A maior rede de estudos do Brasil

Homo Deus - Yuval Noah Hararivideo play button

Transcrição


como Deus A Brief History of More Uma Breve história do Amanhã por Gilvam Não Arari Modelos dois mil e quinze explica como nos tornamos a espécie dominante do planeta e revela uma previsão para o futuro da humanidade. O livro examina o estado atual da humanidade, a noção de escolha individual e, como continuamos persistindo em venerar o individualismo. Ele também revela como a ciência e tecnologia vão eventualmente fazer com que os humanos fiquem subservientes aos algoritmos de computadores. Esta obra é destinada primariamente a pessoas que buscam entender a história do progresso da humanidade. Fãs de tecnologia que desejam aprender mais sobre o futuro. Pessoas com fobia de tecnologia que querem se preparar para o pior Rio vão No Arari é um historiador israelense, Professor permanente do Departamento de História da Universidade Hebraica de Jerusalém. Ele também é autor do best seller Sapiens uma breve história da humanidade. O que esse livro pode me oferecer? Aprenda porque os humanos não irão reinar para sempre. O surgimento dos humanos e o subsequente reinado da humanidade sobre a terra começou com um talento criativo a consciência e pensamento do almoçar. As religiões e a filosofia humanística fizeram a sua parte em dar à luz a este reinado, colocando os humanos no centro da criação e do pensamento. De fato, com o avanço rápido da ciência e da tecnologia dos computadores e das inteligências artificiais. Parece que não há o que possa nos parar, mas será que começamos a cavar nossa própria cova? Estes capítulos explicam a ascensão dos humanos e a doutrina da superioridade humana. Você aprenderá o que nos fez dominar esse planeta e porque nos achamos especiais. Mas também olhará para o futuro e para o que ameaçam o nosso reinado para o que poderia iniciar a queda da humanidade. Você também aprenderá como os cientistas podem tomar decisões para ratos. Como a eleição presidencial dos Estados Unidos ilustra a superioridade humana, é porque o liberalismo e o nacionalismo são religiões. Você está ouvindo um best seller resumido por essas. Essa é a essência de qualquer conteúdo ao seu alcance. Para ter acesso ao nosso acervo com mais de seiscentos livros, visite nosso site. Www baixo nosso aplicativo Primeiro capítulo Os voos que ouçamos as ambições da humanidade mudam todos os dias para a humanidade. Progresso e a inovação não são novidades. Nós nos esforçamos para alcançar a lua e as estrelas. Desenvolvemos métodos para derrotar a fome, as doenças e os efeitos da guerra, mas na medida em que avançamos, nossas ambições precisam mudar. Vamos pensar em até onde chegamos hoje. Conseguimos observar a propagação da fome e das doenças, catástrofes que mataram muitos no passado. Na França, entre mil seiscentos e noventa e dois e mil seiscentos e noventa e quatro, por exemplo, a fome matou quinze por cento da população. Isso é quase dois vírgula, cinco milhões de pessoas infame pandemia da peste negra que matou entre setenta e cinco e duzentos milhões na Eurásia na década de mil, Trezentos e trinta. Isso é quase um quarto de toda a população. Mais hoje em dia, nós quase erradicamos a fome e as doenças. Na verdade, você tem mais chances de morrer de obesidade do que de fome. Em dois mil e dez a obesidade matou três milhões de pessoas no mundo. Da mesma forma, à desnutrição e à fome. Juntas, mataram apenas um terço disso. Estamos tão avançados que medimos nossas catástrofes. Em uma escala diferente. Observemos a crise do ebola. Embora seja considerada uma série a epidemia moderna, ela matou apenas onze mil pessoas ocorre algo muito semelhante com as guerras. Elas são exceções e não regras. Você tem mais chances de morrer de diabetes, um virgula cinto, milhões de mortes em dois mil e doze. O que em uma guerra, cento e vinte mil em dois mil e doze. Isso importa bem, isso significa que, enquanto a espécie a humanidade consegue ajustar suas metas, podemos planejar viver mais ou ficarmos mais felizes e mais fortes. Estamos