A maior rede de estudos do Brasil

3 - Evolução da Administração Pública - Enfraquecimento da Burocracia e DL 20067video play button

Transcrição


vamos lá, galera iam falar no mercadinho de burocracia. Pode fechar esse bloco de conhecimento. Falar do gerência mesmo, rasgando certeza quanto à prova, vão. Então, vem comigo. Vamos falar da evolução da administração pública. Opa, karma! Que avança esse pronto. Vamos falar aqui do colapso burocrático e da crise do Dasp. Vão continuar falando disso? Está então, quais são as características básicas da burocracia, A burocracia. Ela nasce para combater a corrupção e o nepotismo, que são típicos do patrimonialismo. O mecanismo que ela vai utilizar para isso é o concurso público. Vai utilizar o mérito e a profissionalização da gestão pública, aplicando princípios gerais de administração, garantindo aí o combate à corrupção e nepotismo. Clássico do patrimonialismo vai permitir o acesso do serviço público por mérito. Como eu falei, por meio do concurso público, a gente vai ter carreiras de Estado sendo formadas a profissionalização à hierarquia funcional paga para garantir o controle por meio das normas. A função orçamentária vai ganhar importância, relevou O regime jurídico único dos servidores vai ser estabelecidos, vão ser criadas normas e procedimentos universais para manter a ordem do sistema burocrático. Então, é isso que a gente vai ter Toda essa característica que é inerente à burocracia, lembra. A burocracia vai centralizar processos a priori. Para ter maior controle, vai profissionalizar, vai ter rigor técnico e tem escolas para profissionalizar O administrador público vai ter concurso público, vai ter mérito, o orçamento vai ter planejamento, as compras vão ser padronizadas. Então vai fazer o que ele vai normatizar, centralizar coordenar, executar tudo pela via direta, que essa é a característica da burocracia. Execução pela via direta que nasceu, para ser eficiente com a correta adequação entre os meios e fins em fazer do liberalismo econômico. Só que Vargas associava o caráter econômico ao caráter social ele vai ter um estado administrativo, estado social só porque acontece setenta. Cuidado na dose está dependendo da dose de remédio, dependendo da dose do veneno que acontece. A burocracia. Vez, vai exagerar, em alguns pontos, que ela vai se tornar ineficiente quando ela nasceu. Para ser eficiente, ela vai ficar alto, referido, incapaz de se voltar para o destinatário, que é usuário de serviço, por exemplo. E aí alguns problemas ocorrem, que são de funções burocráticas. Olha para mim aqui vão ver Olha, aqui, no quadro de funções, perda da noção básica, que seria servir a sociedade. Até porque a ênfase recai somente sobre os meios na burocracia e não nos fins, porque a gente vai ter aquilo que chama de controle de processos. A priori, a gente vai ter aqui, para a burocracia a garantia do poder do Estado, transformando se na própria razão de ser do funcionário. Então funcionário vai ter aquilo que a autorreferência, que a incapacidade de se voltar para o interesse dos usuários, por exemplo, da sociedade, o que vai trazer a sua ineficiência e a incapacidade de voltar se para o serviço ao cidadão. E olha a gente, a burocracia nasceu para combater o patrimonialismo, mas vai ocorrer um nel patrimonialismo, aquilo que, se a gente assim pode chamar, que seria o corporativismo, Deixa então, ela que para mim, é o corporativismo. As pessoas vão entender muito dos mecanismos burocráticos e vão se valer desses mecanismos burocráticos para que, para desocupar, poder para se dar bem, para conseguir tirar vantagens da máquina pública. Portanto, a burocracia vai permitir uma série no fim, essa confusão toda por trás da burocracia, a gente vai flexibilizar o concurso público já vai ser recepcionado, já vai ter gente tentando tirar proveito da máquina pública nesse corporativismo se protegendo a líder das instituições. Então, tudo isso é contrário ao que a burocracia pregava. Burocracia. Ela nasceu para ser eficiente. Ela queria controlar muito, porque ele é controlar de mais e fazer tudo pela via direta. Acabou