Formação Constitucional do Brasil Aprenda tudo que você precisa

  • play_arrow 5 videos
  • subject1 Resumo
lock

Esse conteúdo é exclusivo para assinantes.

Assine o Plano Premium e tenha acesso ilimitado a todas as aulas

AssinarVeja aula grátis

Constituições de 1934 e 1937 - Teoria

Apresentação do contexto histórico de formação das Constituições de 1934 e de 1937, e principais características dos textos constitucionais.

  • thumb_down 0
  • Plano completo
  • Transcrição
  • play_arrowConstituição de 1824 e 1891 - Teoria

    lockConstituições de 1934 e 1937 - Teoria

    lockConstituição de 1946 e 1967 - Teoria

    lockEmenda Constitucional nº 1 de 1969 e a Constituição de 1988 - Teoria

    lockPreâmbulo e ADCT - Teoria

    lockResumo - formação Constitucional do Brasil - Resumo

  • Fala, galera, tranquilo? Hoje, a gente vai continuar falando da formação constitucional brasileira e vai apresentar aqui as constituições de 1934 e 1937.
    Como a gente viu no finalzinho da aula passada, a Constituição de 1891 passou por uma reforma em 1926 que centralizou o poder. Essa constituição deixou de valer pouco tempo depois, com a revolução de 30, quando uma junta militar transferiu o poder para o governo provisório.
    Esse governo provisório ficou em exercício até 1934, quando foi promulgada a nova constituição. A elaboração da Constituição de 1934 foi influenciada por alguns aspectos A Crise de 29 e os movimentos sociais, que lutavam por melhores condições de trabalho, o que deixou claro que os ideais do liberalismo econômico e da democracia liberal de 1891 estavam abalados.
    Rolou também uma forte influência da Constituição Alemã de Weimar, de 1919, e, por isso, a ideia de um estado social de direito estava em evidência. E também houve influência do fascismo, já que o texto estabeleceu, além do voto direto para a escolha de deputados, uma outra modalidade indireta, como a gente vai ver já, já.
    Vamos ver agora algumas previsões da Constituição de 1934. Em primeiro lugar, foram mantidos alguns princípios fundamentais, como o presidencialismo e a tripartição dos poderes.
    O artigo 3º previa que os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário eram órgãos da soberania nacional independentes e coordenados entre si. O artigo 1º manteve como forma de governo a república federativa proclamada em 1839, sob o regime representativo.
    O Distrito Federal continuava tendo sede no Rio de Janeiro e sendo a capital da República, e era administrado por um prefeito. A previsão de transferência do Distrito Federal para uma área central do Brasil também se mantinha.
    O país continua sendo laico, a liberdade de consciência e de crença era considerada inviolável e era garantido o livre exercício dos cultos religiosos, desde que não se opusessem à ordem pública e aos bons costumes. O casamento religioso com efeitos civis passou a ser admitido, e o ensino religioso nas escolas públicas passou a ser facultativo.
    A previsão de "Deus" é destacada no preâmbulo. Houve rompimento com o princípio do bicameralismo rígido ou paritário, no qual a Câmara dos Deputados e o Senado Federal exercem funções básicas idênticas.
    Foi estabelecido um bicameralismo desigual, ou unicameralismo imperfeito. Ou seja, o Poder Legislativo passou a ser exercido pela Câmara dos Deputados com colaboração do Senado Federal.
    O mandato dos deputados passou a ser de quatro anos. A Câmara tinha que ter representantes do povo eleitos mediante sistema proporcional e voto universal, igual e direto, e representantes eleitos pelas organizações profissionais definidas por lei.
    Essa representação corporativa aqui é que tinha influência fascista. Já o Senado era composto de dois representantes de cada estado e do Distrito Federal eleitos por voto universal, igual e direto, para um mandato de oito anos.
    Os candidatos tinham que ser brasileiros natos, alistados, eleitores e maiores de 35 anos. Cabia ao Senado, entre outras coisas, coordenar os poderes federais entre si, manter a continuidade administrativa, velar pela Constituição e colaborar na elaboração das leis.
    O Poder Executivo era exercido pelo Presidente da República, que era eleito junto com o Vice por voto universal, direto, secreto e por maioria de votos, para um mandato de quatro anos, sendo vedada a reeleição. O Presidente tinha que ser auxiliado pelos ministros de estado, que passaram a ter responsabilidade pessoal e solidária com o Presidente.
    Foram estabelecidos como órgãos do Poder Judiciário a Corte Suprema, com sede na capital e jurisdição em todo o território nacional, composta de 11 ministros, juízes e tribunais federais, juízes e tribunais militares, e juízes e tribunais eleitorais. Foram garantidas também a juízes vitaliciedade, inamovibilidade e irredutibilidade de vencimentos.
    De acordo com o caput do artigo 178, a Constituição podia ser emendada, desde que as alterações não mudassem a estrutura política do estado e a organização ou competência dos poderes de soberania. O parágrafo 5º do artigo 178 fixou a forma republicana federativa como cláusula pétrea.
    O artigo 108 trouxe a equiparação do voto feminino ao voto masculino para o texto constitucional. Além disso, a Constituição passou também a prever o voto secreto.
    Essas duas garantias já tinham sido previstas no Código Eleitoral de 1932, mas entraram aqui no texto da Constituição. O caráter social da Constituição fica evidente em alguns dos novos títulos, como "ordem econômica e social", "família, educação e cultura" e "segurança nacional".
    Isso mostra também que a legislação trabalhista e a representação classista foram prestigiadas. Além do habeas corpus, surgem dois outros remédios constitucionais: o mandado de segurança e a ação popular.
    Vamos falar da Constituição de 1937. Getúlio foi eleito e tomou posse para governar o país de 1934 a 1938.
    Na época, rolava um conflito forte entre a direita fascista, que defendia o estado autoritário e o movimento de esquerda, que destacava ideais socialistas, comunistas e sindicais. Em julho de 1935, o governo fechou a Aliança Nacional Libertadora, representante do movimento de esquerda.
    Ela foi considera ilegal, com base na lei de segurança nacional. Em novembro do mesmo ano, o governo decretou estado de sítio, depois da Intentona Comunista, uma insurreição político-militar que tinha o apoio do Partido Comunista Brasileiro e de militares comunistas que queriam derrubar o Getúlio do poder e instalar o socialismo no Brasil.
    Foi a partir disso que começou um movimento de repressão pesada ao comunismo. Em setembro de 1937, rolou a notícia de que o estado-maior do exército tinha descoberto o Plano Cohen, um plano comunista para tomar o poder.
    Esse foi o estopim para o governo poder decretar o golpe como uma suposta salvação contra o comunismo, que aparentemente ia acabar com o país. O golpe foi dado em novembro de 1937, o Getúlio centralizou o poder, fechou o Congresso Nacional com o apoio de dois militares e com a decretação do estado de guerra.
    A Constituição foi outorgada em 1937, com influência de ideais autoritários e fascistas, e com a instauração de uma ditadura, o Estado Novo. Essa ditadura só teve fim em 1945, com uma nova constituição que redemocratizou o país.
    A Constituição de 1937 ganhou o apelido de "polaca", por conta da influência da constituição polonesa fascista de 1935. Vamos ver agora algumas previsões da Constituição de 1937.
    De acordo com o artigo 1º, o Brasil é uma república, o poder político emana do povo e é exercido em nome dele e no interesse do seu bem-estar, da sua honra, da sua independência e da sua prosperidade, o Brasil é um estado federal, constituído pela união indissolúvel dos estados, do Distrito Federal e dos territórios. Rolou uma redução das autonomias estatais, e aí, o regime federativo quase só existia na teoria, já que tinha uma constante atuação de interventores federais nos estados.
    O Distrito Federal com sede no Rio de Janeiro continua sendo a capital do país. O Brasil continua sendo um estado laico, e não tem a invocação da proteção de Deus no preâmbulo da Constituição.
    A divisão tripartida dos poderes foi mantida, mas só formalmente. Na prática, o Legislativo e o Judiciário perderam força, por conta da pegada autoritária do regime.
    O Poder Legislativo seria exercido pelo Parlamento Nacional, com colaboração do Conselho da Economia Nacional e do Presidente da República. O Parlamento seria formado por duas câmaras: a Câmara dos Deputados e o Conselho Federal.
    E aí, a gente se dá conta de que o Senado Federal deixou de existir durante o Estado Novo. A Câmara deveria ser composta de representantes do povo eleitos por voto indireto para um mandato de quatro anos.
    O Conselho Federal seria composto de representantes dos estados e dez membros nomeados pelo Presidente da República por um período de seis anos. O Presidente da República era a autoridade suprema do estado.
    Ele coordenava as atividades dos órgãos representativos, dirigia a política interna e externa, promovia ou orientava a política legislativa de interesse nacional, e supervisionava a administração do país. Foi determinada a eleição indireta da presidência, para se cumprir um mandato de seis anos.
    O artigo 90 definia o Supremo Tribunal Federal, os juízes e tribunais dos estados, do Distrito Federal e dos territórios, e os juízes e tribunais militares como órgãos do Poder Judiciário. A Justiça Eleitoral e os partidos políticos foram dissolvidos, mas, como a gente já disse, o Judiciário foi esvaziado e perdeu muita força com o governo autoritário.
    A centralização impactou também na economia. Com a nacionalização formal da economia e com o controle sobre determinados setores estratégicos da produção, como a mineração, o aço e o petróleo, rolou uma expansão capitalista.
    Foram criadas estatais, como a Companhia Vale do Rio Doce, em 1942, e a Companhia Hidrelétrica do São Francisco, em 1945. Muitos direitos foram restringidos, e a gente pode perceber vários retrocessos.
    ...

