isso? Tem que fazer aquilo que você venha a ser uma preocupação maior em cima de mim. Assim não deixar que ele funcionar entre achas fazer algo errado? Ter uma preocupação maior. Então, com a tarefa tempo aquela pessoa ganharia maior maturidade, você deixaria de se preocupar só com só com a tarefa. Estaria interior preocupação também com um relacionamento. Ou seja, você já conseguiria ali gerar uma um relacionamento melhor. Você já estaria mais preocupado ali com o relacionamento que você teria com aquele seu profissional. Por fim, ele ganharia mais maturidade ainda. Você daria delegacia mais coisa para ele? Você conseguiria envolvê lo mais, ou seja, uma preocupação menor com a tarefa maior, com relacionamento e por fim o estilo de delegação, onde você daria uma autonomia grande para ele, por ele já ter um relacionamento de longo prazo, ali, as vezes com a empresa, com os colegas, às vezes eventualmente até com o líder, você teria uma preocupação menor, tanto de tarefas enquanto de relacionamento. Então, a gente basicamente que vocês têm que entender é que existiria então uma diferença, uma evolução, no caso do comportamento, do estilo de liderança, conto do chefe em relação ao seu subordinado, de acordo com o que com a maturidade, maturidade do subordinado, dentro daquele ambiente de trabalho, qualquer pessoa foi mais uma teoria que a gente viveu junto, que há pouco a gente volta. Um grande abraço a vocês.