se tornando ineficiente. E é isso que vai fazer o surgir um novo modelo. A gente vai começar a surgir já no fim da década de cinquenta. Um bando de gente tentando fazer reforma, implantar descentralização administrativa. Conseguir de fato, eles não vão mais. O discurso já começa a surgir. Mostrando toda a fragilidade do modelo burocrático que já nasceu velho, ele mal nasceu e foi atropelado por uma necessidade de mudança de descentralização para se tornar mais eficiente. Seguindo aqui, a gente pode falar, eu vou usar como referência um autor que eu recomendo a leitura, que a HBO já a mudar, ela Rais, vai você, palavra esposos ou não? Esse cara Abuja Rache Tem um artigo que eu gosto de recomendar para os meus alunos que ele se chama da era Vargas FGV. Se você colocar esse nome Abuja, Hagi e o título no Google da Era Vargas se baixar esse artigo, que é incrível, que fala de todo o movimento da reforma com o perfil econômico, político, histórico, cultural, eu acho do caralho esse artigo então leia ele, vai falar desse próprio desenvolvimento. Ele vai falar que nesse momento da administração publica nesta transição, a gente vai ter uma característica que começa a ir para o desenvolvimentismo em um estado que beira ao empresariado, o que, então, esse próprio desenvolvimento já começa a surgir. Já nesse período que a gente vai ter uma característica já bem orientada a gestão privada, dando índicios vizinhos do que viria no gerencial, mesmo lá na frente, porque torna a característica desse próprio desenvolvimento. Aqui já começam a ocorrer investimentos públicos diretos em empreendimentos econômicos e também sociais, que com vagas primeiro foi econômico e social e a formulação de uma política industrial de integração dos setores industriais, insumos básicos, indústrias de bens de capitais. A política industrial teria aspectos protecionistas no começo no sistema de incentivos de intermediação financeira. O monetarismo é um pensamento derivado da teoria neoclássica e acredita no equilíbrio espontâneo do mercado. Essa que começa a acontecer o papel do Estado se extingue o controle da inflação e a defesa de uma ordem monetária estável, ou seja, o equilíbrio orçamentário. Gente presta atenção numa coisa. O desenvolvimentismo lá na frente vai partir da premissa de que o mercado se auto regula e esse mercado vai trazer o desenvolvimento social que Vargas fazia. Ele aliava dois eixos de reforma reforma do ponto de vista econômico, reforma do ponto de vista social. Então por isso ele era conhecido pelo país como o pai dos pobres. Sabe o que vai acontecer? A gente nos governos que se sucedem, Eles vão se preocupar muito com econômico e nada como social. Eles vão partir da premissa nesse estado liberal ainda que de que se eu investir na economia e trouxeram o desenvolvimento econômico do estado, naturalmente o desenvolvimento social vai ocorrer para a sociedade. O que a gente vai ver que não vai ser bem assim, que o buraco mais embaixo, mais em março. Então volta aqui comigo, recomendou. Então, a criação do Banco Nacional de Desenvolvimento BNDES olha só o BNDES aqui já no fim da gestão de Vargas. Olha só Vargas entre cinquenta e um em cinquenta e dois a gente vai ter um bem que é o banco de desenvolvimento para coordenar os investimentos infraestruturais previstos com recursos do esporte impor bem que Export Import Bank e do Banco Interamericano de Desenvolvimento está tudo aqui. Já vai dar um traço desenvolvimentista aqui para a gente o que vai acontecer? A tendência desenvolvimentista foi reforçado em cinquenta e três, com a conclusão do relatório do Grupo Misto CEPAL BNDES, sob a presidência do economista Celso Furtado, então funcionário do Sepal. E aí os dois estudos servirão de base para o Plano de metas do governo JK, iniciada em cinquenta e seis. A gente olha que interessante vagas aliava o conceito de desenvolvimento econômico com o desenvolvimento social. Os outros que vão suceder não vão fazer isso. Mas olha, foi Vargas que criou a base para o desenvolvimento. Isso com a criação do BNDES, por exemplo, olha, que interessante, o que vai marcar assim uma tr