A maior rede de estudos do Brasil

Direito Constitucional - Aula 01 - Teoria Geral dos Direitos Fundamentaisplay_circle_filled

Transcrição


Olá, pessoal! Tudo bem? Sou professor Junior Vieira, professor de direito Constitucional É uma honra muito grande trabalharmos aqui. Nós vamos começar a que o nosso curso hoje, exatamente como a teoria geral dos direitos fundamentais, muito importantes para sua prova, como la sem mais delongas, tranquilo, lado Olha só pessoal, vamos começar, então com essa teoria geral dos direitos fundamentais, logicamente direitos fundamentais. Você sabe aqueles direitos mais importantes da vida do indivíduo que eu posso afirmar a priori. Quando nós falamos em direitos fundamentais, nós estamos falando em um Estado de direito que é o Estado que tem poderes limitados e também na dignidade da pessoa humana, ou seja direitos fundamentais. Ele somente se justificam porque nós temos um Estado de direito. E também nós temos a dignidade da pessoa humana. Quando nós, falarmos aqui, em teoria geral dos direitos fundamentais, sendo bem pragmático para sua prova, bem objetivo, nós vamos falar aqui de algumas características importantíssimas acerca dos direitos fundamentais a primeira característica que merece atenção. Eu vou sempre evitar um conceito. Vou colocar um conceito no seu material, eu vou explicar e também vou exemplificar vamos lá a primeira característica, importantíssima a cerca dos direitos fundamentais é a característica da historicidade, juram que seria historicidade, vão lá. Conceito explica Exemplifico. Historicidade coloca assim os direitos fundamentais Eles variam segundo a época e também segundo lugar. Os direitos fundamentais variam segundo a época. Em segundo lugar, logicamente ecologicamente, o que é direito fundamental, hoje não foi direito fundamental no passado até bem próximo. Isso, por exemplo, eu posso afirmar que os senhores, que hoje o meio ambiente ecologicamente equilibrado, previsto na nossa Constituição federal no artigo Duzentos e vinte e cinco meio ambiente ecologicamente equilibrado, é um direito fundamental, claro, nós sabemos que hoje o meio ambiente é sim, logicamente um direito fundamental, Mas não posso afirmar que no passado, nem tão longe, o meio ambiente era um direito fundamental. Claro que não, porque nós sabemos inclusive época da Revolução Francesa e nas declarações, nós tivemos já pelo mundo o meio ambiente não era sequer direito quanto mais fundamental, porque os direitos fundamentais, pela característica da historicidade. Eles variam segundo a época, mas também levaria o segundo lugar. Fica a ver um exemplo, eu pergunto para os senhores cuidado, homens e mulheres no Brasil são iguais em direitos e obrigações homens, mulheres? Claro que sim, Então é importante esse direito que o artigo quinto apresenta essa igualdade entre os sexos no inciso da Constituição Federal. Mas eu posso afirmar que existe tal igualdade nos países que apresentam raízes islâmicas. Claro que não, porque essa igualdade pela característica da historicidade varia segundo a época e também segundo lugar Cuidado muito cuidado, a segunda característica importantíssima e essa daqueles senhores é a que mais caem prova aqui mais quem prova é a característica da relatividade. Muito cuidado com a característica da relatividade. Eu vou ditar um conceito no seu caderno do mesmo modo explicou e exemplifico relatividade, olha só os direitos fundamentais os direitos fundamentais não são absolutos. Os direitos fundamentais não são absolutos ponto Na mesma linha os níveis fundamentais não são absolutos. Na mesma linha, todos os direitos devem ser relativizados. Todos os direitos devem ser relativizados. No caso concreto, todos os direitos devem ser relativizados no caso concreto, ainda na mesma linha vou colocar no seu material todos os dias. Deve ser relativizado no caso concreto ponto Na mesma linha, vou colocar um posicionamento do STF. Você vai colocar sim nenhum direito fundamental. Nenhum direito fundamental pode ser utilizado de escudou. Nenhum direito fundamental pode ser utilizado de escudou para cometer crimes em