A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
52 pág.
Eletromicrografias - CHG

Pré-visualização | Página 1 de 3

Fig.1 - MITOCÔNDRIA ao ME de transmissão (MET). Observe: dupla membrana, cristas,matriz com grânulos eletron-densos e retículo endoplasmático rugoso (RER) nas suas proximidades.
Fig.2 – MITOCÔNDRIAS arredondadas com cristas finas e alongadas em adipócito multilocular.
Fig.3 – MITOCÔNDRIAS fraturadas e observadas ao ME de varredura
Fig.4 – MITOCÔNDRIAS alongadas concentradas junto às pregas basais dos túbulos proximais do rim, fornecendo energia para o transporte de íons.
Fig.5 – MITOCÔNDRIAS com cristas tubulares cortadas transversalmente, características de células secretoras de esteróides.
Fig.6 – CRISTAS MITOCONDRIAIS vistas através do método de coloração negativa ao MET, com partículas elementares internas (setas) onde ocorre a síntese de ATP.
Fig.7 – Grânulos de GLICOGÊNIO organizados em “rosetas” e associados ao RE liso em hepatócito.
Fig.8 – MEMBRANA PLASMÁTICA ao ME de transmissão. Observe 2 unidades de membrana (aspecto trilaminar) separados por espaço intercelular.
Fig.9 – MICROVILOSIDADES cortadas transversalmente, em célula absortiva intestinal, mostrando unidade de membrana
Fig.10 – CRIO-FRATURA (freeze-fracture) mostrando interior da membrana plasmática: face P com maior número de partículas intramembranosas do que a face E.
Fig.11 – FREEZE-ETCHING de hemácia mostrando face P com grande número de partículas intramembranosas e superfície externa (S) exposta pela sublimação do gelo (etching).
Fig.12 – Comparação de célula animal observada ao ME de transmissão em : A) corte ultrafino  B) crio-fratura
Fig.13 – GLICOCÁLICE (surface coat) em célula absortiva intestinal. Observe também mitocôndrias próximas às microvilosidades fornecendo energia para a absorção de substâncias
Fig.14 – Leucócito emitindo pseudópodes para englobar corpo estranho (PSEUDÓPODES).
Fig.15 – Vesículas de micropinocitose em célula endotelial de capilar sanguíneo (setas) e emissão de lamelipódios. (PINOCITOSE).
Fig.16 – Etapas do englobamento de ferritina ( setas) por processo de MICROPINOCITOSE SELETIVA.
Fig.17 – Vesículas recobertas ou “coated vesicles” : 
 1- vistas ao ME de transmissão 
 2- coloração negativa mostrando estrutura pentagonal e hexagonal da cobertura de clatrina (ver encarte).
Fig.18 – Processo de digestão intracelular. Observe lisossoma primário, corpo residual e gota lipídica.
Fig.19 – Vacúolos autofágicos (lisossomas secundários) contendo grânulos de glicogênio em hepatócito. 
Fig.20 – COMPLEXO JUNCIONAL em célula absortiva intestinal. Observe : zônula de oclusão, zônula de adesão, desmossoma e filamentos citoplasmáticos. 
Fig.21 – ZÔNULA DE OCLUSÃO (tight junction) em CRIO-FRATURA. Observe na face A e face B os pontos de fusão das duas membranas celulares formando linhas contínuas que vedam o espaço intercelular, impedindo a passagem de substâncias (ver esquema). 
Fig.22 – Detalhes da célula absdortiva intestinal. 
 A- microfilamentos de actina que sustentam as microvilosidades e ajudam a contração dos micróvilos. 
 B- corte transversal de micróvilos mostrando microfilamentos, unidade de membrana e glicocálice. 
 C- complexo juncional com suas 3 regiões. 
 D- Glicocálice especializado na retenção de partículas e contendo enzimas digestivas.
Fig.23 – Esquema de NEXUS (gap junction) mostrando conexônios que permitem a passagem de íons e pequenas moléculas.
Fig.24 – Ultra-estrutura da NEXUS ( gap junction) 
       A) ME de transmissão convencional, em corte
 B) Crio-fratura
Fig.25 – Desmossomas em célula da epiderme em região de interdigitação com filamentos intermediários (10nm) de queratina (tonofilamentos). 
Fig.26 – A) TONOFILAMENTOS (10nm) inseridos em desmossomas 
    B) Hemi-desmossomas unindo a célula epitelial à membrana basal (lâmina lúcida e lâmina basal).
Fig.27 – Estrutura de MICROTÜBULOS (esquema) mostrando dímeros de tubulina, montagem e desmontagem.
Fig.28 – MICROTÚBULOS do fuso mitótico em cortes longitudinal e transversal.
