A maior rede de estudos do Brasil

Transcrição


olá, sejam bem vindos a mais uma de nossas aulas. Hoje estudaremos a tabela traz. Hoje veremos uma pequena introdução sobre o sistema de amortização. Veremos a tabela para esse propriamente dita e suas características. Veremos um exercício sobre a tabela para então finalizaremos a nossa aula bom ao de hoje pessoal. Sobre a tabela Paz, primeiramente, eu preciso explicar para você que é a tabela paz, através de ainda explicação do que seria um sistema de amortização, qualquer, um sistema de amortização, ele é um complexo de cálculos, de procedimentos para que vocês consigam encontrar um valor correto a ser amortizado da sua dívida, ou seja, a ser pago da sua dívida. A amortização é o pagamento dessa dívida. Nós temos alguns sistemas praticados pelo mercado, alguns não tão praticados pelo mercado brasileiro E outro sim, nós temos um sistema do montante. Nós temos um sistema americano, tem um sistema francês de financiamento e nós temos aqui O sistema traz que é também conhecido como tabela, paz e é o sistema mais utilizado no Brasil. Nós vamos verificar o motivo pelo qual isso acontece nos estágios posteriores. Temos o sistema de amortização constante, o sistema burguês. Temos um sistema de amortização crescente e temos o sistema de amortização. Isto então, quando vocês vão fazer um determinado financiamento, seja ele de veículo, seja ele de um imóvel, por exemplo um sofá, uma geladeira, um fogão ou até mesmo de um imóvel. Quando vocês procuram comprar uma casa, um terreno, vocês vão enquadrar esse financiamento. Um sistema de amortização. Esse sistema vem descrito no contrato de vocês e normalmente no Brasil. É o Sistema Pais, também conhecido como Tabela País. Nós temos algumas exceções, principalmente através de bancos públicos. Os financiamentos são realizados por outro tipo de o sistema. Mas nós vamos nos ater, ao menos na saúde, hoje a tabela para por ser a mais utilizada e a mais conhecida do Brasil. Então agora, falando especificamente da tabela? Paes, nós temos características que determinam a especificidade da tabela. Para a primeira delas pessoal é o fato das prestações serem constantes. Por isso, quando você vai fazer um financiamento de veículo, por exemplo, as parcelas são as mesmas. Você faz um financiamento em cinco, seis anos. E você para exatamente a mesma coisa durante os seis anos, sem correção monetária, sem nenhum tipo de incidência. Que faça sua parcela ser diferente do mês anterior, com quem outro outra característica, muito importante da tabela faz a amortização crescente. O que isso significa? Significa que no início do contrato a sua dívida propriamente dita era muito pouco paga. Porque a cada pagamento que você faz a cada parcela que você realize o pagamento, você paga juros e você paga parte do capital inicial, ou seja, parte do dinheiro que você financiou e o restante de juros para o banco num primeiro momento utilizando se a tabela. Para isso, você vai pagar mais juros do que a amortização. Por isso que os juros são decrescentes, eu pago mais juros e menos amortização e o somatório desses dois e dá o valor da minha parcela. A cada período posterior de pagamento, os meus juros vão ficando menores os meus pagamentos de amortização, ficando maiores. Isso demonstra, por exemplo, quando vocês faz um financiamento de veículo em seis anos, por exemplo, como citei então, após um ano de pagamento. Você, assim que o gerente eu gostaria de que estava no financiamento e quando ele retorna o valor a ser pago para quitação você se assusta. Falam nossa, mas é quase o mesmo valor que eu financiei eu já paguei um ano, não deveria ser bem menos não. A tabela para esse pessoal ela utiliza justamente desse benefício o banco, ele vai receber primeiro juros, ele vai receber a amortização. Posteriormente, pelo menos ainda receber menos no preço dos primeiros períodos. Esse é o primeiro dos motivos pelos quais a tabela para essa mais praticada no Brasil. O segundo motivo é que, com todos nós sabemos o brasileiro, infelizmente, não tem a cultura