A maior rede de estudos do Brasil

Vídeo aula Cruzadasvideo play button

Transcrição


podemos, podemos começar sim tudo certo, então eu segui lo. Movimento cruzar de sta a gente percebi. A primeira coisa é perceber que o movimento cruzar vista não é aquele movimento de um bando de ambiente querendo ganhar o máximo de dinheiro possível e tal a gente passam. Tem espaço, na última aula, discutindo a questão do anacronismo. Quer dizer, na nossa cabeça que vem o que vem em primeiro lugar é o dinheiro. Mas na cabeça do homem medieval não era um homem de Valle, tem muito medo da Igreja e têm muito medo de Deus. Ele faz as coisas muito pensando em Deus, muito pensando no que a Igreja vai pensar no que a Igreja vai dizer. Então é preciso colocar o movimento. Cruzar. Dista sempre como um movimento focado na Terra Santa e depois o tempo vai passando e a gente vai agregando outros objetivos. Mas o movimento das Cruzadas é um movimento que começa no século onze e vai muito autenticamente até o século treze. Só aí já são duzentos anos. Mas quando o Dom Sebastião morre em mil quinhentos e oitenta na batalha de Alcácer Cyber, na verdade a mil quinhentos e setenta e oito Dom Sebastião, Rei de Portugal morre na batalha de Alcácer Cyber em mil quinhentos e setenta e oito. Ele diz que ele está fazendo uma cruzada contra os mouros. Ele está em mil quinhentos e setenta e oito no norte da África, brigando com árabes. Ele diz que ele está fazendo uma cruzada, ou seja, eu ainda tenho a percepção de cruzada. Um sentimento de cruzada em mil quinhentos atendeu o próprio Cristóvão Colombo falou disso na aula passada, veio para a América para angariar fundos para uma nova cruzada, mil quatrocentos e noventa e dois ilegítimo. A gente pensar que um cara no século quinze, um carro no século dezesseis, tem a mesma mentalidade que alguém lá no século? O papa urbano Segundo quando convoca no com filho de Clermont. Realizado aos vinte e sete de novembro de mil e noventa e dois mil e noventa e dois, o papa urbano, segundo está muito interessado em reconquistar Jerusalém em pacificar a Europa e enfim, trazer um movimento religioso e militar dos cristãos para retomar a Terra Santa. Esse é o interesse do Urbano. Segundo, não é o urbano. Quem tem esse interesse a mais ele era não ser o esquema. Não sei o que ele era um Papa. Ele estava interessado nas terras da gripe, estava interessado nos lugares onde passou a Jesus e tal. Depois a gente vai agregando outros interesses. Ao mesmo tempo, a gente tem interesses relativos correlatos. Então, por exemplo, o interesse que aparece o interesse do nome que o nobre vai falar primeiro lugar, eu preciso cumprir a minha missão de nobre, que é defender o cristianismo, mas também tem uma outra questão ou pai ao som da obra. Não tem terra, são cavaleiros, em todos os nobres tinham. Nem todos os nomes são. Então, eu, como cavaleiro, que não tem terra, eu estou interessado nisso. Aí eu estou interessado em alguém que eu pegue uma terrine ali. Entendeu então, pros para os nobres uma questão interessante para a própria cristandade, uma questão de acomodação de excedentes populacionais. Porque acomodação de excedentes populacionais, porque as Cruzadas vão permitir que os cristãos vão para outro lugar e porque tem um excedente populacional porque, grosso modo, mais diários húngaros, vikings eram todos povos que estavam invadindo a Europa o tempo todo, lembra. Ele invadiu a Europa também, todo o tempo todo. E aí o que acontece à população morre. Na guerra acontece Scar. Os nobres morrem na guerra contra esses caras. Só que no século dez o rolam Rei Viking se converta ao cristianismo e com isso até os vikings param de invadir a Europa. Então tem um crescimento populacional e queremos crescimento populacional. Na Europol, esse povo não tem onde pôr o feudo. Não produz comida o suficiente. O feudo produz comida de maneira autossuficiente. Lembra. Então se aumentou porque a população ferrou falta comida. Então eu vou precisar acomodar esse excedente populacional. Vamos levar para outro lugar e o outro lugar, qual é o outro lugar? Pode