A maior rede de estudos do Brasil

sgc_pc_sp_2014_intensivao_agente_telecom_nocoes_criminologia_02 (1)video play button

Transcrição


muito bem voltando aqui, então vamos lá. Vamos juntos. Estou no método Métodos que vocês podem utilizar aqui para morar na sequência que eu tenho alguns sinônimos bacana sinônimos aqui desse primeiro elemento vou colocar todos os sinônimos possíveis para que vocês possam entender. Olha só o primeiro deles, colocar de vermelho aqui, o que seria o em vai para a pessoa em Prism. O que é isso aqui? O empirismo? Atenção o empirismo. Estudar no caso concreto com experiências, aquilo que nós vimos como o crime nas suas mais variadas formas, de estudar os objetos da criminologia, o empirismo, a criminologia. Ela, por exemplo, ela não trabalha que aspectos, por exemplo legais tipo vamos ler um Código penal? Vamos ver se o Código Penal brasileiro é bom ou ruim e não ela vai no campo criminologia. Ela como um policial, ela vai em campo investigar. Ela vai no aspecto prático e ver isso e entender o surgimento desse crime. Não chover essa mãe chorando, essa desestabilização social deixou entender que o crime faz. Deixou aqui que o povo acha aqui, enfim, da polícia, do Ministério Público isso que é o empirismo, então pessoal. Atenção seria a análise prática do caso concreto seria abordar o acontecimento social. Seria estudar e ir a fundo o acontecimento social. Isso que é o método do empirismo que leva também o nome horas. Só vamos colocar o método pragmático ou do Prague, o batismo se colocar para você. Expressão pragmatismo não está errado também Olha que comigo o pragmatismo seria a análise. Mais uma vez de casos concretos para você chegar a uma solução, você teria que analisa os casos concretos para você chegar até uma solução E vê bom. Isso é, que de fato acontece o crime, o surgimento, porque as pessoas mais pobres são tendentes a cometer crimes. Ou, enfim, o crime não é privativo de pessoas pobres. Os ricos também cometem crimes, mas crimes. Por exemplo, colarinho branco, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, entre outros, até o pragmatismo. Mas aqui uma vez usando mesmo que estudo do caso concreto que o empirismo faz, ele vai até o local e Hiroko estuda porque o crime surgiu nessa comunidade carente. Enfim, olha só como ela, Criminologia muito bacana! Você já viu isso? Às vezes você não sabe o nome, mas você pensa desse jeito. Você já viu essa análise? Quando você chega por exemplo, enfim, uma comunidade carente igual eu trabalhei em alguns lugares do interior de Minas Você, oliver, o estado, você pensa, eu penso assim O Estado é um grande vilão pelo crime. Porque se chegar no local como esse, não só para fazer o método pragmático no local, em loco, enfim, no mesmo caso concreto ali, que é o espiritismo. E ver esse menino que nasceu na roça, que não teve nada, ele enfim, teve saúde, saneamento básico, educação, lazer, tudo aquilo que a nossa Constituição da República garante ao cidadão brasileiro. Que é isso, o artigo sexto do artigo sexto da Constituição Garantir os direitos sociais, saneamento básico, saúde, educação, lazer, vida E se ele não teve nada a esse menino no meio rural, ele, enfim, de repente vêm para a capital pedir dinheiro no ponto dinheiro, enfim, o semáforo, esse menino que não teve nada que foi jogada no mundo em que o Estado não cuidou, porque o Estado deveria promover de forma pública gratuita, óbvio, o Estado tem que fazer o que você recolhe. Um sei quanto de imposto recolhido Sei quanto de imposto. Não, recolhemos muito imposto para o Estado é construir escola, construir creche. Construiu que hospital ele faz isso não. Em dois Estados têm culpa desse nem vinho pedir dinheiro aqui na Capital. E aí as pessoas nem olha as pessoas em baixa vida para SAR, vai procurar seu pai então, enfim, então nem aí esse mínimo? A sociedade não quer o nome dela. Esse ministério começa a saltar, começa a matar, começa a traficar, olha o crime, surgia homicídio, o tráfico de drogas, a criminologia. Com esse método de estudo do caso concreto, ela vai até o local e vai ver esse menino. Ele surgiu como um