Fig.29 – Cílios em epitélio de traquéia. Observe corpúsculos basais (B), complexo juncional (C) e mitocôndrias (M).
Fig.30 – CÍLIOS em corte transversal mostrando axonema constituído de microtúbulos ( 9+2 ) envolvido por membrana. Observe também os braços de dineína no microtúbulo A, conforme esquema.
Fig.31 – CÍLIOS ao ME de varredura.
Fig.32 – Técnica de IMUNO-FLUORESCÊNCIA para visualização de componentes do citoesqueleto em célula cultivada. 
 1- usando anticorpo anti-tubulina 
 2- usando anticorpo anti-actina.
Fig.33 – REDE MICROTRABECULAR constituída de microtrabéculas que ligam-se às organelas citoplasmáticas. 
 A- ao ME de alta voltagem: feixe de filamentos de actina (af), microtúbulos (M), retículo endoplasmático (ER). 
 B- esquema tridimensional
Fig.34 – NÚCLEO VESICULOSO em célula de alta atividade metabólica. Observe cromatina frouxa, nucléolo e envoltório nuclear com poros (setas).
Fig.35 – COMPLEXO DE PORO . A) Estrutura (esquema). B) Observe cisterna perinuclear e heterocromatina associada ao envoltório nuclear ao ME de transmissão.
Fig.36 – Regiões do NUCLÉOLO: região granular e região fibrilar.
Fig.37 – LÂMINA FIBROSA acolada ao envoltório nuclear e servindo de ponto de fixação da cromatina interfásica.
Fig.38 – NÚCLEO DENSO em célula de baixa atividade metabólica..
Fig.39 – COMPLEXOS DE POROS ao ME de varredura.
Fig.40 – COMPLEXO DE POROS (mp) em célula crio-fraturada.
Fig.41 – Duplicação da molécula de DNA durante a fase S do ciclo celular, ligando-se a histonas e assim formando o filamento de cromatina interfásica. 
  Fig.42 – Filamento de cromatina interfásica. 
 A e B – filamento de 10 nm (sem histona H1) 
 C – filamento de 25 nm (com histona H1)
Fig.43 – CROMOSSOMA METAFÁSICO sem histonas ao ME de transmissão. Observe esqueleto de proteínas não-histônicas e as alças de DNA (esquema).
  Fig.44 – CROMOSSOMA METAFÁSICO normal ao ME de transmissão. Observe filamentos de 25 nm em cada cromátide
Fig.45 – METÁFASE ao ME de transmissão. Observe as fibras do fuso mitótico (constituídas de microtúbulos), centríolos e cromossomas na placa equatorial.
Fig.46 – Fases da mitose em imuno-fluorescência usando anticorpo anti-tubulina: A) metáfase B) anáfase C) telófase D) citocinese.
Fig.47 – CENTRÍOLO constituído de 9 tríades de microtúbulos e satélites peri-centriolares (setas) onde ocorre a polimerização de tubulinas.
Fig.48 – CITOCINESE em célula animal ao ME de transmissão. Observe restos de microtúbulos do fuso mitótico na região de separação entre as duas células.
Fig.49 – Detalhe da citocinese em célula animal mostrando restos de microtúbulos (M) do fuso mitótico e microfilamentos (mf) abaixo da membrana plasmática, os quais são responsáveis pela separação entre as duas células filhas.
Grãos de secreção:grãos de zimogênio(ZG)(enzimas inativas)
Ergastoplasma(ER):contém cisternas do RER
Fig.50 - Esquema ultra-estrutural de célula ácino-pancreática.
Fig.51 – Célula ÁCINO-PANCREÁTICA ao ME de transmissão.
Fig.52 - POLISSOMAS associados às cisternas do retículo endoplasmático (corte tangencial).
Fig.53 - RE rugoso ao ME de transmissão em cortes longitudinal e transversal.
Fig.54 - EXOCITOSE do conteúdo de grãos de zimogênio no lume do ácino pancreático.
Fig.55 - APARELHO DE GOLGI durante absorção de gordura em hepatócito. Observe face cis (de formação) e face trans (de maturação) do Golgi, sáculos de Golgi (GS), RE rugoso (rER), RE liso (sER), peroxissoma (p).
Fig.56 - Transcrição do RNAm durante a síntese protéica. Observe RNAm., sub-unidades 40S, 60S e cadeia polipeptídica.
��
Fig.57 - Síntese de glicoproteínas (esquema).
Fig.58 - RE liso, mitocôndrias com cristas tubulares e corpo residual em célula secretora de esteróides.
Fig.59 - Célula absortiva intestinal e célula caliciforme.
Fig.60 - Plasmócito.
Fig.61 - Célula produtora de proteínas de acúmulo citoplasmático (cianoblasto).
Fig.62 - Célula absortiva intestinal