A maior rede de estudos do Brasil

Direito Constitucional - Aula 12 - Remédios Constitucionaisplay_circle_filled

Transcrição


tudo bem, Senhores, tranquilo, vamos lá, dando continuidade o nosso estudo de direito constitucional. Na aula de hoje, nós vamos tratar de um assunto muitíssimo importante para a sua prova. Na verdade, um assunto corriqueiro nas provas de concurso público que o tema de hoje. O tema da aula de hoje será remédios constitucionais, senhores remédios constitucionais, porque esse nome remédios constitucionais? Porque na verdade até agora nós falamos, nós estudamos os direitos, mas vamos estudar os mecanismos que asseguram um indivíduo ao utilizar aquele direito. A partir de agora nós estamos trabalhando remédios constitucionais, ações judiciais que você utiliza na esfera lógico, no âmbito do Poder Judiciário, para garantir o seu direito, então o tema remédio constitucionais remédios constitucionais, primeiro remédio que nós vamos tratar aqui Hoje, a primeira ação constitucional será habeas corpus, senhores habeas corpus que tem origem no Brasil, no Código de Processo Criminal, ainda na época do Império. Na verdade, a primeira constituição que trouxe o habeas corpus de forma explícita foi a Constituição de mil e oitocentos e noventa e um a Constituição de Deodoro da Fonseca. A relatoria de Rui Barbosa, que trouxe habeas corpus, habeas corpus que, embora via seja uma expressão isso em latim, habeas corpus entregue o corpo, na verdade, era uma locução significar até maior quer entregar meu corpo daquele que se encontra detido de forma indevida. Habeas corpus que tem sua origem na Inglaterra, na verdade tem sua origem na Inglaterra Habeas corpus Nada mais é do que entregue o corpo entregue o corpo muito bem. Está previsto previsão legal no artigo quinto da Constituição Federal lá no ensino sessenta e oito, bem como no Código de Processo Penal para o título dois do artigo Seiscentos e quarenta e sete. Olha o que diz a Constituição Federal senhores o artigo quinto inciso sessenta e oito lá comigo, conceder se a habeas corpus sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, ilegalidade o abuso de poder, ilegalidade ou abuso de poder. Muito bem, sempre que alguém sofreram, se achar ameaçado de sofrer para a atenção como que veio, como que se apresenta a redação do artigo quinze, sessenta e oito. Foi a primeira pergunta é se nós sabemos que o habeas corpus, uma ação é isso. É um remédio, condicionar uma ação de natureza constitucional destinada a coibir qualquer ilegalidade ou abuso de poder contra a liberdade de locomoção. Vitória Só o objeto do aguaceiro vamos apelidar. Assim fica mais fácil o objeto do habeas corpus, objeto do habeas corpus tutelar a liberdade de locomoção, ou seja, garantir a liberdade de locomoção. Você vai utilizar o habeas corpus quando se trata de liberdade de locomoção. Geralmente as provas de concurso baixa. Tensão. Com isso, preste bem atenção. Geralmente, as provas de concurso público. Quando cobra um assunto remédio constitucional, eles elaboraram um problema e pedem para que você identifique qual remédio mais adequado para aquela problemática. Osasco caiu na sua prova. Habeas corpus você vai lembrar imediatamente de liberdade de locomoção só com cuidado o habeas corpus. Ele serve para proteger a liberdade de locomoção tanto de forma direta. Imagine um sujeito que recebeu uma voz de prisão, ele já está sem a sua liberdade de locomoção, ele precisa de restabelecer a sua liberdade de locomoção. Foi atacada essa liberdade de forma direta. Só que a jurisprudência dos tribunais, especialmente a do STF, entende que cabe habeas corpus de forma indireta, acessória secundária para garantir a liberdade de locomoção indiretamente, por exemplo, nós vamos falar primeiramente alguns casos da jurisprudência do suplente do Supremo. Sumo lado já pelo STF, objeto de prova constrangimentos caso em que não cabe habeas corpus. Por exemplo, o Supremo Tribunal Federal na súmula seiscentos e noventa e três entende que não cabe habeas corpus incabível o ABC contra uma pena exclusiva de