ser o que a gente chama hoje o Oriente Médio, que eles chamavam naquele momento de terras. Então é bom para acomodar o incidente populacional. É bom para para para a nobreza, para a nobreza. Terras é bom também por um cavaleiro andante, para alguém que vive de aventura para alguém que vive de saque para alguém que vive de guerra, fazer pilhagem, promover pilhagem, se apropriar de riqueza. Eu tenho também depois. Depois não no começo urbano. Segundo, promete isso para ninguém. Mas depois nós vamos começar a dizer o seguinte olha quem for para lá vai ter os seus pecados redimidos, vai haver a remissão dos pecados, a forma correta de remissão dos pecados e você vai ser perdoado. E aí eles vão entender em virtude disso e com os pecados sendo perdoados, você vai ser curado de determinadas doenças quando vai ser curado de determinadas doenças. E essas doenças vão fazer com que você então desaparecendo em torno do desaparecimento dessa doença? Vai mostrar que você está perdoado e isso vai garantir o seu lugar no céu. Olha que massa, olha que pensamento complexo, quer dizer, a causa de uma enfermidade que eu tenho é o meu pecado. Como eu sou pecador, eu sou doente. Se eu for para lá, eu vou ser, vou ter a remissão dos meus pecados e você curado. E vou para o céu conta. Muito legal esse pensamento de acordo e porque eu entendo que a doença é um sinal de pecado, porque o seu corpo não é puro, por isso consertar doente, especialmente a doença crônica, as doenças crônicas são vistas assim é difícil a doença. A gente pensa que doença tudo igual por nenhuma a doença. Ela na Idade média, a gente não descreve a doença na Idade Média, como a gente descreve, houve de doenças da idade média, Classe ao cara tá quente, o cara tem diarreia, o cara tem isso, tem aquilo. Mas você não tem muito como diagnosticar, por qualquer setenta por cento das doenças. Não diarreia não são febre, cem por cento das doenças, não febre, Não sei se alguma doença não da febre e então, a febre é uma uma questão. Então, ele teve febre e teve dores e teve calafrio praticamente qualquer coisa. Então, tem muitas doenças medievais que não existem mais, porque o organismo do ser humano já incorporou se, apegou A trata já faz parte do sistema imunológico e de nascença. Então, a gente já nem percebe que tem essa doença. Então, quais doenças são curadas, especialmente as crônicas? As crônicas que são melhor descritas, que chegaram até nós à lepra é uma delas, leproso a hanseníase que ocorrer a doença de Lázaro, como é descrita na Bíblia. Então, essas doenças crônicas que eram vistas como fruto de um corpo pecaminoso, um hábito pecaminoso, essas doenças crônicas, a gente vai ter cura. E aí, você purificado. Afinal, você pisou na Terra Santa. Você foi lá no Santo Sepulcro. Você percorreu a Via Sacra, então a absolvição do pecado, cura de enfermidades. Essas coisas começam a aparecer uma outra coisa que aparece um interesse comercial. Porque o interesse comercial, porque deixo muçulmana um ser muito mais desenvolvido do ponto de vista tecnológico do ponto de vista intelectual do que o cristão cristão cristão, o religioso que saber de ler a Bíblia entendeu cristão no momento da Idade Média tá num momento da idade média. Então é o que vai acontecer. A gente tem no mundo cristão esse bando de fanático. Daí o cara chega lá, vê que o muçulmano conhece ouvido. O cristão não usava vida muçulmano, sentem almofadas, tecidos de seda. O Gleisi disse que é um tecido mais grosso ver o mundo, então, pegar onde tem se de um cristão, dormindo, umas câmara e palha no canto que se fala, meu Deus, Como é que eu vivo aqui. Então a gente vai levar todos os alvos, o almofada, Nós vamos levar todas essas todos esses objetos para a Europa e vão começar a ver devido na Europa, Na janela, com vidro, entre a Luis Manuel entra, chuva, não entra vento gostoso, nós vamos levar. Não vão levar o fado não levar veludo não vão levar seda. Não levar tem sido. Levam muitos de coisa. Então começa a parecer um comércio. Aí sacou. Então esses outros interesses vão se desenvolvendo em torno de um interesse