de controlar as suas finanças. Então ele não consegue entender porque um mês ele paga um determinado valor e outro mês ele pagaria um outro valor de parcela. Como as parcelas são iguais na tabela, atrás do brasileiro, se identificou mais com esse tipo de sistema de amortização e por isso, os bancos também obter um retorno maior. Resolveram utilizar esse sistema de amortização. Que olá pessoal, nós vamos ver na prática como funciona o sistema de amortização, utilizando se a tabela para uma empresa realiza um financiamento modalidade pra trás, mas nas seguintes condições o valor à vista do bem cento e vinte mil reais financiamento de noventa por cento do valor à vista um IOF de dois por cento do valor financiado pago no ato. O prazo do financiamento de cinco anos. Há uma carência de seis meses, a taxa efetiva de quinze por cento ao ano e uma quantidade de parcelas de dezoito trimestrais. Considerando que o IOF fará parte do valor financiado calcular e demonstrar por internet da HP doze C a tabela prós anual o primeiro passo é converter a taxa de quinze por cento ao ano para o trimestre. Esta é a forma da equivalência de taxas que já vimos em outra oportunidade. Entretanto, neste exercício a resolveremos de maneira que não utilizemos a fórmula, Utilizaremos a calculadora HP doze ser também para fazer essa equivalência. Para isso, realizaremos o primeiro passo, que é converter quinze por cento ao ano para ao trimestre. Nesse caso, utilizaremos um valor qualquer. Utilizamos cem, mas poderia ser cinquenta. Poderia ser sem, poderia ser duzentos. Qualquer valor utilizamos sem unicamente para facilitar os cálculos. Jogaremos na calculadora ex para trocarmos o sinal e o HPV, que é o valor presente. Utilizamos como sendo o prazo, uma vez que a taxa que temos é um ano e nesse caso queremos uma taxa ao trimestre, ou seja, nenhum se dividir esse prazo em outros prazos. Por isso jogamos um quinze. É a taxa que no momento temos quinze por cento ao ano. Dessa forma, puxa haremos o valor futuro. Esse valor futuro mostrou cento e quinze, Ou seja, se aplicarmos um capital no valor de cem reais durante um ano, a uma taxa de quinze por cento ao ano, obteremos cento e quinze desses cento e quinze jogaremos para trocar o sinal e ver que seria o valor futuro os mesmos cem já julgados outrora como o valor presente e então quatro jogaremos quatro ele, uma vez que desejamos pegar uma taxa ao ano e fracionada lá em quatro taxas trimestrais, uma vez que em um ano temos quatro trimestres. Por isso, quatro então puxarem e o e da calculadora dará três vírgula cinquenta e cinco cinquenta e oito zero sete. Isso significa que aplicarmos um capital, seja ele qual for a uma taxa de quinze por cento ao ano, ou a uma taxa de três vírgula cinquenta e cinco cinquenta e oito zero sete ao trimestre, obteremos o mesmo valor futuro. Com o segundo passo, iremos calcular o valor financiado. Prestem bastante atenção. Este é um ponto em que a maioria dos alunos têm muita dúvida. Utilizaremos um valor de cem por cento do valor financiado. Por que depois foi nos dito pelo exercício que o IOF está incluso no financiamento, ou seja, do valor total financiado. E aí esse valor total financiado é aquele valor que aparece no contrato de financiamento, dois por cento são referentes ao IOF. Por isso, irei retirar esses dois por cento. Então cem por cento, que é o valor total do contrato, menos dois por cento, que seria cioff. Quando fizeram a operação, eu terei os cento e vinte mil reais, que é o valor dado pelo exercício mais multiplicado por zero noventa. Por que? Porque o exercício nos disse que o financiamento é de noventa por cento desse valor. Dessa forma, obteremos que noventa e oito off é igual a cento e oito mil fazendo os cálculos passam os noventa e oito dividindo sobre os cento e oito mil. Obteremos um valor futuro de cento e dez mil duzentos e quatro zero oito, que nada mais é do que o nosso valor financiado, ou seja, o valor que efetivamente aparecerá no contrato. Ressalto é muito importante o entendimento dessa parte, uma vez que sobre esses