multa. Lógico, a questão é só amigo. Se você foi montado a sua pena, pode ser convertida, privativa de liberdade. Claro que não luta, jamais pode ser convertida em liberdade. Se você tinha uma multa e você quer questionar essa multa, você não vai utilizar o lado. Vai utilizar parte do Egrégio menos o habeas corpus, porque o habeas corpus só se presta para garantir a liberdade de locomoção. Liberdade de locomoção de forma direta é menos de forma indireta. Então não cabe habeas corpus contra a pena exclusiva de multa. Pena, exclusivamente, multa. O que diz a súmula dezanove três do STF também senhores, nem o carro de habeas corpus, quando já extinta a pena privativa de liberdade, mas é lógico, mas enérgico, risco. Se já existe pena privativa de liberdade, não há que se falar em habeas corpus se não tem mais pena, se não existe mais restrição da liberdade de locomoção. Não tem como se falar no remédio constitucional de água ser porque o habeas corpus só se presta para proteger a liberdade de locomoção de forma direta, pelo menos de forma direta, se a pena já foi extinta, se já acabou a privação da liberdade, não há mais que se falar em habeas corpus. O que visa a súmula Meia nove cinco do STF, cobrada diversas vezes em diversos concursos, já caiu mais uma vez em prova. Não cabe a nascer, quando já extinta a pena privativa de liberdade. Por que você não está mais discutível? Liberdade de locomoção, beleza tranquilo, por exemplo, defensores Não cabe habeas corpus contra a perda de patente do militar, perda de patente do militar. Na verdade, senhores que são casos concretos que chegam ao STF a súmula. Na verdade, imagine a seguinte situação o militar comete um ilícito dentre as consequências do seu início, pode ser que ele perca a patente, perdeu a patente, em outras palavras, a perder o cargo. Perder o cargo vai deixar de ser militar. Não Nego colocará perder a patente. Ele quer recuperar a condição de militar. Ele vai impetrar um habeas corpus cara que não, porque habeas corpus só se presta para garantir a liberdade de locomoção de forma direta, pelo menos de forma indireta, se a perda de patente da militar. Se o cara perdeu a patente que utilizam o remédio controlado, retração não habeas corpus, porque o habeas corpus só se presta a garantir a liberdade de locomoção. Tudo bem tranquilo. Beleza muito bem. Agora nós falamos aqui quando que será incabível? Não cabe a mim, não cabe habeas corpus. Só que existe alguns casos. O que eu te falei que cabe habeas corpus quando se trata da liberdade de locomoção também de forma indireta, acessória secundária o relatório que diz cabível habeas corpus, ou seja, é possível utilizar o habeas corpus. Assim, forma indireta, mediata. Primeiro caso. Segundo a jurisprudência do Supremo, é cabível ainda ser contra a quebra do sigilo bancário em investigação criminal. Cuidado, cuidado. A pergunta é essa quebrar sigilo bancário, levando em preso e acesso a seu extrato bancário a sua movimentação bancária financeira? Levem da empresa não quebrar sigilo bancário. Larga ninguém preso. Não só que a questão é investigação criminal ou instrução processual, cama penal, investigação criminal ou instrução processual penal. Glasses não bancário pode levar alguém ser preso. Olha a pergunta investigação criminal ou instrução processual penal? A quebra do sigilo bancário pode levar alguém a ser preso geral? Claro que sim. Se você vislumbrar a perda da liberdade de locomoção tanto de forma indireta, é cabível a utilização do olha o que eu estou falando é cabível ainda ser de forma indireta. Lógico que você não foi preso. Você não foi preso quando se tratar de uma quebra do sigilo bancário em investigação criminal? Natureza penal? Meu, porque aqui, lá na frente esta prova da quebra do sigilo bancário pode ser utilizado para pedir a prisão de alguém. Se o sujeito sentir ameaçado nesse sentido, ele poderá utilizar o habeas corpus? Porque cada ainda ser contra a quebra do sigilo bancário. Em investigação criminal? Também senhores, cabe habeas corpus para garantir o convocado por CPI. O direito de permanecer