criminoso, não foi porque ele não. Porque durante muito tempo ele enfim não teve aqui nenhuma conduta ilícita, porém, com o tempo, ele foi velha que o Estado não conseguiria prover nada. Ela resolveu então, partir para o mundo do crime e conseguir algo do Estado. Tecnologia fala que o grande vilão do crime seria o Estado, então é muito importante você saber em que o pragmatismo é isso que, logo que viu o surgimento do crime, no caso, uma comunidade carente, surge porque por ausência estatal, porque é o Estado que recolhe muitos tributos de todos nós, não está investindo. A sociedade está permitindo que a sociedade decidir a série. Se aqui enfim, Guti e aí surge o criminoso, nós não podemos fazer nada porque ele foi uma crise, mas de outra feita a tecnologia do seu método pragmático e espiritismo. Ela vai também nos altos escalões. Quem começa a pensar olhando a tecnologia vai o que é melhor do que eu faço? Estudiosos? Eu, por exemplo, enfim, que trabalha na área de direito penal que trabalha com criminologia. Eu tenho que dar respostas estatais? Eu sei porque o crime chuva eu sei porque a tecnologia, enfim, tá ali presente. Então eu tenho que dar um jeito no meu parecer, no meu dia a dia, na minha acusação, enfim, para tentar promover justiça com base na tecnologia também você, enfim, mas grandes escalões que pensam. Porque é que, por exemplo, um cara que enfim, pela presidente da Petrobras está muito em voga e chegar à guerra, cem mil para que ele desviou, não sei quantos milhões de reais. Porque é que muitos desses diretores da Petrobras que confessaram o crime fizeram uma delação premiada? Porque eles desviaram dos cofres públicos enfim, cem milhões de dólares por baixo, porque ele tinha o motorista, ele tinha salário alto, ele tinha família. Ele tinha saúde de educação de tudo, porque ele resolveu partir para o mundo do crime. Criminologia, criminologia? Pela ganância, ganância, Índole ruim. Tem pessoas que não tem jeito, tem pessoas que ainda no dela é uma ideia ruim. Era, vai aqui e por o lado do mal, esse caso. A criminologia também disse que é um caso. Não que o Estado queria. Porque o menino pobre eu tenho muito mais cuidado e dor de um caso desses bandidos, do colarinho branco que tem tudo isso rupia os cofres públicos. A tecnologia tem que estudar esse criminoso com mais afinco, mais cuidado, porque ele, às vezes que está desviando dinheiro do povo, não está deixando esse Estado. Investiga o povo investir aquele menino lá de Peçanha em filme. Comecei lá na zona rural, tiver um criminoso, porque não teve chances, porque o Estado estava ocupado com os seus integrantes? É colocar dia no poucos tecnologia, vai olhar, não é falar caso dos criminosos do colarinho branco, o problema de um problema de governança no caso de um menino desses, pedindo ligadas para até ser. Mas é muito pouco aqui. É provável que seja por isso, porque o menino, enfim, que não teve nada na vida. Então o mínimo que ele tivesse já estaria satisfeito. Um outro cidadão como esse lado alto teve tudo e nada para ele. Então o cuidado com isso, a tecnologia era boa desse método empirismo ou o pragmático. Outra questão que nós temos que ver a tecnologia era, trabalha também o método chamado aqui por quinze. Motivo também chamado de método aqui olha só esse experimental experimental. Como assim? Para fechar o neto de positivo ou experimental a criminologia, ela não trabalha que só para que vocês possam ver o método, Enfim, diferente do experimento, que é o chamado método dedutivo. Vamos colocar diferente. Olha só do chamado método diferente está colocado de outra cor aqui. Motivo diferente porque diferente do método de motivo o método dedutivo Atenção ao crime. Quando você tem aqui um código penal, uma lei penal que diz o seguinte Se a mata bbb- a pena de homicídio é de seis a vinte, deduz da lei que se o a matar a pena que ela enfim não tem questionamentos. O método dedutivo é o método aqui da ciência exata, é aquilo que enfim está na lei e ponto final, seus aspectos físicos, tudo que sobe. Dez. Isso, o método dedutivo, A lei da gravidade mais um são dois. O método dedutivo n