Tópicos relacionados

Direitos Individuais

Direitos Individuais

28 Vídeos 18 Resumos
Constituição - conceito e classificação (tipologia)

Constituição - conceito e classificação (tipologia)

3 Vídeos 1 Resumo
Poder constituinte

Poder constituinte

3 Vídeos 1 Resumo
Normas constitucionais

Normas constitucionais

1 Vídeo 1 Resumo
Hermenêutica

Hermenêutica

3 Vídeos 1 Resumo
Federação brasileira

Federação brasileira

2 Vídeos 1 Resumo
Organização dos poderes

Organização dos poderes

6 Vídeos 1 Resumo
Intervenção

Intervenção

1 Vídeo 1 Resumo
Separação dos poderes

Separação dos poderes

1 Vídeo 1 Resumo
Poder Legislativo

Poder Legislativo

18 Vídeos 18 Resumos
Poder Executivo

Poder Executivo

4 Vídeos 4 Resumos
Poder Judiciário

Poder Judiciário

13 Vídeos 13 Resumos
Funções essenciais à justiça

Funções essenciais à justiça

10 Vídeos 10 Resumos
Defesa do Estado e das instituições democráticas

Defesa do Estado e das instituições democráticas

4 Vídeos 4 Resumos

Planos de estudo com tudo o que você precisa

R$29,90/mês

Assine o PremiumCancele quando quiser, sem multa

Aproveite também

  • check Todos os materiais compartilhados
  • check Biblioteca com 5.000 livros, escolha 5 por mês
  • check Exercícios passo a passo
  • check Videoaulas e resumos