A maior rede de estudos do Brasil

Lesão celular reversível (PARTE I)video play button

Transcrição


vão dar início então ao nosso o novo tema de patologia geral. Nessa lei já fala um pouquinho sobre lesão celular, em especial a lesão reversível. Porque as lesões irreversíveis, elas vão ganhar uma aula para cada uma delas, para apoptose, necrose que serão os temas de morte celular. E essa olha está começando agora em sua fala mais sobre lesão celular, Porque a reversível, como então, começando para a gente olha, só vão entender o que é uma lesão reversível, uma lesão irreversível e tentar diferenciar e ver se isso está claro na sua mente, porque a pessoa pensa lesão celular, o que e aí fica aquela bagunça, não sabia qual veja confunde apoptose com necrose com que acontece uma coisa que acontece outra, Então vamos tentar esclarecer algumas coisas que acontecem para a gente que quando ele voltar para você, a lesão celular, ela ocorre. Quando a célula não é mais capaz desse adaptar, tem um tema e no meu canal que sobre adaptação celular, porque e aquilo lá é uma adaptação é justamente a forma que a célula tenta reagir a um estímulo nocivo ao estresse. Seja ele um fator bioquímico, seja um fator externo, como é que o organismo, como por exemplo, aquele caso do fumante ou até mesmo o próprio suco gástrico, como a gente viu no esôfago de Barret. Por que então, uma lesão celular? Toda vez que uma célula não consegue se adaptar ao que acontece com você? Quando você faz algum movimento, por exemplo, você realiza tanto aquele movimento que, até um certo ponto, você começa a ser a lesionar, a sentir a lesão, seja por esculpir um dente, seja por sempre fazer o mesmo movimento com o celular, um exemplo daquelas lesões por esforços repetitivos. Então a lesão celular, ela funciona basicamente da mesma forma, a célula toma tanta pancada. Tanta pancada que chega, Um momento que ela falasse olha, não tem como mais adaptar e a gente viu ainda que as adaptações celulares nem sempre não são boas. No caso do esôfago de Barrett mesmo, você viu que o epitélio do esôfago ele mudou. Mas Vitor, isso é uma coisa boa, Não gente. Cada critério tem a sua função e, como o epitélio do esôfago, ele mudou de pavimentou o simples para coordenar muita coisa foi alterada naquele momento, então vem sendo um adaptam celular. É para melhor. É simplesmente uma forma. Se olha, vou tentar mudar isso aqui para ver se eu consigo viver mais rápido, porque eu não consegui me adaptar. Eu vou entrar em morte e o morrer. E ainda está no caso de lesões irreversíveis queixando. Tenham mais voltar pitosa em seu poder. Dividir para vocês as lesões Eu e divide em lesão reversível e morte. Olha que levam reversível são as adaptações, caso o estímulo seja interrompido. Ou seja, quando eu tenho uma alteração na minha cela e interrompeu o estímulo à volta, ela consegue ser voltar o que ela era antigamente. Isso é uma lesão irreversível. Agora, toda vez que o meu estímulo ele não consegue ser acessado, a célula não consegue se reparar, não consegue voltar ao que ela era. Ela já entra no caso a morte celular. Quando a adaptação já não é mais possível, ela é reversível nessa lesão. O dano não afetou a membrana ou o núcleo, aquela que a gente vai ver que toda vez que você obterá a membrana celular, você já vai ter um problemão. Imagina, vai ser um fluxo de água e fluxo de uso em fluxo de qualquer coisa para da membrana, e isso pode prejudicar muito a integridade da minha célula, o que então a lesão reversível? Quando voltei essa alteração na minha cela, o que você vai ver vai perceber que existem alterações quando que eu vou perceber que a minha cela se encontra em lesão reversível. Vida Existe uma série de acúmulos. Estou plasmático desde uma série de coloração que ameaçam não vais encontrar. E aí ela vai Eu posso dizer olha, essa sala está lesionada e ela se encontra resolver domicílio irreversível. Vito, A mesma coisa, quando eu tiver necrose pitosa vai apresentar para vocês característica, citou pelas marchas e nucleares que vão falar que ela falou não consegue mais voltar ao que