no caminho certo. A medicina do século vinte quase dobrou a nossa expectativa de vida. Algumas pessoas até mesmo acreditam que a imortalidade é possível. Também sentimos que podemos viver mais felizes por esse motivo. De acordo com uma pesquisa feita em dois mil e treze, sobre o uso de drogas e saúde, mais de dezessete milhões de norte americanos informaram consumirem êxtase. A tecnologia também é utilizada para fortalecer nossos corpos. Hoje em dia, pacientes paralisados podem controlar membros biônicos apenas com o pensamento, Mas isso é só um começo. Podemos voar mais alto. Próximo capítulo os humanos declararam superioridade sobre os animais e provaram isso através da cooperação coletiva. Os humanos são, sem sombra de dúvidas, as criaturas mais bem sucedidas do mundo, mas seremos capazes de sustentar isso se quisermos saber para onde estamos indo. Temos que saber de onde viemos, o que nos deixou tão poderosos. Desde quando deixamos de ser caçadores coletores, declaramos superioridade sobre os animais. Começamos a domesticar animais na mesma época em que desenvolvemos a agricultura em torno de doze mil anos atrás. Atualmente, mais de noventa por cento dos animais de grande porte são domesticados. A desvantagem da domesticação é que ela causa sofrimento aos animais. Por exemplo, leitor são confinadas em estábulos de gestação, mal podem se mexer e são assassinadas quando seus corpos não aguentam mais. Surpreendentemente, a maioria das pessoas não se importa com isso, pois vai contra o nosso desejo por carne barata e em grandes quantidades. Mas o que nos torna tão especiais a ponto de pensar que podemos abusar dos animais desse jeito, daria para pensar. Nós não somos tão diferentes dos outros animais do ponto de vista metafísico. Gostamos de imaginar que somos diferentes de alguma forma porque desenvolvemos o conceito de alma humana. Os monoteístas dizem que somos únicos porque possuímos esta alma, mas não existe nenhuma evidência de que algo assim existe ou de que podemos nos diferenciar dos animais. Por isso, talvez você acredite que os animais têm uma consciência inferior. Bem, ainda não sabemos se a consciência humana é diferente da consciência animal, afinal, a ciência moderna ainda não conseguem explicar o que é a consciência. Talvez a nossa dominação mundial possa ser abordada de forma diferente. Vamos refletir sobre nossa habilidade de cooperar em grande escala e com flexibilidade. Na última eleição dos Estados Unidos, por exemplo, aproximadamente quarenta milhões de pessoas foram votar na data combinada, seguindo as mesmas regras e concordando em respeitar os resultados. Próximo capítulo As religiões nos trouxeram narrativas e dilemas morais encapsulados. A cooperação nos deu uma vantagem competitiva, mas o que nos fez começar a cooperar o desejo de cooperar é uma reflexão das histórias que compartilhamos quando compartilhamos histórias. Também compartilhamos valores. Considere que no final do século doze, os líderes europeus se uniram na Terceira Cruzada. Seu objetivo retomar Jerusalém. Pessoas de toda a Europa se juntaram para lutar como aliadas. Isso incluiu até mesmo os franceses e ingleses, que terminaram uma guerra entre si para se aliarem, o que tornou isso possível. Eles simplesmente acreditavam na mesma narrativa religiosa católica e, consequentemente, acreditavam que obteriam salvação eterna por seus esforços. As narrativas religiosas são igualmente poderosas hoje em dia, mas já sofreram transformações surpreendentes. Ninguém vai se juntar a uma expedição para conquistar outro país, porque o Papa mandou seria motivo de risadas. Mas isso não é porque não temos mais religião. Ela só tem um aspecto diferente. Vamos voltar para o essencial, o que é religião. Para começo de conversa, vamos declarar o que ela não é supertição, não é a crença em seres sobrenaturais. A religião é a crença em um código de leis que está acima das ações humanas. Consequentemente, liberais ou nacionalistas podem ser considerados tão religiosos quanto cristãos e muçulmanos. Eles também acreditam em um código