A maior rede de estudos do Brasil

Mercado Financeiro Aula 4video play button

Transcrição


aí, quem comprou recebe o valor, É nominal valor de face. No final, o valor de face do título, por exemplo, é de quinhentos mil reais. A empresa vende isso para o investidor por quatrocentos e oitenta mil, por exemplo. Então isso a empresa ganha no final, ele vai resgatar pelo seu valor de face, valor de face o valor nominal, que é quinhentos mil, enquanto vários de fato o título. O fato dele poder ser recomprado pela empresa emissora dá a esse título grande liquidez. Ele é facilmente negociável porque quem compra sabe que qualquer empresa vai querer comprar. Pode recomprar isso a qualquer momento. Então quando você tem um título que você sabe que é facilmente negociável, isso ajuda muito na hora de vender o título fala Eu vou comprar, mas quando eu vender ninguém vai querer comprar esse tipo de título. Têm baixa liquidez quando ninguém quer comprar. Agora, quando você tem um título que você sabe que outras pessoas vão querer, é muito mais fácil você tomar a decisão de comprá lo. Nesse caso, o fato da empresa poder recomprá lo, dar a ele muita liquidez. Quem coloca esses títulos no mercado, esses títulos, Eles podem ser colocados pelos direitos também que eles compram os títulos dessas empresas, como eu sou tempo e eles revendem ao público ganhando uma comissão, então não exatamente. É um vendedor secundário decidir ele compra mais barato, oferece e ganha uma comissão por isso também é uma maneira de colocar o título no mercado com o pessoal por hoje. É só vão os estudos a todos e até a próxima! Olá propõe Agora vocês uma atividade relacionada à aula quatro em que falamos sobre riscos e falamos também sobre alguns produtos financeiros. A atividade está relacionada ao CDB, que é um título de renda fixa. Nós sabemos que o CDB pode ser prefixados ou pós fixado. Se nós tivéssemos que escolher então entre o CDB pré ou pós fixado, qual deles você escolheria? E por quais motivos nessa hora nós temos que pensar? Quais são os riscos atrelados ao investimento e quais são as rentabilidades que ele pode nos oferecer? São as duas coisas principais que nós devemos pensar. Então, após um pré- depende, depende do que pode acontecer com a taxa de juros, com a inflação. Ou seja, essa decisão depende do panorama econômico, o investidor deve estar sempre atento à conjuntura econômica. Então o investidor deve observar as condições de mercado. Por exemplo, se a taxa Selic estiver em patamares elevados e o cenário econômico demonstrar que provavelmente haverá uma queda. Então, os títulos prefixados são interessantes no curto prazo, se a taxa está mais alta e ela vai cair depois. Significa que se você comprar aquele título naquele momento, seu título vai valer mais. Ele vai valer menos depois, porque a taxa será reduzida agora para fixar uma rentabilidade para seus investimentos. Pelo valor das elevadas taxas vigentes, você garantirá uma vantagem, já que receberá mais juros no futuro do que caso do que no caso de um investimento pós fixado, visto que o cenário da economia é de uma provável queda de juros. Então provável queda de juros na verdade vai ajudar. Você vai ganhar mais do que as pessoas que compram depois esse título. No entanto, se o aumento na taxa de juros da economia é esperado, então provavelmente o investimento, posse fixado será mais interessante se aquele investimento é atrelado à taxa Selic e a perspectiva é de aumento da taxa Selic. O interessante é comprar um título. Posso fixar para o curto prazo, pois o investidor, ao invés de pré- fixar seu investimento no momento da aplicação, o deixará livre para acompanhar o aumento nas taxas de juros. Ou seja, depende muito do indexador e do contexto económico. Isso vale para qualquer tipo de aplicação. É importante sempre olhar quando você faz um investimento, qual é o indexador? Pode ser a taxa de câmbio, pode ser IPCA pode ser gpm. Pode se a taxa Selic é bom, você observar qual a tendência da inflação como está hoje. Definida a taxa de câmbio, são condições que podem mudar. São riscos de mercado que você assume. Então não é importante. Só que nós não é importante. Só que nós olhemos para a conjuntura econômica. Nós temos que olhar para os riscos associados, Então a primeira coisa a se comprar o investimento, olhar para a estrutura da empresa, olhar para as condições financeiras da empresa, aquela empresa é uma empresa que vem se mostrando sólido ao longo do tempo. Falei sobre o Eike Batista durante a aula. Quatro. Obviamente, as pessoas que compraram as ações do Eike. Lá no começo, ela, quando ela foi lançada, ela deu um burburinho muito grande. Foi foi a maior abertura de capital lançamento de ações fez uma barulho, foi o maior de toda a história da Bolsa brasileira. Em minutos as ações do Eike Batista dada hoje, estes da petrolífera subiram dezoito porcento em questão de minutos. Hoje, essas ações não vale mais nada. A empresa equivale a setenta e cinco bilhões. Vale menos de um bilhão hoje, ou seja, porque as empresas, porque as pessoas compravam as ações dessas empresas. Era um empresário que tinha credibilidade, mas alguém deixou de ver alguma coisa ali. Isso não se refere só ações. As empresas, elas também vendem seus títulos de outras formas. Obviamente, não são ações, é diferente, muitas muitas aplicações. Tem garantia do Fundo Garantidor de Crédito até duzentos e cinquenta mil, mas não todas. Então, é preciso olhar, tem alguma garantia. É preciso olhar, eu vou ter que depois eu vou ter liquidez nesse investimento que eu estou fazendo. Qual é um risco que essa empresa que apresenta risco de crédito? Qual o risco de mercado, do indexador utilizado? Isso tudo é muito importante na hora de tomar a decisão do investimento, porque todo mundo, quando faz investimento tem que pensar lá na frente na hora de obter esse retorno do investimento feito. Hoje, essa empresa pode apresentar uma realidade amanhã pode ser uma outra completamente diferente. Por hoje, é só vamos estudos a todos