um direito fundamental pode ser utilizado de escudo para cometer crimes. Vamos a característica da relatividade lógico, Nós sabemos que você acabou de colocar no seu caderno muito cuidado que não existe nenhum direito absoluto para o professor. Eu sou estudante de direito na faculdade. Eu aprendi sobre a vedação à tortura, a operação, A tortura é um direito absoluto, senhores, já foram nos aqui, não professor Juniel Vieira é o Supremo Tribunal Federal e as bancas sabem disso. Já caiu mais de uma vez em prova. Não existe direito absoluto. Todos os direitos são relativos cuidado com isso. E mais você só pode relativizar um direito fundamental Em um caso concreto, você não pode relativizar um direito fundamental abstratamente. Inclusive, nós temos aqui no estúdio, nessa primeira aula, uma plateia eu vou utilizar plateia. Logicamente vou aproveitar da plateia. A questão é olha só o pessoal, você está assistindo e a plateia, também, aqui no estúdio, para essa atenção, para essa atenção, num eventual conflito, um eventual conflito. Vou colocar aqui, há um conflito entre direitos fundamentais, um eventual conflito, por exemplo, entre o direito à vida e, por exemplo, a liberdade de religião, eventual conflito, o direito à vida versus a liberdade de religião. A pergunta é essa? Qual direito? Deve prevalecer a vida, que é um direito, simec O ano sem o qual você não consegue exercer outros direitos à liberdade de religião. Logicamente, você vai falar que o direito mais importante, que é o direito A por favor, não fale isso na sua casa. Jamais cometi, afirmou. Porque você não pode falar que o direito à vida e você também em casa você está estudando, deve ter respondido o direito à vida. Você não pode falar abstratamente, que um direito é mais importante que o outro. Jamais se pode fazer isso porque porque somente de maneira condicionada caso a caso, podem ser descobertas hipóteses de prevalência de um ou de outro direito em colisão, nunca, nunca abstratamente você não pode olhar a não o direito à vida. É mais importante que a liberdade de religião, jamais, porque somente no caso concreto, não pelo critério da hierarquia, da especialidade, da temporariedade, jamais somente no caso concreto. Um exemplo que a doutrina utiliza acerca do conflito O direito à vida, à liberdade de religião é o sujeito, por exemplo, que invoca a liberdade de religião para não se submeter a uma transfusão de sangue. Teve um caso concreto que uma criança perdeu muito sangue. Foi submetido a um tratamento cirúrgico, precisava receber sangue e o pai negou a transfusão sobre o argumento da liberdade de religião, porque eram Testemunhas de Jeová. Logicamente, neste caso, concreto, o médico realizou. Realizou a transfusão mesmo sem o consentimento dos pais. Porque quem estava negando a vida não era o pai que estava grávida. Não era criança, era o próprio pai. E o MPF. Ministério Público entendeu. Tranquilo, porque, nesse caso concreto, o direito à vida prevaleceu sobre a liberdade de religião tranquilo, cuidado somente de maneira condicionada. Caso a caso, você pode descobrir hipóteses de prevalência de um ou de outro direito em colisão. Nunca. Nunca, abstratamente, vai olhar para o conflito e falar que o direito é mais importante do outro. E mais você não pode utilizar um direito fundamental pela característica da relatividade, no intuito de cometer uma atividade criminosa para em junho, Eu tenho direito de informação. Eu posso inclusive a liberdade de imprensa. Você não pode invocar a sua liberdade de imprensa no intuito de cometer crimes contra a honra calúnia, difamação, Injúria Você não pode invocar um direito fundamental no intuito de cometer uma atividade criminosa, porque o seu direito a um direito relativo à beleza você não pode invocar sua liberdade de associação, reunir pessoas e assaltar um banco, porque isso não é associação. Isso é um crime de formação de quadrilha. Não é? Isso. Você não tem a possibilidade de utilizar um direito fundamental no intuito de cometer uma atividade criminosa tranquilo, característica muito importante. Merece atenção na sua prova característica