era antes. E aí nós vamos por tipo de morte celular, ameaçando, não consegue se adaptar. Ou seja, ela está na lesão reversível, vai evoluir para uma irreversível, não está conseguindo se adaptar. O estímulo está demais em cima dela, então você vai ter a apoptose e a necrose se diferencia quanto a morfologia, papéis na doença e na fisiologia e claro, nos mecanismos. Então cada uma dessas aí toda a apoptose como necrose, elas vão acontecer em momentos distintos, vão gerar alterações diferentes. Por isso que elas podem ser diferenciadas. Gente, a necrose, por exemplo, olha, vai colocar você na observação. Ela sempre vai estar relacionado a um processo patológico, diferente da apoptose. Diferente da capital. São situações distintas apetitosa, por exemplo, acontece como está no embrião. Quando está aqui destruiu alguma estrutura, deixar para trás a uma estrutura que é divertido e embrionário. E aí apoptose é o que é uma morte celular programada. E outra coisa que, justamente quando a gente pensa em necrose, pelo menos a maioria dos alunos é achar que a necrose sempre vai ser uma coisa podre aqui a machucados, poço cheio de pus aquele negócio gente que lá é um tipo de necrose está necrosada, não, não precisa ser manifestada dessa forma. A gente vai ver os tipos de necrose. Ainda vai ver que não é assim que funciona. São tipos de necrose. A diferença da apoptose para necrose é justamente os mecanismos com a forma do núcleo, como quem vai para o citoplasma. Mas isso tudo já está dentro de lesão celular irreversível. Eu, como que ainda para vocês apoptose de solução nuclear sem pela integridade da membrana. Necrose de gestão da cela pela e sinalizou sônica, seguida de resposta inflamatória, exatamente isso na sua imagem de bom pra vocês. Nós temos aqui uma célula normal, uma célula normal, essa célula normal. Aqui ela está entrando, eleição reversível que é o tema da nossa aula de hoje. Morte celular como como ela é uma lesão irreversível, ela pode rapidamente entrar em recuperação. Por que agora só é que ela está passando por todas as características de uma lesão irreversível que vai haver uma inflação do retículo. A mitocôndria boa lisa, lembra Ana, são características da lesão. Aqui nós já temos a condenação da cromatina, bolas a membrana. Só que, por exemplo, a lesão ela pode se tornar progressiva. O que significa isso? O estímulo? Ele vai continuar sendo instituído sobre uma célula de tal ponto que não vão poder mais adaptar, que não vão poder mais me recuperar. Então, a única forma que eu tenho é o único caminho que eu tenho de seguir a morte. E aí agora que se diferencia seu entre necrose ou entrem apoptose, gente, nós teremos aulas. O que é uma aula só para necrose, uma aula só para pitosa. Então, assim, não precisa se desesperar, está tocando introduzir para vocês que são diferentes mecanismos que acontecem alterações citou plasmáticas que acontecem alterações nucleares para que a classifica uma célula e levam reversível lesão irreversível e em lesão prosa Causa desde a hora que o que acontece na necrose necrose Eu tenho tudo uma ruptura da minha membrana, quarto colocado antes o seguinte Nessa lesão, o dano celular não afetou a membrana ou núcleo e você já pode perceber que na apoptose na necrose, isso já vai afetar, porque eu vou ter toda uma desintegração do núcleo aqui também vou ter toda a fragmentação do núcleo, só que o que acontece a diferença que essa daqui, a célula poca ela estoura famoso capixaba. E aí tem um extravasamento do conteúdo programático e isso gera como funciona, como se fosse um corpo estranho. Então meu corpo reage na forma de inflamação. Então preciso, eu consegui visualizar células inflamatórias no local da lesão e tudo aquilo que faz parte do processo inflamatório que também uma aula que nós vamos ter e na populosa não há cela, vai simplesmente se desintegrando, formando os famosos corpos apoteóticos. E aí os fagócitos pode ser macrófago, pode ser celas. Outras celas solitárias vão, simplesmente fala, citando os restos celulares. Então a diferença básica de rosa para apoptose. Feitosa Tenho fragm