A maior rede de estudos do Brasil

História em dois minutos- Queda da bastilhavideo play button

Transcrição


fala galera, bebida de volta ao canal to da história aqui Quem fala o professor Ilário Xavier e você, meu amigo, está estudando em um canal integrante da plataforma passei direto ponto com ponto br Galera, estou de volta com quadro, história. Dois minutos Aquele quadro que você já está acostumado a onde você rememora assuntos importantes em apenas dois mil. E hoje estou aqui para falar sobre a famosa queda da Bastia. Catorze de julho de mil setecentos e oitenta e nove sem sombra de dúvidas, a data mais importante do calendário francês e uma das datas mais importantes da história da humanidade, já que a queda da Bastilha também é o marco inicial da história contemporânea. Bom, meus caros, a Bastilha era uma prisão secular, símbolo de opressão na França, símbolo do poder do antigo regime e do absolutismo monárquico. Bom, lá em mil setecentos e oitenta e nove, o clima estava tenso na França, o terceiro estado composto pelos camponeses operários, burguesia, baixo clero. Eles estavam questionando os privilégios dados ao primeiro e segundo Estado. O conjunto de abusos de poder do antigo regime na França, inerme naquele clima de tensão, a população, inspirada pela burguesia, resolveu invadir a Bastilha para se apoderar de um suposto carregamento de pólvora que tinha guardado na Bastilha para dar início a uma revolução que viria a derrubar o antigo regime na França. Por isso que a data é tão importante. Catorze de julho de mil setecentos e oitenta e nove A Queda da Bastilha não foi uma simples invasão de uma prisão secular francesa. Foi um símbolo da luta contra a opressão contra a opressão. Perdão é um símbolo de luta contra o antigo regime e aquela sociedade, privilégio na França e para muitos é o marco inicial da Revolução Francesa. Espero que vocês tenham gostado que deixa aquele lá de generoso. Não sei se você perceber o canal também estão. Está repleto de aula nova, top, um abraço e até a próxima aula do quadro. História em dois minutos